Por João Kurtz, para o TechTudo


Uma tecnologia que ainda está em desenvolvimento pode, em um futuro próximo, permitir que drones sejam capazes de medir a taxa de respiração e batimentos cardíacos de pessoas. Isto facilitaria que aeronaves possam identificar sobreviventes em locais atingidos por desastres ou guerras, além de ajudar em hospitais ou casas de repouso. A tecnologia está sendo desenvolvida por pesquisadores da Universidade do Sul da Austrália e, por enquanto, ainda não tem data prevista para ser usada em modelos comerciais.

Drone pode reconhecer sinais vitais de pessoas em áreas de risco — Foto: Reprodução/Universidade do Sul da Austrália Drone pode reconhecer sinais vitais de pessoas em áreas de risco — Foto: Reprodução/Universidade do Sul da Austrália

Drone pode reconhecer sinais vitais de pessoas em áreas de risco — Foto: Reprodução/Universidade do Sul da Austrália

O sistema usa algoritmos especializados e processamento de imagens para detectar movimentos em rostos e pescoços de pessoas próximas e, assim, obter as taxas cardíacas e de respiração. Após obter estas informações, ele também é capaz de distinguir e rastrear as pessoas detectadas mesmo que elas estejam em movimento.

O protótipo usado nos testes possui alcance estimado de três metros, mas a expectativa é que essa distância possa ser aumentada no futuro. “Muitos ambientes são hostis, portanto, um drone é a melhor opção para localizar pessoas com problemas de forma rápida e segura”, explica o supervisor do projeto, Javaan Chahl.

Drone promete ajudar em missões de resgate — Foto: Reprodução/Universidade do Sul da Austrália Drone promete ajudar em missões de resgate — Foto: Reprodução/Universidade do Sul da Austrália

Drone promete ajudar em missões de resgate — Foto: Reprodução/Universidade do Sul da Austrália

A detecção ocorre através de imagens fornecidas pelas câmeras instaladas no drone, que analisam dados como variações do tom da pele e movimentos da cabeça. Além de drones, o sistema pode ser adaptado para outros tipos de câmeras, o que significa que mesmo instrumentos de vigilância podem ser convertidos para fazer análises. Isto é útil em casas de repouso para idosos, pois permite fazer análises sem usar aparelhos mais complexos e invasivos.

Ainda não há expectativa de lançamento de produtos com esta tecnologia, mas a equipe de pesquisadores já anunciou que tem interesse em encontrar parceiros na indústria para torná-la mais acessível.

MAIS DO TechTudo