Por Gabriel Ribeiro, para o TechTudo

email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

Cientistas conseguiram desenvolver uma nova forma para burlar os sistemas de Captcha utilizando inteligência artificial. Criado por pesquisadores da Vicarious, empresa especializada em AI financiada por Mark Zuckerberg e Jeff Bezos, o novo tipo de algoritmo capaz de quebrar o sistema que diferencia humanos de robôs na internet atingiu uma alta taxa de acerto, passando de 60% em alguns serviços. Em comparação, as pessoas têm uma média de acerto de 87% devido aos diferentes tipos de interpretações. O estudo foi publicado nesta quinta-feira (26) na revista Science.

Captchas estão presentes na internet desde meados dos anos 90. Com ele, as pessoas são obrigadas a identificarem letras, imagens ou sons distorcidos para ter acesso a um serviço. A ideia é fazer com que este tipo de enigma seja fácil de resolver para humanos, mas por outro lado complicada para computadores.

Captcha é usado pra separar humanos de robôs em serviços online (Foto: Divulgação/Google) — Foto: Google Captcha é usado pra separar humanos de robôs em serviços online (Foto: Divulgação/Google) — Foto: Google

Captcha é usado pra separar humanos de robôs em serviços online (Foto: Divulgação/Google) — Foto: Google

Esta é uma forma bastante comum de confirmar que quem está pedindo o acesso é de fato uma pessoa e não um robô. Este tipo de ferramenta é usada pelos sites para a proteção contra ataques de spam, por exemplo, como a criação massiva de contas falsas ou requisições de download que podem sobrecarregar o servidor.

Formas de quebrar o sistema de Captcha não são nenhuma novidade. No entanto, o que faz a prática criada pelos cientistas da Vicarious chamar a atenção é a rapidez com que ela pode resolver os ‘quebra-cabeças’. De acordo com os pesquisadores, o método utilizado chega a resolver os enigmas com até cinco mil vezes menos imagens de treino do que outras formas já divulgadas.

O algoritmo utiliza uma rede neural chamada de Rede Cortical Recursiva. Na prática, ele consegue identificar em menos tempo os padrões de objetos e letras. Assim, ele aprende com mais rapidez o padrão dos elementos de cada imagens, posteriormente identificando-os nos testes de Captcha. Além do Captcha mais comum, que utiliza letras, ele também pode quebrar o reCaptcha, que usa uma imagem onde o usuário é desafiado a identificar um elemento específico.

Em testes internos e utilizando uma maior número de imagens de treino, o algoritmo da Vicarious conseguiu chegar a 89,9% de acerto. Em alguns serviços na internet, o método conseguiu chegar a 66,6%. No entanto, quando o algoritmo utiliza uma maior quantidade de imagens de treino, ele pode ser mais suscetível a errar quando ocorre pequenas alterações, como espaçamento maior entre letras.

A pesquisa está em desenvolvimento desde 2013. A ideia é que com a publicação de mais detalhes em uma revista científica, serviços na Internet adotem uma outra forma mais eficiente para a identificação de robôs. O Invisible ReCaptcha — usado pelo Google por exemplo — não necessita de imagens, apenas o click.

Dúvidas sobre captcha? Pergunte no Fórum do TechTudo.

MAIS DO TechTudo