Por Da Redação; da CES 2014


O LG G Flex é um daqueles aparelhos que você duvidaria se algum dia ele sairia do papel. Com especificações dignas de qualquer top de linha - e não lá muito distantes do que vimos no LG G2 -, o aparelho se destaca pela tela flexível e curvada. Testamos a novidade durante a CES 2014, que acontece esta semana em Las Vegas, nos Estados Unidos. Confira as primeiras impressões do TechTudo!

LG G Flex, o smartphone com tela curvada e flexível (Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo) — Foto: TechTudo

Acima de tudo, curioso; esse é o G Flex. Se por um lado, ele é um demonstrativo claro do que a LG é capaz de fazer, por outro ele é um gadget improvável de se ver circulando por aí. Afinal, ele anda na corda bamba entre o incrível e o bizarro.

O corpo do aparelho, o que naturalmente inclui a tela, é bastante curvado - uma curvatura muito menos sutil do que sugerem as imagens de divulgação. Além disso, o G Flex é um belo contorcionista: ele aguenta ser bem “entortado”, sem receber nenhum dano ao sistema como um todo. A boa notícia? Isso provavelmente faz dele um cara muito resistente a quedas.

LG G Flex visto de lado: curvatura acentuada (Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo) — Foto: TechTudo



Embora a curvatura faça dele um aparelho que facilmente se ajusta ao rosto no momento de fazer e atender ligações, o uso diário do smartphone é sofrível. Afinal, ele é um foblet com uma telona HD de 6 polegadas (720 x 1280 pixels). É praticamente impossível operá-lo com uma única mão, mesmo para aqueles com mãos de gigante. A curvatura em nada ajuda o manuseio. Apesar disso, é curioso como a visibilidade em nada é afetada, e a tela OLED se comporta praticamente como a de qualquer outro bom smartphone do mercado, inclusive na rápida resposta ao toque.

Tela do LG G Flex tem resolução HD (Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo) — Foto: TechTudo



A traseira do aparelho traz os inconfundíveis botões do G2 nela: o de liga/desliga e os de volume. O material que a compõe também é o mesmo, um grande fã de marcas engorduradas dos dedos. É difícil manter o G2 com o aspecto de limpo. O telefone usado para este teste, aliás, sofreu bastante na mão de jornalistas - e guardou as digitais de cada um deles na tampa traseira.

Traseira do G Flex é semalhante à do LG G2 (Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo) — Foto: TechTudo



O processador do G Flex é um quad-core de 2,6 GHz, um Snapdragon da Qualcomm. Com ajuda dos 2 GB de RAM, o aparelho roda o Android 4.2.2 (Jelly Bean) de forma fluida. A versão ainda está ligeiramente distante do 4.4 (KitKat), mas provavelmente há esperança para os compradores do Flex. A atualização para o KitKat ainda não foi confirmada pela LG, mas seria um baita desperdício manter um conjunto de hardware desse nível com um software desatualizado; um filme infelizmente já visto dezenas de vezes com tops de linha por aí.

Foblet LG G Flex é difícil de ser usado com uma só mão (Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo) — Foto: TechTudo



O armazenamento interno do aparelho é de 32 GB, sem a alternativa de expansão via cartão de memória, já que não há slot microSD. Há duas câmeras, a traseira com 13 megapixels e flash LED e a frontal com 2,1 megapixels. Fecha as especificações a bateria de 3.500 mAh, impressionante até mesmo contra outros foblets.

LG G Flex (Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo) — Foto: TechTudo

O que você achou do G Flex? Comente no Fórum

No fim das contas, o G Flex é um belo top de linha com um jeitão excêntrico. Parece mais uma prova de fogo do poderio da LG do que um objeto de desejo geral. Mas a companhia certamente conseguiu chamar a atenção do mundo com o lançamento, um concorrente de peso ao Samsung Galaxy Round. Resta saber se o celular vai um dia chegar ao Brasil - e por quanto.

Mais do TechTudo