Por Da Redação; da BGS 2014


Middle-Earth Shadow of Mordor foi lançado há pouco mais de uma semana para Xbox One, PlayStation 4 e PC. Porém, o jogo é uma das maiores atrações da Brasil Game Show 2014. Em entrevista ao TechTudo, Peter Wyse, vice-presidente de produção do jogo, contou que seu maior desafio na hora de produzir o jogo era criar cenários e personagens nunca antes vistos na obra de J.R.R Tolkien.

Para o produtor um dos desafios era fazer uma história que tivesse uma boa fundamentação e ligação com os livros O Hobbit e a trilogia O Senhor dos Anéis. Para isso, a equipe da Monolith e da Warner Bros estudou muito o material do autor para não falar besteira.

“Tolkien deixou muitos textos para que nós pudéssemos estudar. Resolvemos então aproveitar os mais de 40 anos que se passam entre os acontecimentos dos maiores livros e criamos a história ali, naquele período”, disse o produtor. Porém, para ele a parte mais difícil da criação do jogo foi inventar paisagens que os gamers ainda não tinham visto nos filmes.

O novo sistema Nêmesis, que permite identificar Orcs inimigos e sua posição na hierarquia do exército, trouxe uma “vida extra” ao jogo de ação. Peter Wyse explica que a intenção inicial era fazer com que todos os inimigos fossem diferentes. “Aí nós pensamos: e se eles reconhecessem o nosso jogador? E se lembrassem que nós já havíamos morrido? E se nós soubéssemos um pouco mais sobre a história desses caras. Assim nasceu o Nêmesis, que para mim, é a alma do jogo”.

Para Peter trabalhar com a Warner permite vislumbrar novas franquias de jogos das franquias com as quais a empresa tem contrato para o cinema, ou seja, os livros da Terra Média, o universo da DC Comics, que conta com heróis como Batman e Super-Homem.

A facilidade de poder usar grandes personagens do cinema para fazer jogos de videogame agilizou o processo de produção do game e permitiu usar personagens originais da franquia como Gollum e o Elfo que é citado como um dos forjadores do Um Anel. Segundo o produtor criar o jogo no universo que já tinham em mãos era um caminho natural a seguir.

“Fizemos o jogo como uma grande homenagem ao belíssimo mundo criado por J.R.R Tolkien. Eu espero que as pessoas que gostam de games de ação curtam o jogo e procurem conhecer os livros do autor”, afirma Peter Wyse.

PS4, Wii U ou Xbox One: qual sua escolha? Comente no Fórum do TechTudo.

Mais do TechTudo