Publicidade

Por Da Redação; Para O TechTudo


Destiny Rise of Iron é o novo capítulo do popular FPS da Bungie. Diferentemente dos DLC anteriores, a quarta expansão do jogo está disponível para compra exclusivamente no PS4 e Xbox One. Com novas missões, armas, personagens e campanha, o pacote é perfeito para quem gosta da ficção científica publicada pela Activision.

O destino é inexorável

O Destiny que chegou às prateleiras e lojas virtuais em 2014 é muito diferente do que os jogadores podem encontrar hoje. A Bungie demorou para entender o apelo de seu produto mas, após quatro expansões, conseguiu entregar uma experiência digna dos anseios da comunidade.

Destiny: Rise of Iron corresponde às expectativas da comunidade (Foto: Divulgação/Activision) — Foto: TechTudo

Aliás, é obrigatório instalar o jogo base e as expansões de The Taken King para poder curtir todas as novidades de Rise of Iron, que prioriza as divertidas missões e raids em equipe, loot em busca dos melhores equipamentos e tudo aquilo que tornou os primeiros DLC tão divertidos.

Uma breve história de Destiny

A narrativa nunca foi o ponto forte de Destiny, que tem um lore muito mais interessante do que o desenvolvimento de sua trama. Novamente, a história principal é bem inconsequente e desinteressante, e encontra um fim precoce após pouco tempo de jogo. Mesmo explorando bastante, são apenas três ou quatro horas para terminar a campanha.

Destiny: Rise of Iron tem uma campanha principal muito curta (Foto: Divulgação/Activision) — Foto: TechTudo

A nova aventura explora o destino dos Iron Lords e como os Fallen encontraram a tecnologia SIVA. Apesar de muitos inimigos e cenários parecerem apenas novas roupagens para o que já vimos anteriormente, a influência de SIVA nos mapas faz com que tudo pareça novo e instigante, e vale a pena visitar as Terras Pestíferas.

Destiny: Rise of Iron apresenta muitos itens novos (Foto: Divulgação/Activision) — Foto: TechTudo

Download grátis do app do TechTudo: receba dicas e notícias de tecnologia no Android ou iPhone

As alegrias do loot

Além de conhecer um pouco mais sobre o universo de Destiny, a maior razão para jogar sua nova campanha são os combates contra chefes, que seguem o elevado padrão de qualidade da série, exigindo pensamento lógico, reflexos rápidos e criação de estratégias eficientes. O embate final é especialmente marcante e gratificante.

Ainda assim, o grosso da experiência consiste em (re)visitar missões paralelas e tentar conseguir bom loot para subir ainda mais o seu nível de luz, que teve o teto novamente elevado. São dezenas de equipamentos totalmente inéditos para identificar e usar, e descobrí-los ainda é uma enorme parcela do apelo de Destiny.

Destiny: Rise of Iron possui uma jogabilidade muito bem calibrada (Foto: Divulgação/Activision) — Foto: TechTudo

Multiplayer revigorado

O modo competitivo de Destiny recebeu uma das maiores novidades da expansão com o acréscimo de Supremacy. Apesar de não inovar em nada, é divertido aplicar a fórmula “mate e depois colete o emblema do derrotado antes de seus inimigos” nos ótimos mapas do jogo.

Como em Call of Duty e Battlefront, é possível gastar muito tempo livre apenas neste modo, mas Rise of Iron também conta com uma Raid inédita, que será disponibilizada no dia 23 de setembro. Promessa de muita diversão para quem ainda está disposto a gastar mais algumas dezenas de horas no confuso, porém cativante universo de Destiny.

Destiny: Rise of Iron melhora seu multiplayer com o modo Supremacy (Foto: Divulgação/Activision) — Foto: TechTudo

Mais do TechTudo