Video game

Por Filipe Garrett, para o TechTudo


O Playstation Vita (PS Vita) foi lançado em 2012 em todo mundo e foi o último console portátil da Sony. Descontinuado em 2019, o dispositivo foi revitalizado pela cena homebrew, e ganhou adaptações de jogos famosos, além de oferecer uma biblioteca de games bem singular. No total foram vendidas mais de 16 milhões de unidades em cerca de oito anos no mercado, o que fez o PS Vita ficar longe de rivais diretos da Nintendo e do PlayStation Portable (PSP), console antecessor que chegou a 82 milhões de unidades vendidas. O TechTudo separou pontos positivos e negativos para te ajudar a decidir se vale a pena comprar o produto usado em 2021.

PlayStation Vita já não é mais fabricado, mas continua despertando interesse — Foto: Filipe Garret/TechTudo

Procura um smartphone bom e barato na promoção? Vem ver essa oferta do AliExpress

Pontos positivos

1. Jogos

Biblioteca do Vita é bem variada e tem jogos que podem surpreender — Foto: Filipe Garret/TechTudo

A biblioteca de jogos do Vita é bem variada e oferece games de séries famosas, como Uncharted, Call of Duty, Killzone e Assassin’s Creed, protagonizando os grandes lançamentos da primeira fase do portátil no mercado. Existem também jogos esportivos, como FIFA 15, F1 2011, games de corrida, como Asphalt famoso dos celulares e vários lançamentos da série Lego. Além disso, grandes sucessos do PlayStation 2 (PS2) – como Metal Gear Solid 2 e 3 e os dois primeiros God of War – estão disponíveis para o Vita em versões em HD.

O interessante no caso do PS Vita é que a diminuição no volume de grandes lançamentos não representou a morte do sistema. Na verdade, isso deu espaço para uma grande variedade de ótimos jogos independentes e sucessos do mercado japonês que não chegariam a outros sistemas, tornando a plataforma ideal para quem curte jogos e graphic novels com origem asiática.

2. Retro compatibilidade com o PS1/PSP

O Vita é compatível com jogos de PlayStation 1 (PSOne) e também com jogos de PlayStation Portable (PSP). Os games de consoles rodam de forma natural no Vita, adaptando controles quando o caso, com estabilidade e boa qualidade gráfica.

Para quem está de olho em algo capaz de dar conta de games antigos da história das plataformas da Sony vale, no entanto, atenção quanto ao fato de que a oferta de jogos pode ser um pouco tímida. Para Vitas bloqueados, o catálogo disponível de games antigos de PS1 e PSP fica restrito ao que a PS Store oferece.

3. A cena homebrew

Resident Evil: Revelations 2 está disponível no PS Vita — Foto: Reprodução/Atomix

Desenvolvedores amadores e modders vêm há anos explorando os potenciais do PlayStation Vita para níveis realmente impressionantes. Recentemente, jogos como GTA 3 e Vice City ganharam versões adaptadas por fãs, completamente jogáveis no Vita, por exemplo. Além disso, a cena homebrew traz aplicações de diversos tipos para melhorar a experiência de uso do console de bolso, com direito a ferramentas de overclock, apps para fazer streaming de games e emuladores de uma grande variedade de consoles de outras marcas.

Ainda é possível jogar qualquer título de PS1 e PSP, além de permitir que o usuário adote cartão microSD para armazenamento de dados. Isso contorna o uso de cartão de memória proprietário da Sony, calcanhar de Aquiles do Vita e tido por muitos como um dos grandes fatores que explicam seu relativo fracasso de mercado.

4. A qualidade do portátil

PlayStation Vita roda games em 3D com gráficos de boa qualidade — Foto: Filipe Garret/TechTudo

O PS Vita é um console de 2012 e, com dez anos, seria normal assumir que suas tecnologias são defasadas. Embora não esteja no mesmo nível de um smartphone atual, o dispositivo ainda assim oferece desempenho suficiente para encarar games mais exigentes – como é o caso de Killzone Mercenary – com tranquilidade.

Mesmo em 2012, o Vita já oferecia tela com tecnologia OLED (embora de uma geração anterior e não no mesmo patamar dos displays mais recentes com esse tipo de acionamento) e processador gráfico usado pelo iPhone 4. Além disso, existe um conjunto de botões e funcionalidades bem completas: há dois analógicos bem funcionais, botões típicos de qualquer PlayStation, além de tela sensível ao toque, painel traseiro também touch, câmera e microfone – ferramentas que são usadas com grande criatividade em games como Uncharted: The Golden Abyss e Tearaway, por exemplo.

Pontos negativos

1. Cartões de memória

Cartões de memória originais do Vita são caros e costumam dar problema — Foto: Filipe Garret/TechTudo

Como dito anteriormente, a Sony decidiu criar um formato específico de cartão de memória que só serve para o Vita. Esses acessórios acabaram chegando ao mercado com preços muito mais altos do que o microSD e são propensos a dar problema com algum tempo de uso, gerando corrupção e dados e em alguns casos perda total.

Se a sua intenção é investir em um Vita sem desbloqueio, você terá de comprar cartões originais. E aí as coisas ficam ainda mais complicadas, já que a plataforma foi descontinuada pela Sony, algo que contribui para os itens ficarem mais caros – além de difíceis de encontrar.

Para efeitos de comparação, unidades de apenas 4 GB são vendidas em sites como o eBay por preços na faixa dos R$ 74. Um cartão microSD com 16 GB – quatro vezes mais espaço, portanto – comprado aqui no Brasil pode custar apenas R$ 25.

2. Preço

Interesse crescente na plataforma tem empurrado preços do Vita pra cima no mercado de usados — Foto: Filipe Garret/TechTudo

Uma combinação de fatores empurra os valores do console para cima. Em primeiro lugar, há uma escassez relativa da plataforma: como a Sony não fabrica mais o modelo, encontra-lo novo é quase impossível, o reduz o mercado a unidades usadas nas mãos de consumidores e colecionadores. Outro fator que empurra os preços para cima é que o console é muito valorizado na cena homebrew.

Em sites de vendas é possível encontrar o Vita em diversos estados de conservação a partir de R$ 1 mil. Consoles em melhor estado, ou com jogos e adicionais, podem se aproximar da casa de R$ 2 mil – valor que já é similar ao do Xbox One e PlayStation 4 (PS4) novos.

3. Falta de jogos importantes

O ciclo de lançamento de games do Vita tem duas fases bem distintas. No início, a aposta da Sony era atendida por grandes desenvolvedores e recebeu atenção, com a chegada de games de séries famosas: há Uncharted, Assassin’s Creed, Killzone e Batman Arkham, por exemplo, criados para o sistema. Com o tempo, o Vita perdeu embalo no mercado e o seu enfoque passou a ser games japoneses e independentes.

Se você procura jogos de grandes séries e desenvolvedores, pode ser o caso de dar uma repensada na ideia de investir no Vita. Não existe, por exemplo, um GTA para o console, e o último Fifa é de 2015 (há versões atualizadas desse Fifa disponíveis para a versão desbloqueada).

Com informações de: Tom's Guide, Push Square, GameByte e Spawn Wave

*Nota de transparência: Aliexpress e TechTudo mantêm uma parceria comercial. Ao clicar no link da loja, o TechTudo pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação. Os preços mencionados podem sofrer variação e a disponibilidade dos produtos está sujeita aos estoques.

Nintendo Switch: vale a pena comprar o console?

Nintendo Switch: vale a pena comprar o console?

Mais do TechTudo