Por Da Redação; Para O TechTudo


O PS3 foi lançado em 2006 para concorrer com o Xbox 360 e o Nintendo Wii, e teve boa vida útil nas mãos dos jogadores, com muitos games de qualidade lançados ao longo dos anos. Porém, a carreira do terceiro console da Sony não foi livre de problemas, polêmicas e curiosidades. Na verdade, o PlayStation 3 passou por apertos que a empresa nunca havia encarado antes. Confira as melhores curiosidades e polêmicas do PS3.

Anúncio polêmico

O PlayStation 3 foi recebido com um anúncio polêmico. Mostrado pela primeira vez na feira E3 de 2005, o console tinha um controle em formato de bumerangue, bem estranho e peculiar, e possuía ainda sensor de movimento embutido no joystick. O videogame prometia ser poderoso e, assim, exibiu cenas produzidas especialmente para a apresentação inicial, como a demonstração do remake de Final Fantasy 7 que nunca ocorreu de verdade no PS3.

Primeiro modelo do PS3 tinha controle estranho (Foto: Divulgação/Sony) — Foto: TechTudo

Mais tarde, a polêmica se espalhou quando os fãs souberam todos os detalhes do PS3, na E3 de 2006. A começar pelo preço inicial de US$ 600 (mais de R$ 2400, de acordo com a cotação atual do dólar), valor bem acima do esperado e caríssimo para sua época. Além disso, jogos fracos foram demonstrados inicialmente, o que gerou até alguns memes, como Ridge Racer e Genji: Days of the Blade. Trechos dessa polêmica apresentação podem ser vistos abaixo:

Preço

Como citamos, o preço foi um grande inimigo do PS3 durante muito tempo. Só depois de cortar o valor aos poucos é que a Sony conseguiu atrair atenção positiva para seu console. Como comparação, saiba que o Wii foi lançado por US$ 250, enquanto o Xbox 360 chegou ao mercado custando US$ 400, valores bem abaixo do aparelho do concorrente.

Download grátis do app do TechTudo: receba dicas e notícias de tecnologia no seu smartphone ou tablet

Por conta de seu preço, PS3 teve dificuldades (Foto: Divulgação/Sony) — Foto: TechTudo

O custo tentou ser justificado pela Sony, por conta da demanda de produção de peças potentes para o PS3, mas não colou. Inicialmente, o console foi recebido de má vontade pelo público por conta disso.

Luzes amarelas da morte

Outra grande polêmica envolvendo o PS3 foi uma suposta falha de fabricação no primeiro modelo do console, apelidado pelos jogadores de “PS3 Fat”. Na teoria, esse modelo não é tão resistente quanto deveria ser e, após alguns anos de uso, apresenta o defeito das “luzes amarelas da morte”, ou “YLOD”, representadas pela luz amarela que piscava na frente do aparelho.

As luzes amarelas da morte foram um bug no primeiro modelo do PS3 (Foto: Reprodução/YouTube) — Foto: TechTudo

Como funciona? O console simplesmente desliga enquanto roda um jogo mais pesado, que exija mais de seu processamento, como Uncharted, por exemplo. A Sony nunca admitiu oficialmente qualquer defeito de fabricação, mas relatos podem ser encontrados em diversos lugares pela web, incluindo fóruns e comunidades online de usuários. O problema, aparentemente, foi corrigido nos modelos seguintes – Slim e Super Slim.

Queda da PSN

Em abril de 2011, a Sony sofreu sua maior derrota da história. A rede PlayStation Network, principal recurso online do PS3, sofreu um grande ataque hacker e precisou ser desligada. Informações pessoais de mais de 77 milhões de usuários foram roubadas durante o ataque e a empresa precisou correr atrás do prejuízo.

Foi durante a era do PS3 que Sony sofreu sua maior derrota (Foto: Reprodução/PS3 Blog) — Foto: TechTudo

Durante quase um mês inteiro a PSN ficou fora do ar, o que acarretou dor de cabeça não apenas para os usuários, mas também para empresas que lançavam seus jogos naquela época, como Mortal Kombat 9, do NetherRealm Studios. Mais tarde, a Sony deu jogos gratuitos e um mês de assinatura PlayStation Plus para os usuários afetados durante o problema.

Retrocompatibilidade limada

O PS3 nasceu com retrocompatibilidade para PS2 – isto é, era possível jogar seus discos de PS2 no console mais recente da época. Contudo, isso foi desaparecendo nos modelos seguintes, até sumir completamente nas revisões finais, como o PS3 Super Slim.

Remasterizações mataram retrocompatibilidade no PS3 (Foto: Divulgação/Sony) — Foto: TechTudo

Tudo por conta da enxurrada de relançamentos que sairam no mercado, com versões remasterizadas de jogos clássicos e reedições dos games de PS2 sendo relançados digitalmente. Por conta disso, a Sony decidiu acabar com a retrocompatibilidade nativa de seus aparelhos para o PS2 e passou a vender novamente games antigos, impedindo quem já tinha o disco original de usá-lo novamente no PS3, por exemplo.

Jogos piorados

O PS3 passou por muitos problemas também em termos de jogos multiplataforma que chegaram ao console. Em comparações gráficas e de performance, o Xbox 360 sempre se saía melhor, por motivos que até hoje não foram esclarecidos.

Bayonetta foi um dos jogos prejudicados no PS3 (Foto: Divulgação/Sega) — Foto: TechTudo

Alguns exemplos mais clássicos disso são jogos como Skyrim, BioShock e Bayonetta. Todos sofreram grandes problemas de adaptação no PS3, por conta da difícil estrutura de produção do console da Sony. Isso acarretou em jogos com bugs, gráficos piores e até mesmo defeitos que quebravam o “savegame” do jogador, como foi no caso de Skyrim.

Usado para a saúde

Graças ao poder de seu hardware, o PS3 também foi usado por uma boa causa. Por meio do aplicativo Folding@home, lançado pela universidade de Standford, o console podia ser usado para ajudar no processamento para cura de doenças diversas.

O projeto Folding@Home no PS3 (Foto: Divulgação/Sony) — Foto: TechTudo

Funcionava assim: enquanto não estava jogando, o usuário poderia deixar o PS3 ligado com o Folding@Home rodando. Assim, via Internet, o console ajudaria com seu poderoso processamento, via computação em nuvem, as pesquisas realizadas pela universidade. O serviço foi descontinuado em 2012, após contribuir com mais de 100 milhões de horas de processamento, somando todos os usuários.

Revisões e mais revisões

Como sabemos, o PS3 ganhou revisões diversas de seus modelos ao longo dos anos. O primeiro console, apelidado de “PS3 Fat”, pesava até sete quilos e era enorme, desnecessariamente grande para a estante dos usuários. Além disso, em cima de sua carcaça, o nome “PlayStation 3” era escrito com a mesma fonte usada nos filmes do Homem-Aranha, o qual a Sony detém direitos autorais.

Os três principais modelos do PS3 (Foto: Reprodução/R-Visions) — Foto: TechTudo

Poucos anos depois, o PS3 abandonou a fonte do Homem-Aranha e foi relançado no modelo Slim, mais fino e pelo menos dois quilo mais leve – além de mais barato. Perto do seu “fim de carreira”, o console recebeu ainda a edição Super Slim, ligeiramente menor e ainda mais leve, e agora com a diferença de ter uma tampa removível por cima de sua carcaça, onde são inseridos os discos dos jogos.

Nascimento da Plus

Foi no PS3 que nasceu a PlayStation Network, a rede de jogos online e venda de games da Sony que é usada até hoje, mesmo no PS4. Porém, foi também no antigo console da Sony que tivemos o nascimento de algo tão importante quanto: o serviço de assinaturas PlayStation Plus.

Foi no PS3 que nasceu a PS Plus (Foto: Divulgação/Sony) — Foto: TechTudo

Com o PlayStation Plus os usuários podiam assinar mensalmente, trimestralmente ou anualmente por uma taxa fica e receber benefícios, como descontos, participação em betas exclusivos e, o mais interessante, jogos gratuitos. O serviço faz sucesso até hoje e é amplamente utilizado no PS4.

Mais do TechTudo