Publicidade

Por Da Redação; Para O TechTudo


O Google antecipou a homenagem para o Dia Internacional da Mulher, celebrado originalmente em 8 de março, no próximo sábado. Nesta sexta-feira (7), a página de buscas mostra um novo Doodle animado com um vídeo apresentado por 100 mulheres de todo o mundo, com saudações em várias línguas.

Doodle em homenagem ao Dia Internacional da Mulher (Foto: Reprodução/Google) — Foto: TechTudo

Ao final, é possível realizar buscas clicando na lupa, no ícone em amarelo, que leva a resultados sobre o Dia Internacional da Mulher. É possível compartilhar a mensagem via redes sociais como Google+, Twitter e também por Facebook.

Qual o melhor Doodle do Google? Comente no Fórum do TechTudo.

O Doodle mostra 100 mulheres inspiradoras para o mundo desejando "Feliz Dia Internacional da Mulher" em vários idiomas. Tendo como trilha sonora a voz da cantora belga Zap Mama. O vídeo exibe, entre todas essas mulheres, cinco ilustres brasileiras que merecem destaque.

As brasileiras Maria da Penha, Marta Silva, Viviane Senna e Maria Gabrilli no Doodle do Google (Foto: Divulgação/Doodle) — Foto: TechTudo

Maria da Penha (defensora dos direitos das mulheres cuja qual dá nome a lei que protege as mulheres da violência doméstica), Viviane Senna (irmã de Ayrton Senna e fundadora do Instituto que leva o nome do piloto), Marta Silva (melhor jogadora de futebol do mundo, vencedora diversas vezes do prêmio Bola de Ouro dado pela FIFA), Mara Gabrilli (Deputada Federal ativa na luta pelo direito dos portadores de deficiência), e Isadora Faber (jovem de 14 anos militante da educação pública) representam o Brasil.

Isadora Faber também aparece entre as cem mulheres do Doodle do Google (Foto: Reprodução/Google) — Foto: TechTudo

Origem do Dia Internacional da Mulher

O dia Internacional da Mulher está intimamente ligado ao movimento feminista que buscava e ainda busca mais dignidade para as mulheres e sociedades justas e igualitárias para ambos os sexos. Surgiu na virada do século XX, em meio a um período turbulento que envolveu a Segunda Revolução Industrial e a Primeira Guerra Mundial, motivado pela incorporação da mão-de-obra feminina na indústria.

Google celebra Dia Internacional da Mulher em novo Doodle com vídeo (Foto: Reprodução/Google) — Foto: TechTudo

Naquela época, as condições de trabalho eram extremamente precárias nas fábricas e eram frequentes os protestos, que aconteciam em vários lugares do mundo, organizados por trabalhadores (incluindo mulheres).

O primeiro Dia Internacional da Mulher foi comemorado em 28 de fevereiro de 1909, nos Estados Unidos, por iniciativa do Partido Socialista da América.

A comemoração tinha o objetivo de homenagear e marcar a memória do protesto ocorrido em função das más condições de trabalho que enfrentavam as operárias da indústria têxtil de Nova York.

Elas, que trabalhavam 14 horas por dia e ganhavam de US$ 6 a US$ 10 por semana - 60% menos que os homens - tentavam entrar em acordo com a fábrica, que se negou a negociar e aumentar os salários das mulheres. O desfecho da manifestação, que sofreu intervenção da polícia, foi violento; e as tecelãs não conseguiram o que pretendiam.

Marcado pela tragédia

No ano seguinte aconteceu o "Woman's day" (Dia da Mulher) em Nova York. A comemoração, que contou com a presença de três mil mulheres, reuniu militantes e operárias que desejavam melhores condições de vida, de trabalho e o direito ao voto. Também em 1910, houve a primeira conferência internacional de mulheres, na Dinamarca. Nessa ocasião, foi aprovada a proposta da socialista alemã Clara Zetkin, que sugeriu que o "Woman's day" se tornasse uma comemoração anual e mundial. Assim foi aceita a ideia de se criar um Dia Internacional da Mulher, ainda que sem uma data definida para isso.

Na sequência, uma tragédia marcou a história de Nova York e da luta das mulheres em 25 de março de 1911. Um incêndio, causado por problemas de segurança, matou 146 trabalhadoras da fábrica Triangle Shirtwaist, sendo a grande maioria costureiras. Esse foi considerado o pior incêndio que já existiu na cidade até o ataque terrorista do 11 de setembro de 2011.

Dia Internacional da Mulher (Foto: Over the Net) — Foto: TechTudo

As comemorações do Dia Internacional da Mulher também foram o estopim da Revolução Russa de 1917. Em 8 de março daquele ano, a insatisfação das operárias e a greve contra a fome, o imperador Nicolau II e a participação do país na Primeira Guerra Mundial contribuiram significativamente para que houvesse a Revolução de Fevereiro e o reconhecimento da mulher enquanto figura de poder social.

Até então, vários países comemoravam o dia internacional da mulher em datas aleatórias, mas após o ocorrido em 8 de março na Rússia - que uniu 90 mil trabalhadores em greve, sendo a grande maioria mulheres - , oficializou-se, a partir de 1922, a então data para a celebração.

Da década de 10 em diante, aos poucos, a data que inicialmente tinha um forte cunho político e revolucionário e que celebrava o heroísmo feminino tornou-se mais romantizada e a mulher passou a ser homenageada por outras características, como amorosidade e gentileza. Essa mudança de foco justifica o surgimento da tradição de se presentear, nesta data, a mulher com flores e chocolates.

As transformações de enfoque ao longo dos anos - causada em grande parte por influência da cultura ocidental - favoreceu muito a associação da data ao comércio e, por consequência, ao consumismo. Por conta disso, as ideias de libertação e autonomia feminina, que seriam as reais causas da homenagem, perderam seu destaque na celebração.

Doodle do Google celebra Dia Internacional da Mulher com símbolo feminino (Foto: Reprodução/Google) — Foto: TechTudo

A data foi revitalizada pelo feminismo na década de 1960. Apenas em 1975, considerado o Ano Internacional da Mulher, a ONU começou a patrocinar o 8 de março como o Dia Internacional da Mulher.

Apesar da legitimação da data e de toda construção histórica do poder feminino na sociedade, ainda hoje o Dia Internacional da Mulher é um marco de luta e resistência. Além da busca pelo direito, reconhecimento e autonomia econômica, política, social e cultural das mulheres em todo o mundo.

Veja quem são e o que fazem as 100 mulheres que aparecem no Doodle no site oficial do Google.

Mais do TechTudo