Publicidade

Por Da Redação; Para O TechTudo


O Windows 8, recente sistema operacional da Microsoft, não é apenas mais uma atualização do sistema operacional, e sim uma nova fase na área de segurança. Conheça as seis funções que a gigante de software colocou no Windows 8 e que o tornam mais seguro que o seu antecessor Windows 7.

1) Antivírus integrado

O Windows 8 é praticamente a primeira versão do sistema que vem um programa antivírus integrado. Chamado Windows Defender, o utilitário, na verdade, é o Microsoft Security Essentials com novo nome. 

Embora seja uma proteção básica, o antivírus integrado é um produto competente, principalmente por ser de autoria da fabricante do sistema operacional. Mas isso não impede a instalação de outro software antivírus: é possível utilizar o programa de defesa que preferir. Nesse caso, o Windows Defender será desativado automaticamente sem que o usuário preciso desinstalar o programa de proteção.

Windows 8 vem com o Antivírus Windows Defender já instalado e integrado (Foto: Reprodução/Edivaldo Brito) — Foto: TechTudo

2) Execução antecipada de recursos anti-malware

Por vezes, as versões anteriores do Windows eram facilmente contaminadas, mesmo tendo uma ferramenta de proteção instalada. Isso acontecia porque o malware se alocava na inicialização do sistema operacional, dificultando sua remoção completa. Para resolver esse problema, no Windows 8, os produtos antivírus podem ser executados bem mais cedo, no processo de inicialização.

Isso ajuda a proteger contra rootkits (softwares maliciosos) que se iniciam antes do programa antivírus, para se esconder dele. O próprio Windows Defender é carregado bem no início do processo de boot. Para tornar o recurso mais completo, qualquer outro produtor de soluções antivírus também pode adicionar o recurso Early-Launch Anti-Malware (lançamento antecipado de recursos Anti-Malware, o ELAM), em seus produtos destinados a proteger o Windows 8.

Early Launch Anti-Malware coloca mais proteção na inicialização do sistema (Foto: Reprodução/Edivaldo Brito) — Foto: TechTudo

3) SmartScreen

O Windows 8 herdou o filtro SmartScreen do Internet Explorer. Só que, agora, o recurso é implementado no nível de sistema operacional e será usado para escanear arquivos executáveis que você tentar baixar a partir do Internet Explorer, Mozilla Firefox, Google Chrome e outros programas.

Assim, quando um arquivo executável for baixado, no momento em que o usuário clicar duas vezes nele, o Windows irá escaneá-lo e enviar a sua assinatura para os servidores da Microsoft. Se o aplicativo for reconhecido como sendo confiável, o Windows permitirá que ele seja executado. Se ele for reconhecido como suspeito, talvez contenha malware e o Windows irá impedi-lo de prosseguir. Mas, se o Windows não souber o que ele é, o sistema irá avisá-lo e dará uma opção para ignorar o aviso, se assim o usuário desejar.

Esse recurso deve ajudar na segurança do sistema para usuários menos experientes (as vezes até alguns experientes) que baixam e executam programas maliciosos da Internet sem perceber.

SmartScreen verifica arquivos executáveis antes de serem lançados (Foto: Reprodução/Edivaldo Brito) — Foto: TechTudo

4) Secure Boot

Nos computadores atuais, alguns malware podem instalar um gerenciador de inicialização malicioso que carrega antes do boot do Windows. Isso permite que ele possa se esconder e contaminar bem antes que qualquer ferramenta de segurança possa detectá-lo.

Mas, no Windows 8 computadores que usam o firmware UEFI em vez do BIOS de estilo antigo, o Secure Boot garante que somente softwares especialmente assinados e aprovados poderão ser executados durante o boot.

5) Alteração no gerenciamento de memória

A Microsoft fez uma série de melhorias na forma como o Windows 8 gerencia a memória. Por conta disso, quando uma falha de segurança for encontrada, essas novas funcionalidades podem tornar mais difícil ou até mesmo impossível a exploração da falha de segurança. Além disso, a vantagem é que alguns tipos de exploits (comandos que se aproveitam de vulnerabilidades no sistema) que atingem versões anteriores do Windows não funcionarão no Windows 8.

6) Limitação do acesso ao sistema para novos apps

Nas versões anteriores do Windows, aplicativos tinham acesso completo ao seu sistema. Mesmo se os programas fossem executados com credenciais limitadas, eles normalmente podiam fazer o que quisessem, principalmente durante o processo de instalação. Os apps para nova interface Modern do Windows 8 (anteriormente conhecida como Metro) funcionam isolados em um modo seguro e restrito em que existem limites para o que eles podem fazer em seu computador.

Assim, quando você instala um aplicativo da Windows Store, ele não pode ser executado em segundo plano e monitorar todas as suas teclas. O app é impedido assim de registrar o seu número de cartão de crédito e senhas bancárias online, digitadas durante o uso. Esses apps para a interface moderna do Windows 8 só estão disponíveis através da loja do Windows: os usuários não podem instalá-los sem passar pela loja. Nela, a Microsoft tem todos os recursos para descobrir softwares suspeitos e impedir sua disseminação.

Apps para Windows 8 têm restrições (Foto: Reprodução/HowToGeek) — Foto: TechTudo

Já foram reportadas muitas reclamações sobre as falhas de segurança do sistema operacional da Microsoft. Mas, isso parece coisa do passado: agora o Windows 8 inicia uma mudança drástica na maneira como o sistema cuida da segurança, trazendo uma série de melhorias para impedir invasões e malwares.

Com todas essas novas características, o Windows 8 pode, definitivamente, ser considerado muito mais seguro do que o Windows 7. O sistema faz sua parte na prevenção contra programas maliciosos.

É preciso instalar antivírus no Windows 8? Veja as opiniões no Fórum do TechTudo.

Mais do TechTudo