Por Ticiana Porto; Para O TechTudo


Fiz essa pergunta num workshop que falava de “Fotografia Criativa e Mídias Sociais”. Alguns foram enfáticos: “Gosto de fotografar, apenas”. Outros foram irônicos: “Fotografo o que somente a lente ver”. E ainda tiveram os que divertiram o grupo, falando que o gato da casa, comparado as histéricas e sua bela indiferença, era o modelo ideal.

Quando começamos a fotografar, estilo é uma palavra colada à alguém ou alguma coisa e distante de nós. Mesmo tentando entender melhor, isso não fica claro – não sabemos muito bem como estilo tem a ver com o ato de fotografar. E, de fato, nesse momento estamos brigando com exigências técnicas, que entram em conflito com nossa noção subjetiva do fazer fotográfico.

Já seguiu o TechTudo no Instagram? Procure por @techtudo_oficial

tipo rotko — Foto: TechTudo

Quando o olho começa a observar mais, em geral, é quando estamos caminhando nessa longa mata fechada, que vai traçar o estilo. Parar para olhar não é um mero exercício. Dessa postura ativa é possível extrair valores, volumes, sombra e luz. Elementos que podem servir à composição e estão à espera do seu recorte.

Exploração da cor e da perspectiva (Foto: Ticiana Porto) — Foto: TechTudo

Uma das pessoas do workshop apresentou doze fotos para discutirmos seu estilo. Suas fotos eram bem diferentes, umas das outras. Propus um exercício de observação, sem que nada fosse dito durante dez minutos. Ficamos olhando as fotos, sem que uma palavra fosse dita. Alguns fizeram anotações; outros quiseram pegar as fotografias e vê-las de perto.

Dez minutos depois, cada um tinha que apresentar suas impressões por escrito. Tínhamos um quadro e começamos a organizar aquelas ideias em grupos. Num deles uma percepção era clara, aquelas fotos se dividiam em: retratos, paisagens, objetos de design e arquitetura.

Poderíamos concluir e afirmar que esses interesses definiam seu estilo. Não é bem assim… Estilo é uma redução, quase como se chegássemos a letra inicial que identifica o seu nome. Chegar ao estilo é um exercício, como na matemática, que quer chegar ao mínimo denominador comum.

play — Foto: TechTudo

Uma pessoa intuitiva comentou: “Todas as fotos estão riscadas”. Essa observação deu início na nossa busca – marcou o traçado na mata fechada do estilo. “Como assim, riscadas?”, protestou o autor. O que havia ali era sua escolha da luz natural e da sombra fazendo linhas, que atravessavam todas as fotos. A sombra recortava geometricamente suas fotos e era um elemento principal e inequívoco de suas composições. Isso falava do seu estilo.

Sim, muita informação…Paramos por aqui? Esse assunto, o estilo, nos exige sempre mais, talvez seja bom parar agora e avançar, sem tropeços, aos poucos, para que possamos falar de estilo e não de cristalização num modelo – uma vez que o estilo vai se fazendo, percorre o tempo e a prática. É por essa estrada que encontramos uma descontinuidade com tudo que já foi feito e fazemos algo singular.

Veja mais fotos no Instagram @ticianaporto.

Tem alguma dúvida de tecnologia? Entre no Fórum do TechTudo!

Mais do TechTudo