Publicidade

Por Taysa Coelho; da Redação


Carnaval e xixi são dois itens que normalmente não combinam e acabam gerando mau cheiro e dor de cabeça para cidadãos e autoridades. Ou melhor, não combinavam. Na próxima segunda-feira (11), o trio que carrega os músicos do bloco AfroReggae, que desfila na Zona Sul do Rio de Janeiro, será movido a nada menos que urina. O projeto "Xixi Elétrico", uma parceria da ONG com a agência JWT, vai transformar o dejeto em energia elétrica para conscientizar a população sobre a sujeira nas ruas da cidade.

Xixi Elétrico (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

"O xixi na rua sempre foi um grande problema do Carnaval no Rio de Janeiro. Essa polêmica gerou uma discussão e a ideia nasceu", disse Erick Rosa, diretor de criação agência JWT São Paulo. "Na verdade, do papel ela passou por uma série de etapas até realmente chegarmos à conclusão que era uma ideia viável e possível de fazer", explicou.

Entre os dias 09 e 11 de fevereiro, mictórios especiais estarão à espera de foliões que queiram "contribuir" com a façanha inédita. O sistema de funcionamento é simples e remete àqueles usados em usinas hidrelétricas: o fluxo de urina move um dínamo presente no urinol e este utiliza o líquido para produzir energia. A eletricidade é armazenada em baterias que serão usadas para abastecer o carro de som.

Xixi Elétrico (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Por ser um projeto inédito, a agência não soube precisar a quantidade de urina necessária para fazer com que o trio percorresse o percurso inteiro. A eletricidade produzida, na realidade, funcionará como energia extra para que o AfroReggae se apresente por mais tempo. "Além do xixi, existirá uma fonte paralela de energia, para aumentar ainda mais a festa e a duração do bloco", salientou Rosa.

Infelizmente, somente os rapazes poderão contribuir com a ideia. O projeto foi pensado neles por representarem a maior incidência de "infratores" no carnaval. Os “banheiros” do "Xixi Elétrico" ficarão localizados na altura do Posto 9, na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, e serão sinalizados com cartazes e adesivos.

Mais do TechTudo