Segurança
Publicidade

Por Flávia Fernandes, para o TechTudo


Algumas funções nativas de celulares Android e iPhone (iOS) e serviços oferecidos por apps podem ser incômodas e também afetar a privacidade de usuários. O rastreamento de publicidade por algumas empresas, por exemplo, salva atividades em plataformas com o intuito de oferecer anúncios personalizados. Além disso, softwares podem ter acesso à sua localização, mesmo que não precisem disso para funcionar. Por essas e outras razões, fazer ajustes e limitar permissões podem ser medidas essenciais de cuidado. Veja, a seguir, seis configurações para dar mais segurança e privacidade ao seu celular.

Configurações podem ser ajustadas nos aparelhos celulares para mais proteção e privacidade — Foto: Lucas Mendes/TechTudo

Seis configurações que você precisa mudar no celular

1. Esconder notificações da tela de bloqueio

Ter as notificações disponíveis na tela de bloqueio pode ajudar a verificar e acessar rapidamente novas atividades de apps. Os celulares oferecem essa funcionalidade por padrão, a fim de que seja possível verificar alertas de aplicativos sem que o smartphone precise ser desbloqueado. Porém, apesar da praticidade, o recurso pode deixar dados pessoais vulneráveis, uma vez que qualquer pessoa com acesso físico ao celular poderá ler as mensagens recebidas ou descobrir informações contidas nele.

Para manter a privacidade, é possível ocultar as notificações da lockscreen. Para realizar esse ajuste no Android, vá em “Configurações” > “Tela de bloqueio” > “Notificações” > e desabilite a seleção ao tocar em “Desativado”. Já no iPhone, é possível ocultar o conteúdo dos alertas em “Ajustes” > “Notificações” > “Pré-visualizações” > “Nunca”.

Se preferir, também é possível desativar por completo as notificações de um app no celular da Apple. Para isso, vá até a guia de “Notificações”, busque pelo app desejado e selecione-o. Em seguida, toque em “Tela bloqueada”.

Obtenha mais proteção ao desativar notificações da tela de bloqueio — Foto: Reprodução/Flávia Fernandes

2. Desativar rastreamento de publicidade

É fato que empresas como Google e Meta guardam informações relevantes sobre seus usuários, como idade e gênero, para que anunciantes possam fornecer publicidades direcionadas aos perfis. Os serviços de rastreamento do Google, por exemplo, podem armazenar atividades como histórico de pesquisa, interação com anúncios, abertura de links, etc. Todas essas ações servem para personalizar o tipo de propaganda a ser exibida para cada pessoa.

Nesse sentido, é possível realizar ajustes para reduzir a quantidade de anúncios customizados. No Google, acesse sua conta em (https://myaccount.google.com/) e selecione a opção “Dados e Privacidade”. Em seguida, vá em “Suas atividades e os lugares em que esteve” > “Configurações de anúncios” > “Personalização de anúncios”. Desabilite a opção em “A seleção de anúncios está ativada”.

Já no iOS 14.5 ou posterior, é possível escolher - assim que um app é instalado - se ele poderá ou não rastrear as suas atividades para fins publicitários. Para gerenciar as permissões de rastreio em apps já baixados, vá em “Ajustes” > “Privacidade” > “Rastreamento”. Nessa área, será possível selecionar os aplicativos que deseja desativar o rastreamento.

Google e outras empresas rastreiam suas atividades para oferecer anúncios personalizados — Foto: Reprodução/Flávia Fernandes

3. Desativar acesso à sua localização precisa

Alguns aplicativos podem pedir acesso à sua localização para oferecer determinados recursos, como no caso de GPS’s e plataformas de transporte. Entretanto, outros apps podem solicitar a permissão apenas para obter dados de mercado sobre os usuários. Por isso, caso prefira manter essa informação oculta, é possível desativar o serviço de localização no celular. Vale ressaltar, porém, que alguns aplicativos, como o Facebook, continuam tendo acesso à localização aproximada do usuário mesmo que a permissão seja desabilitada.

Para desativar a função no Android, vá em “Configurações” > “Local” e desabilite a chave de ativação. É possível também permitir acesso apenas à localização aproximada. Ou seja, o app conseguirá ver somente a região em que você está, mas não o local exato – o que pode ser suficiente, a depender do aplicativo. Esse recurso pode ser habilitado também na aba “Local”, ao pressionar o aplicativo desejado e desativar a seleção “Usar localização exata”.

Para desativar as permissões de localização para todos os apps no iPhone, vá em “Configurações” > “Privacidade” > “Serviços de localização”. Em seguida, desabilite a função. Para ativar apenas a localização aproximada, ainda na guia de “Serviços de localização”, toque no aplicativo desejado e desabilite a opção “Localização precisa”.

Limite a localização apenas para a região em aplicativos — Foto: Reprodução/Flávia Fernandes

4. Colocar senha no WhatsApp

Colocar uma senha no WhatsApp pode gerar mais proteção ao aplicativo e impedir que pessoas não autorizadas vejam suas informações e conversas. Ao acionar o recurso de código, ele será solicitado toda vez que acessar o mensageiro, o que vai conferir uma camada extra de segurança e privacidade ao smartphone.

Para fazer isso no Android, baixe o aplicativo Norton App Lock. Com ele aberto, toque em “Configurar”, selecione o Norton na lista de apps e marque a opção “Ativado”. Em seguida, desenhe o padrão de desbloqueio ou insira um código numérico. Depois, pressione “Escolha a conta do Google” e selecione o e-mail que utiliza para resgatar o código, em caso de perda. Abra a tela inicial do Norton e escolha o WhatsApp na lista de apps. Então, a senha terá sido adicionada ao aplicativo.

Já no iPhone, é possível inserir o bloqueio facial ou por toque. Para ativar o recurso, vá em “Configurações” no WhatsApp. Depois, pressione “Conta” > “Privacidade” > “Bloqueio de tela” e habilite a opção “Solicitar o Face ID/Touch ID”.

iPhone permite inserir senha por FaceID em WhatsApp — Foto: Reprodução/Rodrigo Fernandes

5. Deletar automaticamente sua atividade em apps

Ao usar aplicativos do Google, como Maps ou YouTube, atividades como históricos de pesquisas ou locais frequentados ficam guardadas na plataforma. Essas informações são usadas para salvar dados que podem ser usados futuramente ou otimizar recomendações de vídeos e serviços, por exemplo.

É possível deletar esses dados, caso busque por mais segurança e privacidade. Para fazer isso, vá em (https://myactivity.google.com/) e toque em “Atividades na web e de apps”. Em seguida, pressione “Desativar”. Para desabilitar o histórico de localização e de pesquisas do YouTube, volte à página inicial e repita o procedimento ao tocar em “Desativar”.

Limite o gerenciamento das atividades no Google para obter mais proteção — Foto: Reprodução/Flávia Fernandes

6. Limitar os apps que funcionam em segundo plano

Alguns aplicativos podem continuar “em funcionamento” mesmo quando estão fechados. Em alguns casos, as plataformas podem ficar em segundo plano para baixar novas atualizações e/ou enviar notificações e alertas. Dessa forma, eles podem consumir mais bateria do aparelho e causar bugs.

É possível impedir que isso aconteça, mas, para isso, é necessário acessar o Modo Desenvolvedor do celular. Para fazer isso no Android, vá em “Configurações” > “Sobre o telefone”. Em seguida, role a tela até encontrar a opção “Número de versão”. Toque no item repetidas vezes até que a mensagem “Você agora é um desenvolvedor” apareça. Volte para a tela anterior, que se chamará “Sistema”, e toque em “Opções do desenvolvedor”. Busque pela guia “Aplicativos” e pressione “Limite de processos em segundo plano”. Selecione a opção “Sem processos em segundo plano”. Pronto, isso limitará a quantidade de apps que funcionem em segundo plano.

Acesse o modo de desenvolvedor para impedir funcionamento em segundo plano de apps — Foto: Reprodução/Flávia Fernandes

Veja também: 7 funções que seu celular tem e você não conhece!

7 funções que seu celular tem e você não conhece!

7 funções que seu celular tem e você não conhece!

Mais do TechTudo