Por Da Redação; da Redação


Zenfone Go e Zenfone Selfie, da ASUS, e Xperia Z3+ Dual, da Sony, já aparecem entre os celulares beneficiados pela Lei do Bem, no site do Ministério das Comunicações, e serão lançados no Brasil ainda em 2015. É possível que cheguem ao país com preços acessíveis.

A Sony, que já havia divulgado a chegada do Z3+ para segundo semestre, confirmou ao TechTudo que o novo top de linha chega em agosto. E explicou que, embora o aparelho tenha aparecido na lista do Ministério das Comunicações, isso não quer dizer que a fabricante já tenha fixado um preço final para o varejo.

O Xperia Z3+ é o top de linha da Sony. Lançado em maio deste ano, ele vem com processador Snapdragon 810, câmera de 20,7 megapixels e apenas 6,9 mm. De acordo com a lista do Ministério das Comunicações, o aparelho registrado é o Dual, ou seja, o smart da Sony deve chegar com versão dual chip por aqui.

“As marcas submetem seus produtos para a verificação dos requisitos técnicos, mas só passam a ter o benefício se o valor de comercialização no varejo for menor que R$ 1.500. Não necessariamente o Xperia Z3+ será beneficiado. Isso dependerá do preço pelo qual ele será vendido”, afirmou a Sony, em nota ao TechTudo.

Procurada pelo TechTudo, a Asus não confirmou a chegada do Zenfone Go ou do Zenfone Selfie ao país e evitou comentar a informação.



O Zenfone Selfie é um smart bem parecido com o Zenfone 2, mas com foco em autorretratos. Lançado durante a Computex 2015, ele tem câmera frontal e traseira de 13 megapixels, processador octa-core Snapdragon 615 e "telão" de 5,5 polegadas. 

Já o Zenfone Go, ainda não foi anunciado pela Asus. Rumores apontam que o aparelho terá tela de 5 polegadas, 2GB de RAM, 8GB de memória interna e câmera de 8 megapixels.

A Lei do Bem é um incentivo que reduz os impostos de smartphones fabricados no Brasil e que sejam vendidos por menos de R$ 1.500. O valor menor diz respeito ao corte dos tributos federais PIS/Pasep e Cofins, para diminuir o preço dos aparelhos ao consumidor. 

Outra condição é que o celular tenha uma quantidade mínima de aplicativos brasileiros, desenvolvidos em território nacional, entre outros requisitos técnicos. Ou seja, eles são ligeiramente diferentes dos smarts do mesmo modelo vendidos em outros países.

Mais do TechTudo