Atletas

Por Davi Bicalho, Para o TechTudo

Divulgação/KatGunn.com

O cenário feminino de esportes eletrônicos conta com campeonatos de World of Warcraft, Counter Strike: Global Offensive (CS:GO), Hearthstone e outros games. Entre os destaques em faturamento está a atleta canadense Sasha “Scarlett”, que ganhou aproximadamente US$ 400 mil (R$ 1,9 milhão) em prêmios durante sua carreira de StarCraft 2. Mais uma mulher em evidência é a chinesa Xiao Meng “Liooon”, atleta de Hearthstone, que faturou US$ 240 mil (R$ 1,1 milhão).

No entanto, apesar de o mercado de competições em esports ter movimentado cerca de US$ 1 bilhão em 2021 (cerca de R$ 4,9 bilhões, segundo a cotação atual), é possível notar uma grande diferença no faturamento de homens e mulheres. Por exemplo, o atleta dinamarquês Johan “N0tail”, player de Dota 2, ganhou com cerca de US$ 7 milhões acumulados (R$ 34,6 milhões). Esse valor é bem distante dos US$ 400 mil arrecadados por Sasha “Scarlett”. Sabendo disso, o TechTudo preparou uma lista com as sete mulheres que mais faturaram nos esports, de acordo com dados do site Esports Earnings. Os valores consideram todo seu tempo de carreira.

Dignitas, equipe campeã do IEM Katowice 2019 de CS:GO feminino — Foto: Divulgação/IEM

👉 Counter-Strike ainda é o melhor game FPS? Opine no Fórum do TechTudo

1. Sasha “Scarlett” Hostyn

Scarlett é a atleta que mais faturou na história dos esports — Foto: Divulgação/Red Bull

A canadense de 28 anos encabeça a lista como a atleta feminina mais bem paga do cenário global e está na posição 367 entre todos os gêneros. Sasha “Scarlett” ficou mundialmente conhecida por seu sucesso no game StarCraft 2, onde joga de Zerg. Segundo o site Esports Earnings, seus ganhos totais ao longo da carreira ultrapassam os US$ 400 mil (R$ 1,9 milhão). Ela, inclusive, é detentora do Recorde Mundial do Guinness como o maior faturamento de uma jogadora feminina de esports.

Ela começou a jogar StarCraft 2 em abril de 2011, dando seus primeiros passos no cenário competitivo participando de uma liga online exclusivamente feminina, a NESL Iron Lady, vencendo o torneio por duas vezes consecutivas. A partir daí, as portas começaram a se abrir e os patrocínios foram chegando, Scarlett conseguiu diversas façanhas em campeonatos mundiais e se tornou uma lenda. Seu título mais recente foi o Masters North America 2021 e atualmente ela joga pela organização canadense Shopify Rebellion.

2. Xiaomeng “Liooon” Li

Liooon foi a primeira mulher a receber um troféu na BlizzCon — Foto: Divulgação/Blizzard Entertainment

Diretamente da China, a jovem atleta de 25 anos atua profissionalmente no game Hearthstone. Ela ganhou enorme relevância internacional por ter se tornado a primeira mulher a vencer um Mundial e conquistar um torneio BlizzCon Esports. Estima-se que seus ganhos nos games chegam a mais de US$ 240 mil (R$ 1,1 milhão).

Seu primeiro campeonato disputado foi um torneio global em 2018, onde conquistou a segunda colocação, mas a glória ainda estava por vir. Em 2019, ela venceu a norte-americana Luna "lunaloveee" e se sagrou campeã do Hearthstone Grandmasters Global. Logo após sua vitória, ela disse em uma entrevista: "Quero dizer a todas as garotas por aí que sonham com as competições de esports, se você quer fazer isso e acredita em si mesma, você deve apenas esquecer seu gênero e ir em frente."

3. Katherine “Mystik” Gunn

Mystik ficou famosa por trabalhar em diversos âmbitos do setor de jogos — Foto: Divulgação/KatGunn.com

Katherine “Mystik”, também conhecida como KatGunn, nasceu na pequena cidade de Van Nuys, Califórnia, em 20 de abril de 1988. Antes de Scarlett se tornar a primeira colocada da lista, o posto era da própria Mystik, que fez muito sucesso não por apenas competir em um game específico, mas sim por trabalhar em diversos âmbitos do setor. Até o momento, Gunn faturou mais de US$ 122 mil (R$ 605 mil) com esports.

Em 2010, ela venceu a segunda temporada do WGC Ultimate Gamer, um reality show que colocou 12 players disputando em uma enorme gama de jogos competitivos. Kat também jogou Dead or Alive 5 profissionalmente, foi cosplayer e criadora de conteúdo da organização americana, Team Envy. Atualmente, ela é streamer em tempo integral na Twitch, com mais de 261 mil seguidores.

4. Rumay “Hafu” Wang

Nascida na cidade de Newton, no estado de Massachusetts (EUA), Hafu é uma streamer de sucesso na Twitch, com cerca de 1,3 milhões de seguidores na plataforma. Ela também ficou conhecida por competir profissionalmente nos games World of Warcraft , Bloodline Champions e Hearthstone . A estimativa é que seus ganhos totais já ultrapassaram US$ 90 mil (R$ 446 mil).

Hafu no quarto onde faz suas streams — Foto: Reprodução/Twitch TV

Filha de pais imigrantes chineses, ela cresceu em Lexington, no próprio estado de Massachusetts, sendo apresentada ao MMORPG World of Warcraft ainda na escola por seus amigos. Mais tarde, ela entrou na Universidade de Bentley, porém desistiu para se concentrar no seu maior sonho, os jogos eletrônicos. Assim, Rumay começou a levar a carreira mais a sério quando o modo PvP foi introduzido no jogo em 2007.

Seu talento chamou de atenção dos patrocinadores, o que lhe permitiu participar da Major League Gaming (MLG) em 2008 e vários outros torneios nos próximos anos. Tempos mais tarde, Hafu migrou para outro jogo PvP, Bloodline Champions, sagrando-se campeã da DreamHack Summer de 2011. Atualmente, seu foco principal tem sido sua carreira como streamer, embora ela tenha participado de alguns torneios, principalmente de Hearthstone. Wang se casou com o também streamer da Twitch David "Dogdog" em 13 de abril de 2021.

5. Nina “Nina” Qual

Nina é jogadora de StarCraft 2 e divide a jogatina com o ativismo pela causa LGBTQIA+ — Foto: Reprodução/Twitter

Com 31 anos, Nina, conhecida anteriormente como "puCK", é uma jogadora e ativista norte-americana que há muito tempo faz sucesso no game StarCraft 2. Ela começou a ser mundialmente conhecida principalmente depois de sua transição para o gênero feminino, sendo fortemente ativa na causa LGBTQIA+.

Segundo o Esports Earnings, Nina já faturou cerca de US$ 86 mil (R$ 426 mil na cotação atual). Há anos, ela utiliza suas plataformas para falar publicamente sobre como é ser uma competidora de esports transgênero. Nina disputou várias competições norte-americanas de SC2, e continua ativa no cenário.

Atletas brasileiras

Para contextualizar o leitor sobre as grandes pro players brasileiras, o TechTudo faz menção honrosa para as seguintes atletas:

6. Gabriela "GaBi" Maldonado

GaBi é a atleta brasileira que mais fatura nos esports — Foto: Divulgação/Vivo Keyd

Abrindo a menção honrosa para as atletas brasileiras, temos Gabriela "GaBi", jogadora de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO). A atleta de 22 anos atualmente faz parte da line feminina da FURIA Esports e vem se tornando cada vez mais conhecida pelo enorme sucesso nos campeonatos que disputa. Em toda sua carreira, GaBi já conseguiu atingir o valor total de US$ 13,5 mil (R$ 67 mil). Contando homens e mulheres, ela está no 358º lugar dentre os atletas que mais faturam.

Ativa no cenário competitivo desde 2016, GaBi já passou por diversas organizações e conquistou vários títulos em sua carreira. Logo em seu primeiro ano de disputa, ela foi campeã da Liga Feminina da Gamers Club em junho. A partir daí, as glórias chegaram de forma muito frequente, conquistando torneios nacionais, continentais e internacionais. Depois de passar por times de peso como Vivo Keyd e paiN Gaming, ela chegou na FURIA em 2020, onde está até hoje.

7. Karina "kaah" Takahashi

kaah defendendo a camisa da FURIA — Foto: Divulgação/FURIA

Nascida em 22 de outubro de 1995, Karina, também pro player de CS:GO pela FURIA, está ativa no cenário desde 2017 e, da mesma forma que sua companheira GaBi, possui uma enormidade de títulos da modalidade. A estimativa é que ela já ganhou aproximadamente US$ 11,6 mil (R$ 57,5 mil) com os esportes eletrônicos.

Em seu primeiro ano de competições, kaah não conseguiu vencer os campeonatos que disputou, no entanto, em 2018 conquistou a Liga Feminina Alienware da Gamers Club em março daquele ano. Ela teve passagens por poucos times em sua vida, sendo na Vivo Keyd seu maior contrato até então. Porém, logo foi ultrapassado quando assinou com a FURIA em 2020, equipe que defende até hoje.

VALORANT: confira as quatro skins de arma mais caras do game

VALORANT: confira as quatro skins de arma mais caras do game

Mais do TechTudo