Publicidade

Por Thiago Barros; Para O TechTudo


As campanhas de solidariedade, que envolvem algum tipo de doença, costumam fazer bastante sucesso na Internet. No entanto, a estudante Emily Dirr, desmascarada somente 11 anos depois, inventou uma história comovente incluindo um menino com câncer. Por isso, é preciso tomar cuidado com essas histórias que emocionam. Afinal, também há muita gente querendo se aproveitar dos usuários com bom coração na web.

Post falso com as imagens dos gêmeos em seu aniversário (Foto: Reprodução) — Foto: TechTudo

Quem descobriu toda a farsa foi a blogueira Taryn Wright. Na verdade, Dirr é uma estudante de medicina de 22 anos que mora com o pai em Ohio, nos Estados Unidos. A história no Facebook dizia que John JS Dirr, oficial da polícia montada do Canadá, teria falecido em um acidente de carro deixando órfão o pequeno Eli Dirr, de cinco anos, que teria câncer. O caso foi compartilhado por milhares de pessoas, mas tudo era uma fraude.

“Muitas pessoas têm problemas psicológicos e começam a inventar coisas do nada, sem nenhum motivo”, explicou Taryn Wright.

A mulher criou perfis para toda a família fictícia e, inclusive, publicou na página do "marido" da "vítima" uma enorme nota lamentando o falecimento da "esposa". Rapidamente, uma página em tributo à mulher foi construída e arrecadou mais de US$ 1.000 (R$ 2.000) para fundações de caridade – antes de ser tirada do ar, após a descoberta da farsa. Emily Dirr, responsável pela brincadeira de mau gosto, emitiu uma nota explicando o caso.

“Estou muito arrependida pela dor que causei a todos. Isso começou há 11 anos, quando era uma menina tentando escapar do tédio da minha vida. Fiz a história como ficção, mas ela se tornou mais real conforme aconteceu”, disse.

Segundo as autoridades, no entanto, a mulher não cometeu nenhum crime. Afinal, o dinheiro arrecadado sequer passou por suas mãos e ela não deve pagar por ter enganado tanta gente.

Mais do TechTudo