Celular
Publicidade

Por Rômulo Diego Moreira, para o TechTudo

Reprodução/ Kickstarter

Alguns celulares deixaram sua marca. Não por terem a câmera mais poderosa ou possuírem mais tecnologia, mas por apresentarem um design absolutamente excêntrico. Para despertar a curiosidade dos leitores, o TechTudo preparou uma coleção de oito smartphones que abraçaram conceitos bizarros, mas que provavelmente você nem sequer sabia que existiam.

Dentre os destaques aparecem o Cyrcle Phone 2.0, cuja forma era oval para guardá-lo em pequenos bolsos, e o C91 Golden-Buddha Phone, no qual a ideia foi incluir uma cruz gamada como um símbolo de divindade e espiritualidade. Confira a lista completa nas linhas a seguir.

1. Cyrcle Phone 2.0

Smartphone Cyrcle Phone 2.0 tem câmera selfie de 13 megapixels — Foto: Divulgação/Dtoor

O celular oval Cyrcle Phone 2.0 tem um lema: “não retangular para pessoas não retangulares”. Esse dispositivo era fruto de um financiamento crowdfunding da pequena empresa chamada Dtoor e custou cerca de pouco mais de US$ 13 mil para sair do projeto, o que dá quase R$ 68 mil pelo câmbio do dia.

A ficha técnica da segunda geração do aparelho, lançada em 2020, trazia o Android 10. O telefone oferecia a conexão à rede móvel 4G. Sua tela tinha resolução de 800 X 800 e duas entradas para fone de ouvido. Além disso, ele ainda contava com a memória RAM 3 GB e armazenamento interno 32 GB.

2. Bang & Olufsen Serenata

Bang & Olufsen Serenata trazia um som potente — Foto: Reprodução/YouTube

O Bang & Olufsen Serenata é uma criação da própria Bang & Olufsen, que é famosa pelos eletrônicos premium, numa parceria com a Samsung. O dispositivo foi criado em 2007 com o objetivo de ser um telefone com bom áudio para o usuário ouvir música. Por isso, contava com um alto-falante deslizante. Era bastante esquisito e, à época de lançamento, veio com o preço sugerido de U$ 2.000, cerca de R$ 10,4 mil hoje em dia. O celular tinha tela de 2,4 polegadas e só conseguia se conectar na rede 3G.

3. Bang & Olufsen Serene

O Bang & Olufsen Serene trazia uma câmera com apenas 0.3 MP — Foto: Divulgação

A Bang & Olufsen e a Samsung também apostaram no Serene. O aparelho foi projetado especialmente para competir com os telefones mais avançados da época. Sua estética incluía uma dobradiça eletrônica (para abrir), uma roda de rolagem e discagem no estilo do iPod e um visor LCD.

A ficha técnica mencionava Bluetooth. A bateria trazia a capacidade de 800 mAh, o que na prática, resultava em 225 minutos de conversa, segundo a fabricante.

4. C91 Golden-Buddha Phone

C91 Golden-Buddha Phone tinha como conceito a religião — Foto: Reprodução/YouTube

Com o conceito de criar uma cruz gamada como um símbolo de divindade e espiritualidade, o C91 Golden-Buddha nasceu em 2009. O telefone poderia tranquilamente ter saído de algum filme de Lara Croft. Ele apresentava um formato de concha com uma estética na cor dourada, com detalhes em ouro e inscrições budistas no teclado redondo.

A configuração do aparelho não era das piores, apesar de sua aparência ser bastante distinta de celulares convencionais disponíveis no mercado. A ficha técnica mencionava tela de 2 polegadas, câmera de 1,3 megapixel e suporte duplo para cartão SIM.

5. Microsoft Kin

A Microsoft cancelou o aparelho 3 meses depois de lançar o Kin no mercado — Foto: Divulgação

A Microsoft deu bastante azar no lançamento de seus celulares – e o modelo Kin é a prova disso. Em 2010, o lançamento foi atrasado devido a problemas com o sistema operacional. Em seguida teve problemas com os preços e foi colocado em segundo plano devido ao lançamento de outro modelo. O resultado obviamente não agradou ao público, que preferiu o outro dispositivo em formato mais convencional.

Com o peso de 110 gramas, o telefone celular da Microsoft é era considerado grosso, com 19,1mm de espessura. Ele executava tarefas básicas com o processador de 600 MHz. O Microsoft Kin tinha Bluetooth 2.1 e WiFi 802.11 b/g (2,4 GHz), mas fica devendo NFC.

6. StarTac em arco-íris

Arco-íris StarTac da Motorola tinha 500 mAh de bateria — Foto: Divulgação/Motorola

Em 2013, o Arco-Íris StarTac da Motorola atendia ao público que procurava design com bastante cor. Apesar da estética, a tela era monocromática. O corpo do aparelho era bem grosso, com 23 mm de espessura. Incluindo a bateria, o aparelho pesava 112 gramas.

As funções do celulares eram bem básicas. Ele não tinha Bluetooth nem Wi-Fi. A memória RAM ficava em apenas 1 MB. Ainda nos dias de hoje, o usuário que quiser essa relíquia consegue comprá-lo no varejo online por cerca de R$ 550.

7. Siemens Xelibri

Siemens Xelibri pesava apenas 71 gramas — Foto: Divulgação

O Siemens Xelibri desembarcou no mercado em 2004, quando a Siemens adotou o conceito de criar uma linha de celulares que dialogava com o mundo da moda. À época, eles foram lançados para um público restrito e com o valor elevado. A ficha técnica, no entanto, deixava a desejar. O dispositivo vinha de fábrica com configurações muito básicas, o que não empolgou os consumidores.

Este modelo pesava apenas 89 gramas e tinha tecnologia para vibrar. Sua resolução de tela era de 101 x 80 pixels. Além disso, a bateria tinha 510 mAh. Essa capacidade permitia ao usuário autonomia de 290 minutos de conversação ou 240 horas como o telefone em stand by, de acordo com a fabricante.

Motorola Flipout vinha de fábrica com Android 2.1 — Foto: Thássius Veloso/TechTudo

O Motorola Flipout foi lançado em 2010 com um formato pequeno e uma tela que deslizava para exibir o telado. Um destaque que marcava o modelo era seu preço e com bom custo-benefício que atraia um bom público.

Quanto a ficha técnica do dispositivo, ele trazia o Android 2.1, sistema operacional do Google. Além disso, vinha com um teclado QWERTY adequado e uma ação giratória satisfatória. O telefone ainda contava com 512 MB de memória RAM e mais 512 MB memória ROM, além de ter possibilidade de expansão de até 2 GB.

Mais do TechTudo