Por Filipe Garrett, para o TechTudo


O IPTV é uma tecnologia que permite a transmissão de sinais de TV via Internet, garantindo não apenas qualidade de som e imagem, mas também dando aos usuários recursos extras em interatividade e possibilidades interessantes, como consumo sob demanda (em que você assiste o que gosta na hora que quiser), e até mesmo possibilidade de gravar programas para ver depois. A seguir, você conhece a tecnologia, que é muito associada com a TV à cabo, descobre o que são as tais listas de canais e como funciona uma parte complicada da tecnologia: a pirataria em IPTV.

TV — Foto: Divulgação TV — Foto: Divulgação

TV — Foto: Divulgação

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

O que é IPTV?

Mas, afinal: o que é IPTV? IPTV é um termo que se refere à distribuição de sinal de televisão via protocolo IP. Ou seja, Internet. Embora tecnicamente funcione como o streaming, a IPTV oferece algumas diferenças, como vantagens técnicas de garantir entrega de imagem e som de qualidade e boa performance, mesmo que a sua conexão atinja os requerimentos mínimos de performance de vídeo.

Desenvolvida como alternativa que permite consumo sob demanda, em que você escolhe os horários da programação, a IPTV está associada ao consumo principalmente em aparelhos de TV e set-top-boxes, embora seja possível acessar sinais de TV do tipo em computadores e outros aparelhos com software de IPTV.

O grande diferencial de uma IPTV diante de um canal de TV que você pode simplesmente assistir ao vivo pelo navegador de Internet está no fato de que, em geral, o sinal da TV via Internet é distribuído em redes próprias, isoladas da vastidão da Internet. Esse diferencial garante mais performance ao IPTV: enquanto num modelo o sinal tem alta qualidade, no outro você está sujeito a oscilações, variações de velocidade da sua rede, travamentos e sobrecargas no site que oferece o sinal ao vivo. Ou seja, é uma rede dedicada ao seu stream de vídeo.

O que são listas de canais?

Listas de canais são um tipo de playlist com endereços de Internet que podem ser acessados de dispositivos e softwares compatíveis. O problema é que a grande maioria deles dá ao usuário acesso ilegal a canais de TV por pessoas que distribuem sinal de terceiros no formato IPTV. Quase sempre canais pagos, de TV a cabo, ou mesmo conteúdo de mídias físicas com stream feito por um computador.

Basicamente, uma lista organiza endereços de Internet que transmitem canais de IPTV de forma irregular, sejam por meio de redirecionamento de um sinal legítimo, seja a partir de técnicas que driblam as proteções contra pirataria implementadas pelas operadoras e emissoras. É aí que mora o crime de quem usa essa tecnologia.

IPTV e pirataria

Kodi é um aplicativo de media center que pode ser usado para IPTV — Foto: Divulgação/Kodi Kodi é um aplicativo de media center que pode ser usado para IPTV — Foto: Divulgação/Kodi

Kodi é um aplicativo de media center que pode ser usado para IPTV — Foto: Divulgação/Kodi

Como vimos, a tecnologia IPTV pode ser explorada de formas ilícitas. A pirataria em termos de televisão via Internet se dá por meio da distribuição irregular do sinal de canais de TV pagos por meio da rede para aplicativos e dispositivos capazes de reproduzir esses sinais. No nosso fórum, a questão foi inclusive levantada por um usuário recentemente. Mas, pode ser diferente.

CAS e DRM

Esses produtos acabam driblando o CAS e/ou o DRM aplicado aos sinais originalmente liberados pelos canais de TV. Ambos são métodos de proteção de conteúdo: o CAS consiste numa estrutura que decide se o usuário na outra ponta está liberado para assistir ao que é transmitido, enquanto que o DRM protege o conteúdo, atribuindo autores e responsáveis por filmes, séries, documentários e etc, mas também dando ao usuário a chance de reproduzir esses conteúdos, desde que suas credenciais estejam em dia. Ou seja, é possível usar legalmente.

Você pode entender o CAS como uma proteção que incide diretamente na veiculação de conteúdo: verificando se você está habilitado a ver determinado filme na modalidade “on demand”, por exemplo. Já o DRM se associa ao conteúdo: mesmo que você grave um programa exibido pelo canal de IPTV, entende-se que não há pirataria nisso — desde que tenha sido liberado, via DRM, para isso.

A coisa muda de figura nas chamadas listas de canais veiculadas na Internet. Essas listas contornam as proteções de direitos autorais e são, em muitos casos, distribuídas de forma gratuita a partir de serviços que acabam infringindo os direitos autorais, já que ao contrário de um usuário legítimo, quem recorre à pirataria não paga mensalidades para ter acesso aos canais e serviços de IPTV.

Qual o uso legal de IPTV?

Empresas legítimas podem usar a tecnologia para fornecer endereços de IPTV — mediante pagamento ou como benefício em conjunto com algum outro produto, por exemplo. Sendo assim, podem funcionar como concorrentes diretos de Netflix, Amazon Prime e Hulu Plus na Internet, fornecendo serviço legal.

Com um aparelho ou PC, usando os programas corretos, o usuário comum também pode reproduzir e ver a vídeos, músicas, podcasts e outros arquivos de mídia digital a partir de suportes de armazenamento locais, de rede e da Internet. O sistema permite transformar um dispositivo em uma central de mídia e compartilhar em família ou com amigos de forma doméstica suas mídias.

Quais são os principais aplicativos de IPTV?

Existe uma grande quantidade de aplicações que podem dar acesso a IPTV.

As mais famosas são:

Portanto, procure usar qualquer tecnologia sempre de forma segura e legal.

Dúvidas sobre IPTV? Pergunte no Fórum do TechTudo.

MAIS DO TechTudo