Jogos de arcade
Publicidade

Por Adânia Souza, para o TechTudo


Os emuladores de consoles antigos dão acesso a diversos títulos nostálgicos como Pac-Man, Sonic the Hedgehog e Super Mario Bros., entre outros. O mecanismo simula o software e o hardware de modelos clássicos para permitir a outras máquinas executarem jogos que só funcionariam nesses consoles. Rodar softwares do tipo requer um alto esforço da CPU e da GPU, já que o ambiente artificial criado não pode ter falhas para se ter um melhor desempenho.

Para quem deseja matar a saudade de games nostálgicos, pode ser uma saída interessante, mas é importante tomar alguns cuidados na hora de escolher qual emulador baixar afim de evitar problemas como vírus e malware nos arquivos. Além disso, rodar um software do tipo requer requer alto esforço da CPU e da GPU, e a opção deve ser compatível com o seu PC. Confira, a seguir, cinco dicas para escolher o melhor emulador de jogos antigos e aproveitar títulos clássicos no computador.

Super Mario 64 é um dos jogos disponibilizados via emulador — Foto: Reprodução/Bago Games

O mercado de emuladores reúne quase todos os consoles retrôs e possui opções para diversos sistemas operacionais, como Linux, Mac e Windows, além de Android. Algumas vantagens de jogar um título antigo em um dispositivo moderno envolvem melhora nos gráficos, cheats liberados e opções mais diversas para o jogador salvar o progresso. Além disso, é possível ter acesso a versões de fãs e games traduzidos, gravação de áudio e vídeo, entre outras.

Mas, vale ressaltar: essas versões não são oficiais e, caso seja possível recorrer aos consoles originais, a experiência será mais segura e fiel à ideia original. Os emuladores estão longe da perfeição, e elementos como som e textura podem apresentar diferenças importantes, sobretudo em versões com novos recursos que podem atrapalhar o caráter nostálgico do game.

Uma forma de contornar isso é buscando remakes oficiais em plataformas como Steam, Epic Games, entre outras. Os próprios consoles atuais também trazem games remasterizados de PS3 e Xbox One, por exemplo, que aparecem disponíveis nas respectivas lojas de jogos. A Nintendo, inclusive, oferece o Expansion Pack da assinatura online, que traz diversos clássicos do Nintendo 64 e do Mega Drive para jogar no Nintendo Switch.

1. Defina o que você quer emular

Kega Fusion emula vasta biblioteca de consoles da Sega — Foto: Reprodução/PC Mag

O caminho para escolher o emulador ideal passa pela definição do fabricante e do console que você quer emular. A Nintendo oferece as melhores opções: o ambiente NES é reproduzido através do higan e do FCEUX, no Windows, e do OpenEmu, no Mac, e o mesmo vale para o Super Nintendo. Para GameCube e o Wii, a melhor opção é o Dolphin, que atende PC e Android.

Já os títulos da Sega são um pouco mais difíceis de emular. Para Linux, Mac e Windows, Kega Fusion traz a biblioteca do Mega Drive/CD/32x, SG-1000, Master System e Game Gear, enquanto o Redream emula o console Dreamcast no desktop e no Android.

Games de Mega Drive ficam disponíveis por meio de emuladores, mas alguns títulos também aparecem no pacote de expansão do Nintendo Online — Foto: Reprodução/Digital Trends

Para os fãs da Sony, as opções são mais escassas. Os games do PlayStation One podem ser reproduzidos no EPSXe, enquanto os títulos do PS2 aparecem no PCSX2 e do PS3, no RPCS3, sendo todos exclusivos para PC. As possibilidades são ainda menores para consoles Microsoft. Apenas o emulador Xenia reproduz os títulos do Xbox 360 no Windows. Mas, vale lembrar: muitos desses clássicos ficam disponíveis nas próprias lojas online dos consoles atuais.

As melhores opções para os games arcade são os emuladores que abrangem bibliotecas de diversos fabricantes, como o MAME (PCs), Mednafen (Windows), OpenEmu (Mac), RetroArch (desktop e mobile) e Mame4droid (Android). Vale destacar que os emuladores múltiplos não têm visuais muito amigáveis e podem ser confusos para alguns usuários.

2. Verifique os requisitos mínimos

RetroArch apresenta requisitos mínimos e recomendados para download em Windows — Foto: Reprodução/Adânia Souza

A lista de emuladores é extensa, então é importante atentar às exigências de cada um. Se o computador não for compatível, os jogos ficarão muito lentos ou sequer serão reproduzidos. Após definir o console ou o título que você quer jogar, visite o site do emulador e confira os requisitos mínimos.

O próximo passo é escolher a versão desejada (32-bit no Windows, por exemplo) e realizar o download e a instalação. A maioria dos emuladores requer uma CPU e uma GPU poderosas para que o sistema funcione sem falhas, além de memória livre. Vale destacar que alguns emuladores, como o PCSX2, roda em duas janelas simultâneas, e emuladores de consoles mais novos, como PS3 e Xbox 360, tendem a apresentar maior instabilidade.

3. Emulador simples ou avançado?

PCSX2 é um exemplo de emulador simples — Foto: Reprodução/PC Mag

Os softwares de emuladores estão divididos em dois tipos: simples (LLE) e avançado (HLE). O primeiro tenta replicar o mesmo ambiente contido no hardware original. O uso dos emuladores simples exige verificações regulares para garantir a precisão do processo e, por isso, são pesados.

Já os emuladores avançados não simulam o ambiente, mas permitem a reprodução dos jogos ao copiar a forma como o hardware original funciona. Os softwares HLE não geram um resultado tão fiel ao original como os LLE, mas sua execução acontece usando recursos inferiores.

4. Saiba de onde você baixa!

Como todo arquivo baixado de locais sem segurança garantida, alguns emuladores podem abrigar vírus. Por isso, é importante estar atento para que o processo de download não infecte o dispositivo. A maioria das opções está disponível em sites próprios ou integram plataformas como itch.io e Steam, e o usuário deve preferir fontes confiáveis na hora de baixar. Ainda assim, antes de instalar, vale conferir se o antivírus do computador está em dia: assim, qualquer malware será detectado e a máquina seguirá protegida.

5. Configurações de controles

Muitos jogos clássicos apresentam pouca ou nenhuma opção de customização de controles, mas o cenário muda nos emuladores. Ao usar um emulador no PC, o jogador pode configurar qualquer controle compatível com o sistema, inclusive teclado e mouse, além da opção de adquirir um adaptador USB para o controle original.

O Dolphin, por exemplo, replica os controles de movimento do Wii mesmo que você não tenha um Wii remote. Alguns emuladores permitem ainda a criação de múltiplos perfis, salvando as preferências do jogador para diferentes títulos, mas os ajustes da programação original do game não podem ser alterados. É possível ainda usar um controle de Xbox para jogar Super Mario 64 no emulador, mas o controle direito não conseguirá controlar a câmera livremente, e sim moverá a câmera em etapas, como feito nos botões C.

Com informações de Bago Games, Input Mag, Know Techie, Make Use Of e PC Mag

PlayStation 5 e Xbox Series: Qual console de nova geração comprar?

PlayStation 5 e Xbox Series: Qual console de nova geração comprar?

Mais do TechTudo