Por Soraia Barbosa, para o TechTudo


Quando se trata de jogos, nem todo lançamento aguardado é sinônimo de sucesso. De games que não atenderam às expectativas criadas a outros que gastaram mais do que arrecadaram, a indústria está repleta de decepções. Um levantamento da Betway Insider publicado em 17 de fevereiro apurou os quatro maiores fracassos de todos os tempos no universo dos jogos. Duke Nukem Forever e Cyberpunk 2077 são alguns dos destaques. Confira a lista completa nas linhas a seguir.

Decepcionante por sua baixa performance, Cyberpunk 2077 é considerado um fracasso da indústria de jogos — Foto: Reprodução/TechTudo

Quer comprar jogos, consoles e PCs com desconto? Conheça o Compare TechTudo

1. Duke Nukem Forever

O quinto jogo da série Duke Nukem foi anunciado em 1997, como uma sequência de Duke Nukem 3D. Seu desenvolvimento foi um dos mais longos da história, com duração total de 14 anos. Ao longo de todo esse tempo, o game ganhou diferentes previsões de lançamento, que, logo após seus anúncios, eram canceladas. Em 2001, porém, a desenvolvedora 3D Realms optou por uma tática diferente: anunciou que o título chegaria ao mercado somente “quando estivesse pronto.”

O próprio desenvolvimento de Duke Nukem Forever foi muito conturbado. Além dos adiamentos, aconteceu uma batalha jurídica entre a publicadora e a desenvolvedora do título. Por causa disso, o jogo acabou passando para as mãos da Gearbox, que o entregou ao mercado apenas em 2011. Seu lançamento foi para PlayStation 3 (PS3), Xbox 360 e PC.

Duke Nukem Forever demorou mais de 10 anos para chegar ao mercado — Foto: Divulgação/Gearbox Software

Mesmo que na época fosse um dos games mais aguardados de todos, Duke Nukem Forever foi uma grande decepção para o público, tendo recebido uma chuva de reviews negativos. Os pontos criticados pelos fãs e pela mídia iam desde os gráficos e mecânicas mal polidas até questões como enredo e humor, que foram considerados datados para o período. A recepção ruim fez com que Duke Nukem Forever acumulasse apenas 376 mil unidades vendidas, metade do que foi estimado pela publicadora Take-Two Interactive.

2. E.T. the Extra-Terrestrial

Querendo surfar na onda de sucesso do filme E.T.: O Extraterrestre, de Steven Spielberg, a Atari lançou um jogo que marcou como um dos casos mais infames da história dos videogames. Para dar vida ao projeto, investiu US$ 21 milhões (cerca de R$ 116 milhões, em conversão direta) em licenças autorais e pagou um desenvolvedor indicado pelo próprio Spielberg para entregar o jogo a tempo do Natal.

E.T. the Extra-Terrestrial teve um grande lote de cartuchos enterrado por muitos anos — Foto: Reprodução/Atari Archives

Logo que chegou às lojas, E.T. the Extra-Terrestrial teve um alto sucesso comercial, com cerca de 1,5 milhões de cópias vendidas. No entanto, apesar do sucesso em vendas, o desapontamento com o jogo lançado para o Atari foi geral. Massacrado pela crítica e pelos jogadores, sua gameplay foi considerada confusa, e seus gráficos de qualidade duvidosa. Gerou um prejuízo altíssimo à empresa, que na época já andava em maus lençóis, com mais de 3 milhões de cartuchos devolvidos das lojas. Após isso, Atari enterrou as cópias de E.T. the Extra-Terrestrial em um aterro no Novo México.

3. Shenmue

Criado pelo veterano da indústria Yu Suzuki, Shenmue chegou ao Dreamcast em 1997 com um espírito promissor. O jogo trazia uma jogabilidade inovadora para os consoles na época, com ciclo de dia e noite, efeitos climáticos, mundo aberto e alguns outros conceitos que serviram de influência para vários outros títulos posteriores.

Primeiro Shenmue foi um jogo bastante inovador no Dreamcast — Foto: Divulgação/Sega

Para entregar um projeto tão complexo, foi investido um total de US$ 47 milhões (por volta de R$ 260 milhões, na conversão direta) em orçamento. Quando foi lançado, vendeu por volta de 1,2 milhões de cópias e se tornou um dos títulos mais vendidos do Dreamcast. O problema de Shenmue é que, mesmo com tantas unidades comercializadas, ele não conseguiu cobrir o seu custo de desenvolvimento. O prejuízo foi tamanho que contribuiu até mesmo para a saída da Sega do mercado de consoles.

4. Cyberpunk 2077

Após sete anos de desenvolvimento e vários adiamentos, Cyberpunk 2077 foi recebido como um dos lançamentos mais aguardados de 2020. O processo de criação do game não foi nada fácil e incluiu até mesmo a necessidade de períodos de "crunch" (rotina de horas extras e longas jornadas de trabalho) obrigatórios. Quando ele finalmente foi disponibilizado, em dezembro do ano passado, logo choveram inúmeras críticas na mídia especializada e entre usuários pelo seu número excessivo de bugs e baixa performance nos consoles.

Cyberpunk 2077 alcançou vendas de 13 milhões em apenas 10 dias apesar de todos os problemas técnicos, polêmicas e reembolsos — Foto: Reprodução/Gematsu

Mesmo com todas as decepções performáticas, Cyberpunk 2077 teve 15 milhões de cópias vendidas. O péssimo estado do game em seu lançamento, porém, fez com que seus jogadores logo começassem a solicitar reembolso na PlayStation Store (PSN) e na Xbox Games Store. A própria Sony decidiu remover o jogo da sua loja por tempo indeterminado. Após os problemas, a desenvolvedora do título, CD Projekt Red, publicou um pedido de desculpas em suas redes sociais e ofereceu devolução dos valores a clientes que estivessem se sentindo lesados.

Com informações de Betway Insider e Ranker

Cyberpunk 2077: coisas que você precisa saber no lançamento do jogo

Cyberpunk 2077: coisas que você precisa saber no lançamento do jogo

Mais do TechTudo