Publicidade

Por Da Redação; Para O TechTudo


Os supercomputadores são importantes ferramentas para acelerar a pesquisa e o desenvolvimento nas mais diversas áreas. Recentemente, a China surpreendeu ao apresentar o supercomputador mais poderoso da atualidade. Enquanto isso, os americanos possuem quatro entre os dez mais potentes, e um total de 165 dentro do Top 500, ranking que classifica as máquinas de alto desempenho.

Mas e o Brasil? Como está o país na corrida computacional? Em novembro de 2015, quando foi realizada a pesquisa mais recente, o Brasil era o 10º colocado entre os países com o maior número de máquinas de alto desempenho no Top 500, com seis computadores no total. Entre as pesquisas desenvolvidas com a ajuda dos PCs estão o tratamento contra o Mal de Alzheimer, o mapeamento genético do vírus Zika e o desenvolvimento da indústria de óleo e gás. 

Conheça abaixo as configurações de cada máquina e veja também a área em que cada uma delas ajuda. Entre a realização da pesquisa, em 2015, e junho de 2016 o país perdeu dois supercomputadores, mas continua líder entre os países latinos. 

O Cimatec Yemoja é um dos supercomputadores brasileiros em atividade (Foto: Divulgação/Governo da Bahia) — Foto: TechTudo

Santos Dumont

Entre os motivos para a queda nos números de supercomputadores ativas no Brasil está a falta de verbas para pagar a conta de luz. O Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), por exemplo, precisou desativar o PC Santos Dumont, um dos mais potentes do país. Os módulos do SDumont integram o Sistema de Computação Petaflópica do SINAPAD (Sistema Nacional de Processamento de Alto Desempenho). 

Batizado com o nome de um dos maiores inventores brasileiros, o supercomputador fica na cidade de Petrópolis, Rio de Janeiro, e é constituído por três módulos distintos: GPU, CPU e Hybrid. Cada um deles está na lista Top 500.

Os três juntos chegam a 1,1 petaflops de desempenho, que em uma comparação simples chega a ser um milhão de vezes mais rápido que um notebook comum.

Download grátis do app do TechTudo: receba dicas e notícias de tecnologia no Android ou iPhone

Como supercomputador que é, a máquina era utilizada para diversas pesquisas diferentes, entre elas a identificação de cadeias de proteínas que podem ser utilizadas no tratamento contra o Mal de Alzheimer, estudo que o supercomputador levou três dias para realizar e que laboratórios comuns não  conseguiram em três anos.

Antes de ser desativado, um dos trabalhos que estava sendo processado pela máquina era o mapeamento do genético do vírus Zika. Além de projetos de cardiologia, energia, petróleo e gás natural. Atualmente, o PC só é ligado por curtos períodos apenas para evitar defeitos pela falta de uso.

- Santos Dumont GPU

superpc_2 — Foto: TechTudo

O módulo GPU do Santos Dumont, composto por 10.692 núcleos de processamento da Intel Xeon e Nvidia K40, chega a 456,8 teraflops (0,456 petaflops) e é o 265º no ranking internacional.

- Santos Dumont Hybrid

Gastos com energia elétrica depois da ativação do SDumont chegou a R$ 500 mil mensais (Foto: Divulgação/Sinaped) — Foto: TechTudo

Um pouco mais discreto, o módulo Hybrid do SDumont possui um desempenho de 363,2 teraflops (0,3632 petaflops). Assim como no Cimatec Yemoja (com a descrição abaixo), são obtidos ao combinar processadores Xeon e Xeon Phi. O Hybrid ocupa a 364º posição no Top 500.

- Santos Dumont CPU 

superpc_5 — Foto: TechTudo

Constituído por 18.144 núcleos de processamento Intel Xeon, a unidade CPU do SDumont, é o 433º supercomputador no ranking internacional. Seu desempenho é de 321,1 teraflops (0,3211 petaflops).

Cimatec Yemoja

superpc_3 — Foto: TechTudo

Segundo mais veloz do Brasil e da América Latina, o supercomputador Cimatec Yemoja foi inaugurado em maio de 2015 na unidade SENAI Cimatec em Salvador (BA). Hoje, a máquina é a 323º no ranking mundial. O nome Yemoja é Iemanjá da língua iorubá.

Apesar de ser utilizado prioritariamente para pesquisas de geofísica focando no desenvolvimento da indústria de óleo e gás, o Cimatec Yemoja também traz benefícios para várias outras áreas de pesquisa, como a farmacêutica e química.

Esse supercomputador é equipado com processadores Intel Xeon e Xeon Phi, especialmente desenvolvidos para uso em grande escala. A máquina tem 400 teraflops (0,4 petaflops) de desempenho.

Grifo04

super_pc6 — Foto: TechTudo

Propriedade da Petrobras, o Grifo04 fica no Rio de Janeiro, mais precisamente no Centro Integrado de Processamento de Dados da Petrobras (CIPD), instalado na Cidade Universitária da UFRJ.

O supercomputador começou a operar em 2011 e chegou a ser considerado o 68º mais rápido do mundo em 2012 e o mais rápido da América Latina até 2014. Hoje, já não figura mais no Top 500.

Seu design foi criado pelo time de desenvolvimento da Petrobras e fabricado pela empresa Itautec. Equipado com 1088 GPUs Nvidia Tesla M2050, o Grifo04 atinge um desempenho de 251,5 teraflops (0,251 petaflops) e é utilizado para estudos sísmicos e mapeamento da camada pré-sal.

Tupã

Supercomputador Tupã, instalado em prédio do Inpe no interior de São Paulo (Foto: Divulgação) — Foto: TechTudo

O Tupã está instalado no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) de Cachoeira Paulista, São Paulo. O supercomputador entrou em atividade em 2010, quando se tornou o 29º mais poderoso do mundo.

Fabricado pela Cray, o modelo é um XE6 com capacidade de 214 teraflops (0,214 petaflops). Em atividade até hoje, o Tupã atende aos centros de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), o de Ciência do Sistema Terrestre (CCST) e outros órgãos de pesquisas climáticas gerando previsões mais precisas e confiáveis.

O Tupã foi de fundamental importância para o desenvolvimento do Modelo Brasileiro do Sistema Climático Global, um dos maiores projetos de estudo sobre o clima na América do Sul. Com sua vida útil terminando em 2017, um novo supercomputador deve ser adquirido ainda nesse ano para substituí-lo.

Qual o melhor computador do mundo? Opine no Fórum do TechTudo

Mais do TechTudo