Por Ricardo Fraga; Para O TechTudo


O Google, uma das mais importantes empresas de tecnologia do mundo, celebra 15 anos de existência nesta sexta-feira (27). Nos últimos 12 meses, o gigante de buscas viveu um ano agitado, cheio de lançamentos de novos serviços e produtos, além de passar por algumas mudanças estruturais. Hoje, você vai lembrar a trajetória da empresa e descobrir o que esperar dela para os próximos 15 anos: Google+, Android KitKat, Hangouts on Air e muito mais.

Google comemora 15 anos em doodle com game e muitos doces

google_logo_flat — Foto: TechTudo

Google mostra seus bastidores

A localização dos centros de dados do Google é uma das informações mais bem guardadas da empresa, mas isso não a impediu de disponibilizar em outubro de 2012 a galeria  “Descubra os bastidores da Internet”. Além de fotos e informações técnicas, o site conta com um passeio virtual por mapas em 360° do Google Street View. Prato cheio para quem sempre teve curiosidade em saber como os dados são armazenados em datacenters.

Imagem do interior de um dos centros de dados do Google (Foto: Divulgação/Google) — Foto: TechTudo

Gadgets, Gmail e Fiber

Ainda em outubro, no dia 29, o Google lançou o smartphone Nexus 4, o tablet Nexus 10 e o novo Android 4.2. Apesar de o evento oficial ter sido cancelado por conta do Furacão Sandy, que devastou a cidade de Nova York, a empresa anunciou o quarto modelo da linha. Equipado com um processador quad-core de 1,5 GHz, 2 GB de RAM e uma bela tela de 4,7 polegadas com resolução de 1280 x 768, o que mais chamou a atenção no smartphone foi o valor: US$ 299 (aproximadamente R$ 600 na época), ideal para competir com o iPhone.

O Nexus 10 foi a resposta do Google ao iPad (Apple), o tablet mais vendido no mundo. Com uma resolução de 2560 x 1600 e 300 ppi de densidade, o novo tablet ultrapassou a famosa tela Retina da Apple, que tem 264 ppi. Outra novidade do lançamento foi o Android 4.2, que manteve o nome da versão anterior Jelly Bean. Além de novos recursos adicionados ao Google Now, o Android 4.2 também ganhou um novo sistema de login, que permite que os usuários compartilhem seus dispositivos com familiares, com login, telas e aplicativos separados.

Em 30 de outubro, o Google fez uma mudança radical na janela de composição de mensagens do Gmail. Muito parecido com o Gtalk, o novo meio de composição tinha o objetivo de permitir que os usuários continuassem tendo acesso às mensagens enquanto redigia um novo email. Apesar do descontentamento de alguns, a alteração foi mantida, sofrendo apenas alguns ajustes de acordo com o feedback dos usuários do serviço de email.

Neste mesmo mês, o Gmail se tornou o serviço de email mais utilizado no mundo. De acordo com a comScore, o serviço do Google obteve 288 milhões de usuários únicos, dois milhões a mais que o Hotmail, da Microsoft. Em terceiro ficou o Yahoo Mail, com 281,7 milhões.

Nova aparência da tela de edição de mensagens do Gmail (Foto: Divulgação/Google) — Foto: TechTudo

E como nem só de boas notícias vive o Google, no início de novembro de 2012, a empresa começou a viver uma maré ruim e anunciou a suspensão das vendas do Nexus Q, a central multimídia que rodaria Android. Anunciado no Google I/O, a bolinha nunca chegou a ser comercializada e veio a ser substituída pela empresa por um novo dispositivo em 2013.

Em meados de novembro, o sonho de todo internauta começou a se tornar realidade para alguns sortudos nos Estados Unidos quando o Google começou a instalar o Fiber, serviço de acesso à Internet em altíssima velocidade, cuja velocidade de download variava entre 600 Mbps e 700 Mbps, valores utópicos para qualquer brasileiro. Os moradores de Kansas City passaram a ter, além da Internet veloz, TV com 160 canais, TV Box (decoder), Network Box (modem e roteador) e uma Storage Box para armazenamento de arquivos, além de um Nexus 7 como controle remoto. Infelizmente não há previsão de vê-lo por aqui tão cedo.

Adeus para Orkut, Google Reader e Latitude

Um dos mais duros golpes no Orkut foi dado pelo próprio Google no início de dezembro, quando anunciou a implementação das comunidades ao Google+. Notoriamente conhecido como um dos recursos mais utilizados na antiga rede social do Google, a novidade foi um sinal claro de que a gigante das buscas mudou totalmente o seu foco, passando a priorizar o seu novo serviço social em detrimento da rede que já foi a mais utilizada no Brasil.

Em 13 de dezembro, depois de muito sofrerem, os usuários de iPhones finalmente ganharam uma nova versão do Google Maps. Removido pela Apple no lançamento do iOS 6, a nova versão do serviço de mapas do Google foi disponibilizada permitindo que os usuários realizassem pesquisas locais, obtivessem informações de transporte público, assim como navegação curva a curva com orientação por voz, imagens de satélite e integração com o Google Street View. Infelizmente, os usuários de iPads ficaram de fora do lançamento.

Google implementa comunidades no Google+ (Foto: Reprodução/Google) — Foto: TechTudo

Em fevereiro de 2013, a gigante das buscas iniciou o ano anunciando o Chromebook Pixel, um lindo notebook com o Chrome OS embarcado. Com uma tela sensível ao toque de 12,85 polegadas com resolução de 1560 x 1700 pixels (a maior densidade do mercado até então), processador Intel Core i5, SSD de 32 ou 64 GB e 4 GB de RAM, o Pixel foi anunciado com valores não muito convidativos, variando entre US$ 1.299 (Wi-Fi) e US$1.449 (4G LTE).

Em março, a empresa afirmou que o Google Reader seria descontinuado. Sem sombra de dúvidas o agregador de feeds mais utilizado no mundo, o serviço já tinha oito anos e a decisão de descontinuá-lo foi tomada após o número de usuários ter caído bruscamente. Curiosamente, após o desligamento do Google Reader, diversos similares ficaram fora do ar pelo excesso de acessos. O que é pouco para alguns, pode ser muito para os concorrentes.

O Google também anunciou o Keep, um serviço de notas similar ao Evernote. Disponível através da interface web e de um aplicativo para Android, o serviço permite que os usuários criem notas, listas de coisas a fazer, além de poderem adicionar imagens às anotações.

Ainda em março, o Google anunciou o fim do Latitude e a integração do serviço de localização ao Google+. Através da nova rede social, os usuários passaram a poder compartilhar as suas localizações com os amigos, além de continuarem podendo fazer check-in dentro do próprio serviço, uma vez que a funcionalidade foi perdida no Latitude. Infelizmente, o serviço de histórico de localização, que permitia que o usuário tivesse acesso, visualmente, a todos os lugares visitados por ele, não foi migrado e seguiu descontinuado.

No final de abril, o Google levou aos usuários de iDevices o assistente virtual Google Now. Integrado ao Google Search, passou a oferecer informações como cotações de ações, previsão do tempo e compromissos em cartões virtuais aos usuários de iPhone e iPad.

Em meados de maio, o Google anunciou a unificação do espaço de armazenamento gratuito do Gmail e Google Drive. Com a novidade, os inscritos passaram a ter 15 GB gratuitos para armazenarem os seus emails e todos os seus arquivos do Drive, além das imagens do Google+ Fotos maiores que 2048px. A mesma unificação também valeu para os usuários que adquiriram espaço adicional e para aqueles que utilizam o Google Apps.

Google Now disponível para iPhone e iPad (Foto: Reprodução/Ricardo Fraga) — Foto: TechTudo

Google I/O

Em 15 de maio, a empresa apresentou diversas novidades durante o Google I/O, evento anual focado nos desenvolvedores. A primeira delas foi um Google Maps com a interface totalmente remodelada, com um sistema de zoom suavizado e exibição de prédios em 3D. O menu lateral esquerdo sumiu e foi substituído por uma caixa de pesquisa flutuante, muito parecida com a do Foursquare. Além disso, o Maps também ganhou integração com o Google+, passando a dar destaque, entre os resultados das buscas, aos locais que já foram visitados e avaliados pelas pessoas circuladas pelo usuário no serviço de rede social.

Outra novidade apresentada foi o Google Play Games, uma central parecida com o Game Center do iOS que reúne as pontuações dos usuários, traz ranking de melhores colocados em um determinado jogo, além de permitir que os usuários joguem no sistema multiplayer. Também foi anunciado o Google Play Music, uma versão aperfeiçoada do Google Music que passou a ter uma assinatura mensal para que os usuários pudessem ter acesso a um sistema de streaming de músicas. O serviço ainda está totalmente disponível no Brasil.

Jogo Racer integra diversos dispositivos rodando o Chrome (Foto: Reprodução/YouTube) — Foto: TechTudo

O Google aproveitou o Google I/O para anunciar uma das maiores reformulações pelas quais o Google+ já passou. A nova interface passou a se adaptar à resolução do usuário, podendo exibir o conteúdo do Stream em uma, duas ou três colunas. A empresa também anunciou o lançamento do Hangouts, um novo sistema de bate-papo que veio para substituir o Gtalk e possui integração com o Gmail e Google+. Com o lançamento do Hangouts, o Google disponibilizou um novo aplicativo para Android e, finalmente, um aplicativo oficial para iOS.

No final de maio, as atenções voltaram a ser do Gmail, quando o Google implementou novas guias com filtros inteligentes. Com a novidade, as mensagens recebidas pelos usuários passaram a ser separadas automaticamente pelos temas “Social”, “Promoções”, “Atualizações” e “Fóruns”. Naturalmente, os aplicativos para Android e iOS também receberam atualizações para se tornarem compatíveis com o novo modo das mensagens.

PRIMS e Hugo Barra; saia justa

Em junho, a gigante das buscas se viu envolvida em uma polêmica na qual foi acusada de, juntamente com outras grandes empresas, fornecer dados ao governo dos Estados Unidos sem o consentimento dos usuários. Chamado de PRISM, o projeto previa a coleta de informações em massa pela Agência Nacional de Segurança (NSA) americana. Tais denúncias forçaram o Google a divulgar uma nota na qual negava qualquer tipo de fornecimento de dados dos seus usuários e afirmava desconhecer o projeto PRISM.

Em julho, o Google anunciou o Chromecast, o substituto do Nexus Q. Totalmente diferente da bolinha multimídia, o Chromecast é parecido com um pendrive e deve ser ligado na porta HDMI do aparelho de TV. Rodando uma versão do Chrome OS, o dispositivo permite que usuários de celulares e tablets com Android e iOS, além de computadores Windows e Mac, assistam conteúdos de seus devices em seus aparelhos de TV através do emparelhamento de conteúdo. Por US$ 35 nos EUA, não há previsão de quando e se será vendido no Brasil.

Jogo Racer integra diversos dispositivos rodando o Chrome (Foto: Reprodução/YouTube) — Foto: TechTudo

No início do mês de agosto, a empresa anunciou o Gerenciador de dispositivos Android, serviço similar ao Find My iPhone, do iOS. Com o recurso, os usuários passaram a poder, de forma nativa, apagar todo o conteúdo de seus dispositivos em caso de roubo ou furto, além de poderem enviar um comando para que o aparelho faça um sinal sono, muito bom para localizá-lo dentro de casa. Alguns meses após o lançamento, foi adicionada a opção de bloquear remotamente o dispositivo com senha e impedir o uso por pessoas não autorizadas.

No final de agosto, o Google anunciou o Helpouts, uma plataforma de ensino à distância que permite que as pessoas utilizem o Hangouts para fornecerem serviços virtualmente, bem como pediram ajuda a especialistas e terem aulas ou ajuda via Internet. Inicialmente restrito a pessoas convidadas, o serviço possui algumas áreas definidas pelo Google: Artes e Música, Informática e Eletrônica, Culinária, Educação, Moda e Beleza, Fitness e Nutrição e Saúde e Jardinagem.

Hugo Barra, brasileiro à frente da direção de engenharia do Android, apresentou o novo Nexus 7 (Foto: Reprodução/Engadget) — Foto: TechTudo

Ainda no final do mês, o mundo da tecnologia foi pego de surpresa pelo anúncio da saída do brasileiro Hugo Barra. Um dos nomes mais conhecidos no mundo Android, Barra deixou o Google após cinco anos de serviços principalmente relacionados ao sistema operacional móvel da empresa para se tornar vice-presidente da Xiaomi, uma fabricante de celulares chinesa que está entre as empresas que mais têm crescido em participação de mercado.

O que vem por aí

Pouco após a saída de Barra, no início de setembro, o Google anunciou, em parceria com a Nestlé, o nome da versão 4.4 do Android, que se chamará KitKat, mas não deu qualquer detalhe sobre o seu novo sistema operacional móvel para smarthones e tablets, apesar de possíveis mudanças visuais terem vazado em imagens e blogs na Internet.

Para os próximos anos, podemos acreditar que a empresa continuará investindo na integração de seus mais variados serviços com o Google+, que definitivamente tomou o lugar do Orkut. Além disso, o Google deve focar os seus investimentos na área mobile, que será o futuro da comunicação pessoal. O que é certo é que o Android continuará sendo um dos produtos que mais recebem a atenção da empresa levando a centenas de milhões de usuários a melhor experiência possível em dispositivos móveis Nexus e de terceiros.

E vocês, o que esperam do Google para o próximo ano ou para os próximos 15 anos?

Em 2012, o TechTudo publicou um especial para os 14 anos do Google contando a história do gigante de buscas desde a fundação até os dias que antecederam o aniversário. Confira!

Mais do TechTudo