Por Paulo Alves, para o TechTudo


A Mi Box é uma central de mídia da Xiaomi que pode ser uma alternativa mais barata à Apple TV 4K para transformar qualquer TV com entrada HDMI em smart. O aparelho roda Android TV, uma versão do software feita para a tela grande, e permite baixar e instalar apps e jogos na memória interna. Além disso, o dispositivo tem conexão Bluetooth para parear caixas de som e fones de ouvido wireless e vem com controle remoto na caixa.

No entanto, ao contrário do set-top box da Apple, cuja versão premium chegou recentemente ao Brasil, o Mi Box não está à venda em lojas nacionais. Quem optar pelo mídia center chinês para incrementar a TV com apps e games é obrigado a recorrer à importação. Veja, nas linhas abaixo, os principais pontos positivos e negativos do aparelho e saiba se a compra em lojas do exterior compensa.

Xiaomi Mi Box cabe na palma da mão — Foto: Paulo Alves/TechTudo Xiaomi Mi Box cabe na palma da mão — Foto: Paulo Alves/TechTudo

Xiaomi Mi Box cabe na palma da mão — Foto: Paulo Alves/TechTudo

Pontos positivos

1. Imagem em 4K com HDR

Apesar de ser vendido na casa dos US$ 70 (aproximadamente R$ 220, sem considerar impostos), o Xiaomi Mi Box oferece alta qualidade de imagem em 4K com suporte à tecnologia HDR, que deixa as cores mais vivas e realistas. Esses são os mesmos atrativos da Apple TV 4K, versão que chegou ao Brasil pelo menos cinco vezes mais cara, por a partir de R$ 1.299. Esses recursos de imagem são típicos de TVs modernas, e só funcionam se você tiver um aparelho compatível. No entanto, a funcionalidade pode ser vantajosa até para quem tem televisão mais antiga, já que o Mi Box garante que, quando você trocar de TV, a qualidade dos filmes e séries ficarão ainda melhores.

Globo Play tem app nativo para Android TV — Foto: Reprodução/Paulo Alves Globo Play tem app nativo para Android TV — Foto: Reprodução/Paulo Alves

Globo Play tem app nativo para Android TV — Foto: Reprodução/Paulo Alves

2. Função Chromecast integrada

A box Android da Xiaomi é uma das poucas no mercado com Chromecast integrado, que recebe conteúdo vindo do celular, desde a tela inteira até um aplicativo específico. O usuário pode recorrer à função quando um determinado app não estiver disponível na Play Store para Android TV, mas for compatível com o dongle do Google para transmissão via Wi-Fi. Esse é o caso, por exemplo, do Google Fotos, serviço que não tem app para Android na televisão, mas pode ser acessado pelo smartphone para exibir fotos e vídeos em uma tela maior. O mesmo ocorre com o Google Slides, para apresentações.

3. Armazenamento flexível

Embora seja equipado com apenas 8 GB de espaço interno (desses, apenas 5 GB são disponíveis para uso), o Mi Box tem porta USB na parte traseira para conexão com pendrive. O recurso é uma vantagem para quem precisa de mais armazenamento para filmes e séries baixados da internet e ainda serve como meio de transporte de mídia – com um adaptador USB, é possível usar um pendrive para mover mídia do celular para o Mi Box offline.

Xiaomi Mi Box tem HDMI, USB e entrada de áudio — Foto: Paulo Alves/TechTudo Xiaomi Mi Box tem HDMI, USB e entrada de áudio — Foto: Paulo Alves/TechTudo

Xiaomi Mi Box tem HDMI, USB e entrada de áudio — Foto: Paulo Alves/TechTudo

Pontos negativos

1. Android TV é limitado

O Android TV oferece acesso ao Google Play, mas a oferta de apps e jogos na loja não chega perto da variedade encontrada nos smartphones Android. Esse foi um dos principais pontos fracos identificados no review do aparelho. Além da maioria dos aplicativos não ter versão para TV, alguns itens disponibilizados para download não estão otimizados para uso com controle remoto. É necessário garimpar um pouco para ter uma seleção satisfatória de programas para usar além dos tradicionais Netflix, YouTube e Globo Play.

Xiaomi Mi Box tem oferta limitada de apps e jogos na Play Store — Foto: Paulo Alves/TechTudo Xiaomi Mi Box tem oferta limitada de apps e jogos na Play Store — Foto: Paulo Alves/TechTudo

Xiaomi Mi Box tem oferta limitada de apps e jogos na Play Store — Foto: Paulo Alves/TechTudo

2. Impostos podem influenciar no preço

Os US$ 70 cobrados por algumas lojas online no exterior podem aumentar ao chegar no Brasil. O valor está dentro do patamar de taxação automática de 60% realizado pela Receita Federal no país. Embora a aplicação não seja certa, pois a incidência pode variar de uma encomenda para a outra, o desembolso pela Xiaomi Mi Box pode chegar a US$ 112, aproximadamente R$ 366. Se o produto parar na alfândega, o usuário deverá se dirigir a uma agência dos Correios para efetuar o pagamento do tributo e efetuar a retirada – ou seja, o pacote pode não chegar diretamente em casa.

Aprenda a conectar fones de ouvido e caixas de som Bluetooth no Xiaomi Mi Box com Android TV — Foto: Paulo Alves/TechTudo Aprenda a conectar fones de ouvido e caixas de som Bluetooth no Xiaomi Mi Box com Android TV — Foto: Paulo Alves/TechTudo

Aprenda a conectar fones de ouvido e caixas de som Bluetooth no Xiaomi Mi Box com Android TV — Foto: Paulo Alves/TechTudo

3. Sem garantia no Brasil

O Mi Box oferece a mesma funcionalidade do Chromecast e conta com controle remoto e sistema operacional completo como a Apple TV. Ainda assim, seu preço de importação não é alto. No entanto, como quase todo aparelho importado, o mídia center não usufrui de garantia de fábrica no Brasil, algo que deve ser colocado na balança. Se o dispositivo apresentar um defeito mesmo dias depois da compra, o usuário só poderá recorrer à loja online na qual adquiriu o produto.

Mais do TechTudo