Publicidade

Por Ingo Müller; Para O TechTudo


Em 2012, a franquia Street Fighter completa 25 anos – mais tempo de vida do que muitos dos seus jogadores. Por isso, nós do TechTudo preparamos um especial caprichado, mostrando as origens deste grande game e a evolução da franquia. Neste texto, abordaremos todos os jogos da série principal, então insira sua ficha, aperte start e se prepare para voltar no tempo na velocidade de um hadouken.

Round 1, Fight!

O primeiro Street Fighter surgiu nos arcades japoneses em 1987. Neste jogo você controlava o karateka Ryu, que viajava pelo mundo enfrentando os dois melhores lutadores de cada país, sempre procurando por oponentes mais fortes até encontrar o campeão tailandês Sagat. Como podemos ver, muda o chefão, mas o enredo se repete até hoje. Mesmo assim, não se engane: essa “busca pelo mais forte” é um dos poucos elementos que se manteve constante nos últimos 25 anos – ainda bem, pois a estreia da franquia estava longe de ser um sucesso.

SF1 — Foto: TechTudo

Para entender o fracasso do primeiro jogo, precisamos lembrar que a indústria era bem diferente em 1987. Nesta época já havia games de luta, mas a maioria era de progressão lateral cooperativa, como no clássico Double Dragon. Competir no fliperama era basicamente sinônimo de escolher um game e batalhar pela pontuação mais alta, com os jogadores se alternando no controle.

A disputa mano a mano entre dois jogadores, grande inovação do primeiro Street, colocava o segundo player no comando do americano Ken, idêntico a Ryu, mas com outra paleta de cores. A novidade causou curiosidade, mas esbarrou em um defeito terrível para qualquer jogo de luta: a jogabilidade. Os comandos eram bastante complexos se comparados aos títulos de luta da época (como Yie Ar Kung Fu, por exemplo). Para piorar, os personagens andavam saltitando e os controles respondiam mal, o que comprometeu o sistema de execução de golpes baseado na combinação de movimentos com o joystick + algum botão de ataque: executar um simples hadouken era mais uma questão de persistência do que habilidade.

Por todos estes fatores, o game não chegou a impressionar, fazendo com que o jogo ficasse praticamente restrito ao oriente. Mas a Capcom reconheceu o potencial dos seus personagens e voltou à prancheta, esboçando o game seguinte – e este sim iria revolucionar a indústria.

Here comes a new challanger!

Quando a continuação chegou, em 1991, o jogo havia sido repaginado. Agora você podia escolher o seu personagem, e o rol de lutadores era bem extenso para os padrões da primeira metade dos anos 1990: oito competidores, com estilos bem diferentes, que mudavam totalmente a forma de encarar as lutas. Para completar, a Capcom foi muito feliz ao definir o elenco. Seus personagens iniciais foram (e são até hoje) os mais carismáticos já vistos em um game do gênero.

SF II — Foto: TechTudo

A jogabilidade manteve o mesmo layout, com três botões de soco e três de chutes, de velocidade e intensidade variáveis, mas agora os comandos estavam muito melhores. Você finalmente se sentia no controle do seu lutador, e os golpes especiais saiam de forma intencional, ainda que com alguma dificuldade para mãos destreinadas.

O grande problema de Street Fighter II é que havia alguns bugs que causavam o travamento da máquina. Mas a principal reclamação dos jogadores era a impossibilidade de se selecionar os chefões, o que foi resolvido em 1992 com a versão seguinte, Street Fighter II Champion Edition, que, como o próprio nome diz, era digna de campeões.

SF II 2 — Foto: TechTudo

O jogo foi muito bem recebido, e também gerou uma moda: naquela época, vários donos de fliperamas mudavam as configurações da máquina, deixando as partidas mais rápidas, ou permitindo golpes absurdos como sequências infinitas de magias, personagens que se teleportavam, entre outras loucuras. Pensando no potencial mercadológico destas mudanças, a Capcom incorporou alguns elementos destas edições não licenciadas (como o aumento da velocidade e os golpes executados em pleno ar) e lançou oficialmente Street Figther II Turbo poucos meses após a versão anterior – uma prática que se repete até hoje, como pudemos ver com o lançamento de Marvel Versus Capcom 3 e sua atualização Ultimate com intervalo de apenas nove meses no ano passado.

Em 1993, uma nova edição, Super Street Fighter II, chegou aos arcades trazendo quatro novos brigões (Fei Long, T.Hawk, Cammy e Dee Jay), o que elevou o rol de lutadores para 16. Para completar, o sistema de pontuação foi refeito, enfatizando ainda mais as sequências de golpes – isso deixou o jogo mais técnico e competitivo. Porém, as lutas eram mais lentas que as da versão anterior, o que foi corrigido em fevereiro de 1994, com o lançamento de Super Street Fighter II Turbo, que trouxe melhorias como os Super Combos, golpes especiais que podiam ser feitos quando a barra de poder localizada no canto inferior da tela estava cheia, além da presença do chefão secreto Akuma.

Esta, sem dúvida, foi a versão definitiva de Street Fighter II, tanto que os remakes da saga foram todos baseados no Super Turbo: a versão “Hyper”, que comemorava os 15 anos da série e saiu para o Playstation 2 em 2003; e a HD Remix, que teve distribuição digital em 2008 para as redes dos consoles da Sony e Microsoft, trazendo gráficos redesenhados para televisores de alta definição e jogabilidade repaginada.

Olhando para o passado

A essa altura, Street Figther era mais do que uma franquia de jogos eletrônicos – a marca havia virado um fenômeno cultural, e o rosto dos seus personagens estava estampado nos mais variados produtos. A popularidade individual dos lutadores chegava a rivalizar com a da própria série. Porém, mesmo com a força da identidade visual da marca, faltava profundidade para o enredo – o único elo entre os protagonistas era o chefão final, o que parecia pouco diante das tramas mais elaboradas apresentadas nos títulos da SNK e até mesmo no pastiche Mortal Kombat.

A resposta para isto estava no passado. A Capcom investiu numa interquel, uma trama que se passa entre o primeiro e o segundo torneios de Street Fighter, para contar melhor a história da saga, fortalecendo os laços entre os seus personagens – surgiu assim o arco de histórias Alpha (Zero, no Japão) em 1995.

SF Alpha — Foto: TechTudo

No game pudemos ver o ditador Bison não como um general megalomaníaco, mas como uma verdadeira ameaça global. Também acompanhamos os bastidores da rivalidade fraterna entre Ryu e Ken e até a jornada de Charlie, amigo do militar Guile que motivou sua vingança pessoal contra o líder da Shadaloo.

Em termos gráficos e no gameplay, a série Alpha foi bastante influenciada por outro game da Capcom, o Darkstalkers. O visual dos personagens foi cartunizado, e vários novos elementos foram incorporados ao jogo, como os Alpha Counters, especiais com três níveis de poder e a defesa aérea. Foi a primeira grande mudança na jogabilidade da franquia em quatro anos, mas o sistema agradou e se mantém atual até hoje, apesar de incentivar os jogadores retranqueiros (“turtles“).

O jogo foi atualizado em 1996, com Street Fighter Alpha 2, que trouxe mais personagens jogáveis e introduziu os Custom Combos, permitindo que o jogador criasse suas sequências especiais em vez de utilizar os supercombos padronizados. A evolução continuou e, em 1998, chegou Street Fighter Alpha 3, que “reinventou a novidade” ao apresentar três modos de jogo (os ISM): clássico, semelhante a Super Street Fighter II; normal, como os demais jogos da série zero; e variável, com os Custom Combos. Havia também uma barra de defesa, permitindo que um personagem quebrasse a guarda do oponente após atacar sucessivamente – era o fim da retranca! O rol de lutadores foi novamente expandido, especialmente nas versões domésticas, que contaram com personagens exclusivos.

SF Alpha 3 — Foto: TechTudo

Para efeitos de cronologia, Street Fighter Alpha 3 permanece como sendo a versão oficial da história, embora a preferência dos fãs se divida entre este e o game anterior, Alpha 2, notadamente mais simples.

De volta para o futuro

Depois dos games Alpha, a série deu um salto no tempo para mostrar o futuro dos seus personagens. Quer dizer, ao menos de alguns: Street Fighter III, lançado em fevereiro de 1997, deixou de lado praticamente todo o elenco conhecido, preservando Ryu e Ken e adicionando uma série de novos lutadores, como o bad boy Sean, o monstro russo Necro, a capoerista africana Elena e os gêmeos do Kung Fu Yun e Yang.

Esta pode ter sido a mudança mais óbvia, mas acredite, não foi a única e também está longe de ser a mais significativa. Para começar, graças ao poder da placa CPSIII da Capcom todos os personagens (velhos e novos) receberam mais quadros de animação do que em qualquer outro jogo da franquia, fazendo desta a versão 2D mais bonita de todos os Street Fighters até então.

SF III — Foto: TechTudo

Mudanças drásticas também ocorreram no gameplay: em vez de super combos, temos agora Super Arts – cada personagem tem três especiais, e escolhe, antes da luta, qual irá poder utilizar, abrindo um novo leque de estratégias. Por fim, surgiu o sistema de Parry, uma nova forma de defesa que permite ao jogador sair ileso dos ataques mais devastadores, mas exige um bom timing de quem opera o joystick para poder ser utilizado de forma eficiente.

Mesmo assim, a recepção foi morna, e como o hardware sofisticado da máquina era caro, ela acabou sendo vista em poucos (e bons) fliperamas. A Capcom, claro, tentou novamente, e em outubro do mesmo ano lançou SF III 2nd Impact, adicionando os personagens Urien (clone do chefão Gill); Akuma, sempre um favorito dos fãs; e o wrestler Hugo, baseado no capanga Andore, de Final Fight.

Em 1999, saiu SF III 3rd Strike, simplesmente um dos melhores games a receber o nome “Street Fighter” até hoje. A esta altura, os personagens novos – mesmo sem ter o carisma do elenco de 1991 – já não pareciam tão estranhos assim, e o público hardcore já havia dominado e aprovado as novas mecânicas, fazendo com que o lançamento tivesse grande aceitação entre os jogadores do cenário competitivo, onde se mantém como um favorito até hoje – tanto que alguns dos melhores duelos entre players profissionais do esporte eletrônico se deram neste game.

A galeria de lutadores da série também foi expandida, já que 3rd Strike trouxe de volta a chinesa Chun Li, mas também adicionou um “clone” de Guile (Remy), a karateka Makoto (adepta do Karate-Do, em vez do shotokan de Ryu e Ken), o metamorfo Twelve e o misterioso Q que, graças aos ports domésticos, sairam dos arcades e invadiram os lares dos jogadores. Quem abraçou a mudança pôde aproveitar um jogo fantástico, embora exigente e com uma curva de aprendizado complicada – por isso mesmo, muitos gamers sentiram falta de uma jogabilidade tradicional. O título seguinte da franquia, porém, chegou quase uma década depois.

Presente indestrutível

Um hiato de nove anos não foi suficiente para abalar o fervor do público por um novo Street Fighter: SF IV chegou aos arcades em 2008, ganhando versões domésticas no ano seguinte que, juntas, venderam mais de um 1,1 milhão de cópias. O segredo deste sucesso foi a volta às origens, a fusão entre o clássico e o moderno.

Da parte clássica, temos a volta de muitos personagens queridos dos fãs antigos, que mantiveram seu visual tradicional mesmo com a nova modelagem em 3D. Acabou o rushdown maluco do SF III e as lutas se tornaram mais cadenciadas, voltadas para o jogo de ataque e defesa – ao contrário da versão anterior, SF IV enfatizava mais o mind game do que os reflexos dos jogadores. Se Street III lembrava um filme de kung fu, com ataque desenfreado e defesa fluida, o quarto jogo se assemelhava a uma luta de boxe, onde prever os movimentos do adversário é tão ou mais importante do que ter habilidade nos botões.

As novidades foram a inclusão do sistema de Focus, que permite defletir ataques do oponente e ainda estender combos graças a sua propriedade de ser cancelado com uma corrida curta – o famoso FADC (Focus Attack Dash Cancelling). Outra boa inclusão foi o sistema de “revenge”, uma barra que enche conforme o seu lutador apanha e permite a realização dos Ultra Combos, golpes que podem mudar o resultado dos rounds.

Mas Street IV não seria um game da Capcom caso não recebesse atualizações, correto? E elas não tardaram a aparecer: em 2010 saiu Super Street Fighter IV, que melhorou o que já era bom, aumentou a quantidade de lutadores e trouxe alguns resquícios de Street Fighter III, como a capacidade do jogador escolher o especial do seu personagem antes da luta.

Super Street Fighter IV — Foto: TechTudo

Os fliperamas japoneses ainda receberam mais uma modificação, a “Arcade Edition” adicionava a versão maligna de Ryu, um Akuma totalmente possuído pelas energias malígnas (Oni), além dos apelões Yun e Yang. Por conta da popularidade destas modificações, a AE teve lançamento mundial e ports para os consoles. Em dezembro do ano passado, SF IV recebeu a que é a sua versão final até o momento, o patch 2012, que balanceou ainda mais os personagens.

Game Over?

Como pudemos ver, Street Fighter se tornou o que é graças a uma combinação de mentes visionárias, insistência e trabalho duro, conquistando merecidamente uma fanbase eufórica, sempre ávida por novidades – mesmo quando elas vêm rápido demais. Por enquanto, Super Street Fighter IV AE v. 2012 é o último lançamento com os guerreiros da Capcom, mas um crossover com os personagens de Tekken está previsto para o mês de março, e os fãs mal podem esperar para conferir o resultado deste confronto – se depender dos jogadores, Street certamente terá continues infinitos.

Mais do TechTudo