Jogos de luta

Por Bruno Magalhães, para o TechTudo


Street Fighter 6 foi uma das grandes surpresas da Capcom Pro Tour 2021: Season Final, torneio que aconteceu na madrugada do dia 21 de fevereiro. A sequência da popular franquia de luta recebeu apenas um teaser de anúncio, mas foi o suficiente para inflamar as expectativas dos fãs. No entanto, apesar da falta de informações, considerando a trajetória de Street Fighter 5, já é possível imaginar possíveis passos para o futuro da série. Com isso em mente, o TechTudo listou, nas linhas a seguir, cinco coisas que não podem faltar em Street Fighter 6.

Street Fighter 6 foi anunciado com Ryu e Luke em primeiro teaser — Foto: Divulgação/Capcom

Lançamento nos Xbox Series X/S e One

É imprescindível que Street Fighter 6 também seja lançado no Xbox, dispensando a exclusividade no PlayStation e PC de seu antecessor. Quando Street Fighter 5 foi anunciado em 2014, essa foi uma das primeiras informações confirmadas, já que o game contava até mesmo com um financiamento por parte da Sony. Com isso em mente, o fato de Street Fighter 6 ainda não ter plataformas reveladas pode ser um bom sinal para os donos de um console da Microsoft.

Personagens populares como Juri, Akuma, G e Sakura também têm chances de entrar em Street Fighter 6 — Foto: Reprodução/Bruno Magalhães

Retorno de personagens queridos

Embora Street Fighter 5 tenha fechado seu elenco com 45 lutadores jogáveis, algumas ausências foram sentidas pela comunidade. Por isso, é de se esperar que figuras queridas como Makoto, Dudley, Fei Long, Guy e C. Viper marquem presença no novo game. Vale lembrar que a Capcom promoveu uma votação de popularidade em 2017 que serviu de base para selecionar alguns lutadores para futuros games da franquia. Não seria surpresa caso os resultados fossem reaproveitados.

Também há grandes chances de que estreantes de Street Fighter 5 como Laura, G, Menat e Ed retornem no novo game. Um indicativo para isso é o fato de que Luke, um lutador inédito que chegou na última temporada, já está confirmado com um papel de destaque no novo título da série.

Luke fez sua estreia em Street Fighter 5 e já está confirmado na sequência da série — Foto: Divulgação/Capcom

Bom netcode e cross-play

Street Fighter 5 não é particularmente conhecido por ter um bom modo online. Inclusive, as falhas nesse aspecto do game até mesmo já fizeram sua comunidade trabalhar em soluções paralelas. Por isso, é de se esperar que o time de desenvolvimento tenha entendido como aplicar o chamado netcode de rollback com eficácia, assim como a importância do uso da tecnologia para oferecer uma experiência online de qualidade.

Também é fundamental que Street Fighter 6 mantenha o multiplayer cross-play, um dos maiores acertos do seu antecessor. A tecnologia, que permite partidas entre plataformas diferentes, é indispensável para unificar a base de jogadores e permitir que todos consigam se divertir.

Street Fighter 6 traz visuais mais realistas e segue sem data de lançamento — Foto: Divulgação/Capcom

Conteúdo single-player

É verdade que um bom ecossistema online é o principal responsável pela sobrevida de um jogo de luta, mas Street Fighter 6 não pode cometer o erro do seu antecessor e deixar os jogadores casuais de lado. Por isso, o game deve garantir o acesso a modalidades como Arcade e História já a partir do seu lançamento. Além disso, é fundamental que haja destaque para conteúdos que podem ser encontrados apenas nos modos offline, como chefes exclusivos, encerramentos bem desenhados e animados, entre outras possibilidades.

De acordo com a Capcom, Street Fighter 6 tem o objetivo de elevar o gênero de jogos de luta a um novo nível nos eSports. A questão é que isso pode se tornar um problema caso o game fique restrito a um nicho muito específico dentro dos jogos de luta. É importante que a empresa também observe trabalhos como da NetherRealm Studios com Mortal Kombat 11, que traz um conteúdo single-player robusto aos fãs, para conseguir equilibrar essa balança.

A Capcom promete mais novidades de Street Fighter 6 para a metade de 2022 — Foto: Divulgação/Capcom

Acesso gratuito a novos personagens

A fórmula de temporadas de conteúdo via DLC já está bem estabelecida na indústria e dificilmente deixará de ser praticada nos jogos de luta. No entanto, Street Fighter 5 acertou em cheio ao também permitir o acesso gratuito a personagens a partir de uma moeda chamada Fight Money. Em resumo, no game também é possível adquirir novos lutadores, cenários e itens cosméticos por quantias da moeda, sem a necessidade da compra de DLCs. Essa possibilidade também seria muito bem-vinda em Street Fighter 6.

Esse formato, vale notar, remete bastante a um jogo free-to-play e sinaliza que a Capcom estaria estudando ir além de sua zona de conforto. Um bom motivo para seguir com a ideia é o lançamento de Project L, jogo de luta da Riot Games que deve chegar ao mercado em 2023. Se seguir a tendência dos jogos competitivos da empresa de League of Legends e Valorant, Project L também deve ser gratuito e promete agitar bastante o cenário de fighting games com uma proposta mais acessível.

Com informações de Capcom (1 e 2) e Games Press

Mais do TechTudo