Publicidade

Por Da Redação; Para O TechTudo


Os brasileiros do Cyber Rhino Studios lançaram na última segunda-feira (28) o projeto de crowdfunding do jogo Gryphon Knight Epic no site Kickstarter. O game não será free-to-play e terá um preço fixo, ainda não revelado pela empresa, mas os criadores precisam de US$ 18 mil (R$ 40 mil) para pagar a produção e a divulgação. Para contar detalhes do projeto, a coluna Geração Gamer entrevistou Sandro Tomasetti (28) da Cyber Rhino, que é desenvolvedor de games e “pau-pra-toda-obra” na criação do jogo. Confira.

Equipe da Cyber Rhino Studios, responsável pelo Gryphon Knight Epic, jogo brasileiro (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Mercado brasileiro é “difícil”

Sandro Tomasetti joga videogame desde os 6 anos e, de acordo com ele, sempre foi bem eclético quando o assunto é jogo. “Se for para escolher, minha série favorita é o The Legend of Zelda. Valem menções honrosas a Mario, Donkey Kong, Sonic, Dark Souls, Resident Evil e Monkey Island. Entre os consoles, eu não conseguiria ficar sem nenhum deles e a minha tendência é sempre de comprar o console da Nintendo nas novas gerações”, disse o programador.

Versão digital do desenvolvedor Sandro Tomasetti (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Ele tem um visão peculiar sobre o mercado de jogos do Brasil. “Este é um assunto sensível. O mercado brasileiro é bem difícil porque a gente paga uma taxa alta quando vende jogos fora. Já estava na hora de buscarem um acordo pra isso, né? Porque fica quase 50% em taxa”, afirma Sandro. O especialista também reclama da reputação do país. “A fama do brasileiro não é lá das melhores. Por isso, enfrentamos algumas barreiras que não deviam existir e o governo ajuda muito pouco. O tipo de problemas que estão aí existem porque tem poucos trabalhando com games. Nós temos de nos empenhar para fazer um produto de qualidade e aparecer lá fora”, completa.

Sandro acredita que o mercado interno de jogos precisa se fortalecer (Foto: Arquivo Pessoal) — Foto: TechTudo

Sandro então recomenda que se fortaleça o mercado interno para existir mais jogos no Brasil. “O nosso jogo vai ser vendido aqui dentro por que acreditamos que isso vai fazer ele crescer, mas é bem importante ter o trabalho reconhecido no mundo todo”, diz o desenvolvedor.

No que consiste o jogo Gryphon Knight Epic

Jogo brasileiro brinca com estética retrô e com um enredo um pouco clichê (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Gryphon Knight Epic é um jogo de shoot’em up com o herói medieval Sir Oliver e sua águia Áquila. O game está sendo desenvolvido para Windows, Mac OS e Linux. O jogador deve derrubar alvos com suas armas e utilizando seu animal de transporte. “Se você reparar bem, a nossa história se passa exatamente depois da história clássica de um herói enfrentando o dragão para salvar a princesa”, explica Sandro Tomasetti.

O programador dá mais detalhes sobre o enredo e defende que ele não é tão clichê. “Oliver é um cavaleiro experiente que se vê em uma situação diferente, onde ele está sendo atacado por todos os seus antigos aliados e ele simplesmente não sabe o por quê. Vamos usar alguns clichês de história medieval, mas faremos isso conscientemente. O enredo principal definitivamente não cai nessa classificação”, diz.

A estética 2D dá ares retrôs para Gryphon Knight. Você também pode controlar amigos do herói Oliver, como Simiel Totec e seu gorila. O jogo brinca com um personagem e seu animal de transporte.

Gryphon Knight Epic terá variedade de personagens (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

Como está a criação do jogo?

“Nós do Cyber Rhino Studios já temos recursos para um ano de trabalho, porém não temos dinheiro para nada mais. A campanha do Kickstarter vai ser usada para pagar publicidade e nos dar mais tempo para deixar o jogo 100%”, afirmou Sandro sobre a situação financeira da empresa.

Daniel Kai, artista da Cyber Rhino Studios (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

O jogo será desenvolvido por cinco pessoas, sendo que três delas são fundamentais para o game - Sandro Tomasetti, responsável pela programação e pelos ajustes; Daniel Kai, o artista; e Joe Junior, o principal programador. “Caso nosso Kickstarter dê bem certo e nós conseguirmos atingir as metas extras, provavelmente vamos contratar mais um artista e talvez mais um programador”, completa Sandro.

Joe Junior, programador principal da empresa brasileira na engine Unity (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

A empresa também dará brindes para os colaboradores, incluindo Sir Oliver e a águia Áquila de pelúcia. Estarão disponíveis apenas sete modelos desta categoria. “O principal motivo pela pequena quantidade é que os bonecos são feitos a mão. Queríamos dar um agrado bem diferente para o pessoal do Kickstarter então pedimos para a dona do Weaving Spider Crochet fazer uns modelos. Devido ao tempo que leva cada um decidimos fazer poucas unidades”, diz o empreendedor Sandro Tomasetti.

Qual é o futuro dos games?

“Eu vejo um futuro promissor para os games. Passamos por uma época onde os jogos estavam sempre saindo em um padrãozinho AAA, com videogames de tiro e gráficos ultra-realistas. Isso está passando e estamos vivenciando um boom dos jogos independentes no mundo todo, com até grandes empresas abrindo caminho. O mercado de jogos se beneficia com a diversidade, então que venham os games malucos da cabeça de cada um. Só temos a ganhar com isso”, finaliza Sandro.

Mais do TechTudo