Publicidade

Por André Fran; Para O TechTudo


Algum tempo atrás, eu estava sentado diante dessa mesma tela de monitor em branco prestes a redigir, com a ajuda de mais três amigos, um projeto que mudaria para sempre nossas vidas. A ideia era misturar grandes questões da humanidade com nossa paixão por viagens e o desejo de fazer a diferença no mundo em que vivemos. Assim nascia a série de TV “Não Conta lá em Casa” do Multishow, onde quatro amigos encaram os roteiros mais polêmicos do planeta em busca de histórias e lições.

MIssão da ONU no Haiti. Tirada com meu iPhone (Foto: André Fran) — Foto: TechTudo

Três anos e cinco temporadas depois já filmamos escondido na Coreia do Norte, cruzamos a fronteira da Somália, andamos de skate com menores de rua no Afeganistão, testemunhamos aterrorizados o cotidiano da guerra no Iraque, participamos de uma missão da ONU no Haiti e de um comboio de ajuda humanitária nas áreas mais afetadas pelo tsunami do Japão. Fizemos amigos na Chechenia, em Sarajevo, Etiópia, Mianmar, Irã… Recebemos alguns prêmios, uns elogios da crítica e continuamos em busca de novos destinos para conhecer, histórias para contar e causas para abraçar.

Mas o que quase sempre passa em branco no meio de todas essas incríveis aventuras são as centenas de horas de viagem que uma produção nesse estilo demanda. Aquele burocrático e enfadonho making of que consiste de vôos intermináveis, noites e mais noites em aeroportos sem WiFi, conexões sem fim em salões de embarque lotados e por aí vai. E o que isso teria a ver com Internet, Jogos Eletrônicos, Celulares que compõem o tema central desse site? É que, sendo o mais nerd da equipe (quem mais seria escolhido para assinar esta coluna), encontrei na tecnologia o antídoto perfeito para combater esses maçantes e eternos momentos na estrada (ou no ar, o que é ainda pior).

Cheguei ao cúmulo de redigir um “Manual para o Nerd na Estrada”, com dicas de sobrevivência para aqueles que, como eu, consideram que uma internet boa pode ser a diferença entre uma viagem excelente e uma temporada no inferno. E que, dada a ocasião, não hesitariam em priorizar na bagagem um cabo de rede a um rolo de papel higiênico. Mas o referido manual fica para uma próxima ocasião.

Checando emails em Tóquio (Foto: André Fran) — Foto: TechTudo

Em minha coluna de estreia (desculpem me estender tanto), dividirei com vocês os Top 10 Aplicativos de Celular para Viajantes  que ao longo desses anos foram se provando essenciais e fazendo parte de minha rotina pelo mundo.

Top 10 aplicativos para viagem

10- Toda viagem começa no planejamento. Então, de cara apresento o Kayak. Ele faz uma varredura em vários sites de cias aéreas e te ajuda a achar os melhores vôos para o seu destino em termos de datas, preço, escalas… Tudo extremamente detalhado. Há a opção de buscar também Hotéis.

Kayak, TripAdvisor e Packing (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

9- Uma vez que você já escolheu o destino e comprou a passagem,  próximo passo é decidir onde vai ficar. O app TripAdvisor é uma excelente versão mobile do renomado site. Dica: depois de escolher a melhor opção na sua faixa de preço, dê um confere nas fotos e avaliações de clientes! Não dá pra confiar na propaganda oficial, né?

8- Passagem comprada e hotel reservado, é hora de fazer as malas. Nada pior do que desembarcar no frio de Moscou e perceber que esqueceu o casaco. Ou iniciar um safári de uma semana na Africa sem uma escova de dente. A boa é personalizar sua listinha com o Packing e lembrar de checa-lo antes de ir pro aeroporto!

Flight Tracker, XE Currency Converter e OMaps (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

7- No meu caso, um aplicativo muito útil para deixar parentes zelosos mais aliviados é o Flight Tracker. Ele monitora todo o trajeto do seu voo. E também é útil para você ficar sabendo com antecedência se houve atraso no voo.

6- Fazer conversões em Euro ou Dólar é moleza. Mas em alguns destinos é mais complicado saber se o seu contado dinheirinho vale uma suite presidencial de Hotel cinco estrelas ou um lanche no Mc Donalds. Por isso, o XE Currency Converter é primordial.

5- Perdido em uma cidadezinha no meio do deserto iraniano e não sabe como voltar para a pousada? Google maps, certo? Errado! Apesar do sistema de mapeamento por satélite do Google ser fantástico, fica meio difícil acessa-lo sem uma conexão a internet (ou quando o #g custa uma fortuna!). A boa então é o OMaps, que te dá a possibilidade de baixar e acessar offline uma infinidade de mapas.

AirBnB, Google Translate e Trippy (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

4- AirBnB é a mais nova ferramenta revolucionária de viagem. Com ela você consegue descobrir apartamentos que hospedam viajantes, falar com os proprietários, negociar preço, duração de estadia… Muito legal e pode salvar sua vida na emergência!

3-  “Quem tem boca vai a Roma.” Dependendo de que línguas você domina e em que país você está essa premissa de pouco vale. Experimente mandar um básico “Where is my hotel?” em Tóquio. Ou na Rússia. Sorte que existe o Google Translate que traduz texto em mais de 50 línguas e, em algumas delas, permite a operação até com arquivos de áudio (a pessoa falando no celular).

2- Nada faz mais barulho (e gera milhões de dólares) na internet do que as redes sociais. Claro que algum geek do Vale do Silício não ia perder tempo em explorar o filão dos viajantes. Nos últimos anos surgiram alguns deles, sendo o mais popular o Trippy. Nele você pode dividir dicas de roteiro, fotos de viagens ,reviews de restaurantes… com sua rede de amigos. Ah, e ele permite integração com o Facebook (agora todo mundo vai baixar).

Find My iPhone (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

1- E por último o mais importante: Find My iPhone! Sei que esse aplicativo gratuito da Apple já é manjado, mas pouca gente lembra dele como ferramenta de viagem. Nada pior do que perder seu celular no meio de uma viagem. Além de ajudar encontrá-lo em caso de perda ou roubo, ele ainda permite que você envie alarmes, mensagens e até recupere dados caso seu aparelho tenha irremediavelmente ido para o beleléu.

Espero ter feito a sua viagem mais prazerosa (ou menos enfadonha). São ferramentas úteis para situações obrigatórias ou de emergência. Agora, se estiver em um cruzeiro, ou curtindo a lua-de-mel, ou numa excursão com os amigos… esqueça os Instagrams, Facebooks e Twitters da vida e aproveite a viagem!

Siga as viagens de André Fran no Twitter @franontheroad 

Mais do TechTudo