Por Melissa Cruz Cossetti, da redação


Educação, Governo, Varejo, Saúde ... A lista não tem fim. Entre os segmentos analisados no Brasil com os mais elevados riscos de ataque ransomware — o vírus que sequestra dados importantes do computador ou do celular — o de Educação é o mais visado, segundo pesquisas de especialistas de segurança.

"As empresas do setor mais afetadas no Brasil foram as universidades", explica o especialista da Trend Micro no país, Mario Monteiro. O ransomware voltado para empresas já é uma tendência que vem se estabelecendo como sendo mais lucrativo para hackers. Com dados sensíveis para o negócio, empresários acabam cedendo às investidas de golpistas e pagando o resgate em bitcoins para obter de volta planilhas, documentos, contratos e outros arquivos essenciais ao negócio.

Setor de educação sofre com ataques de ransomware no Brasil e no mundo — Foto: Carolina Ochsendorf/TechTudo       Setor de educação sofre com ataques de ransomware no Brasil e no mundo — Foto: Carolina Ochsendorf/TechTudo

Setor de educação sofre com ataques de ransomware no Brasil e no mundo — Foto: Carolina Ochsendorf/TechTudo

Conforme dados levantados pela Trend Micro na América Latina com 500 empresas de médio e grande porte via questionário de identificação de riscos — sendo 300 corporações do Brasil e outras 200 de outros países da região — mais da metade das brasileiras pesquisadas (51%) disseram ter sido vítimas de um ataque no ano passado, sendo que 56% não contavam com a tecnologia adequada para monitoramento e detecção de comportamento suspeito na sua rede. Outras 54% responderam não possuir recursos para detectar criptografia não-autorizada — método usado por hackers neste tipo de golpe.

Os dez setores mais afetados no Brasil:

Educação
Governo
Retail - Varejo
Serviços
Infraestrutura (Energia, água, etc)
Saúde
Financeiro
Indústria
Telecomunicações
Transportes

De acordo com a Trend Micro, o ranking dos segmentos mais afetados se refere ao percentual de empresas atacadas com ransomware por setor. Ou seja, segundo levantamento da fabricante de antivírus, escolas, cursos e universidades foram as maiores vítimas na região nos últimos meses. Para evitar cair em golpes, o treinamento dos funcionários e a precaução dos empresários é fundamental.

O principal meio de infecção continua sendo o e-mail e o uso de engenharia social

"O principal meio de infecção continua sendo o e-mail e o uso de engenharia social, por isso a necessidade cada vez maior das empresas conscientizarem os seus funcionários", acredita o líder técnico da Trend Micro no Brasil, Franzvitor Fiorim.

Evidências globais

Um levantamento global da Avast também aponta que o setor que reúne escolas, cursos e faculdades lidera um ranking de risco quando o assunto é ransomware. No top 5 dos setores mais visados no mundo estão Educação (13%), Governos (5,9%), Saúde (3,5%), Energia/Utilities (3,4%), Varejo (3,2%) e Finanças ( 1,5%) — a frente de outros setores com menor incidência. Se você trabalha ou tem um empresa nestes setores, vale ficar alerta. Conheça ransomwares populares.

Veja dicas de como se proteger de ataques de ransomware:

O que é ransomware: cinco dicas para se proteger

O que é ransomware: cinco dicas para se proteger

WannaCrypt: alguém já pagou bitcoins para ter de voltar arquivos bloqueados por ransomware? Confira no Fórum do TechTudo.

Mais do TechTudo