Por André Fogaça; Para O TechTudo


The Last of Us é um dos jogos mais esperados do ano para PlayStation 3.O TechTudo teve a oportunidade de testar o game durante um evento realizado pela Sony em São Paulo, na última terça-feira (27). O título já está em pré-venda e será lançado no dia 14 de junho. Confira as primeiras impressões:

last1 (Foto: last1) — Foto: TechTudo

Aprendendo a sobreviver!

Em meio aos aparelhos de TV, smartphones e outros dispositivos, a Sony instalou uma série de consoles PlayStation 3, demonstrando alguns minutos do mais recente título da produtora Naughty Dog, empresa responsável pela franquia Uncharted e pelo antigo mascote da empresa, Crash Bandicoot. A versão que testamos traz a fuga dos personagens Joel e Ellie, enquanto sobrevivem em uma emboscada, após colidirem com seu carro em uma loja.

 

A primeira parte do jogo mostra um pouco do relacionamento entre os personagens. Tudo ainda é muito confuso para ambos. A diferença é que Joel ainda carrega um lado paterno em relação a Ellie. Já a jovem, por sua vez, ainda precisa se acostumar com todas as mudanças drásticas ao seu redor.

Com munição escassa e poucos suprimentos, Joel precisa defender Ellie, em uma jogabilidade semelhante ao que a empresa entregou em todos os três títulos da série Uncharted. Isso significa um jogo em terceira pessoa e com a mira livre, recheado de locais para cobertura. Porém, diferente das aventuras de Drake, The Last of Us não é focado em uma receita de exploração do ambiente.

Pelo menos nesta versão, tudo parece muito linear. Não há uma série de caminhos alternativos que levam ao mesmo objetivo. Apenas um único trajeto que foca muito mais na ação, do que na prometida mescla de suspense e luta pela sobrevivência - cuja empresa sempre fez questão de enfatizar desde o primeiro trailer. 

A escolha de armas é feita pelo direcional digital, que também exibe itens como kit médico, granadas, as armas recolhidas e até coquetel molotov. Além disso, você pode combinar itens e desenvolver novas armas em uma mecânica que lembra muito a que foi utilizada em Dead Island.

last2 (Foto: last2) — Foto: TechTudo

Visual encantador justifica os números atrasos

Os gráficos do jogo são um dos grandes pontos altos. Impossível não se impressionar com os detalhes apresentados nos cenários. Desde prédios devastados a casas e lojas reviradas, começa a ser compreensível os seguidos atrasos no lançamento do game. Realmente a Naughty Dog quer entregar não só um belo jogo, mas um título marcante nesta reta final da atual geração de consoles.

Os protagonistas do game também conseguem não apenas impressionar pelo nível de detalhamento, mas também por suas expressões e diálogos. A atuação de ambos é tão convincente que será impossível não se comovor com o que o enrendo promete apresentar.

Entrentanto, Um ponto negativo na demonstração foi a presença de vídeo pré-renderizado na abertura, entregando mais qualidade gráfica do que o game pode gerar. Este tipo de vídeo está cada vez mais raro nos jogos recentes, já que promete mais do que realmente pode cumprir.

O fim do mundo de The Last of Us vai demorar um pouco mais para chegar (Foto: Divulgação) (Foto: O fim do mundo de The Last of Us vai demorar um pouco mais para chegar (Foto: Divulgação)) — Foto: TechTudo

Sem multiplayer e modos online

Infelizmente, também não foi possível jogar a versão multiplayer do game. Tanto o modo cooperativo, quando outras novas modalidades, não estavam presentes nesta versão. Com isso, ainda há um certo receio quanto a este mistério, já que games do gênero, como Tomb Raider, não conseguiram ampliar a qualidade da campanha principal para estes modos.

O jogo será lançado no dia 14 de junho, totalmente dublado e legendado para o português tupiniquim. Porém, o demos disponível estava em inglês, tanto para os textos, quanto para os diálogos entre a dupla.

Mais do TechTudo