Bitcoin e moedas virtuais

Por Marília Varoni, para o TechTudo


Toda vez que o protocolo de uma criptomoeda como o Bitcoin recebe uma atualização, o processo é chamado de fork, palavra que significa bifurcação em inglês. Essas atualizações tem o objetivo de melhorar o código da moeda digital, e são divididas em dois tipos: soft fork e hard fork.

Soft fork: mantendo a compatibilidade

Como acontece frequentemente com aplicativos de celular, algumas atualizações são feitas sem que você precise baixar uma nova versão do aplicativo. Esse é o mesmo processo da soft fork: o sistema de uma criptomoeda é aprimorado para uma versão melhor, mas pode ser que o usuário nem note — as atualizações são feitas mantendo o sistema compatível com a versão anterior. As soft forks podem ser uma correção de pequenas falhas que não comprometem a moeda ou uma melhoria em algum processo interno.

Bitcoin — Foto: Foto: Divulgação/FISL Bitcoin — Foto: Foto: Divulgação/FISL

Bitcoin — Foto: Foto: Divulgação/FISL

Hard fork: hora de reiniciar o sistema

Porém, quando uma atualização mexe com linhas de código importantes para o funcionamento da moeda e os resultados são mais complexos, é como se o sistema tivesse sido reiniciado — se fosse um aplicativo, você precisaria baixar uma nova versão dele para conseguir continuar usando. Nesse caso, chamamos a atualização de hard fork.

No caso das criptomoedas, você não precisa comprar ou baixar nada: uma hard fork faz com que o sistema seja de fato bifurcado, ou seja, dividido em dois, e o novo passará a operar a partir do zero com as novas atualizações que recebeu. Significa que as mudanças feitas não mantém a compatibilidade com versões anteriores.

Para que a nova atualização proposta passe a valer, precisa passar pelo consenso da comunidade mineradora da moeda: a maioria dos mineradores precisam votar para decidir se a atualização será aplicada. Esse processo pode demorar de minutos a semanas, tudo depende da análise da comunidade.

A versão antiga continuará a existir enquanto houver pessoas usando, que não tiveram interesse em atualizar sua versão ou que não concordaram com a mudança realizada. Já a nova versão passa a ser uma nova blockchain, com um novo código e um novo nome. A partir dessa bifurcação, duas moedas passam a existir: uma delas operando com código novo e uma continuando a operação com o código antigo.

Bitcoin Cash, gerada por um fork da Bitcoin

Como exemplo de nova moeda criada a partir de uma hard fork, temos a Bitcoin Cash. Ela surgiu de uma atualização proposta que não recebeu a maioria dos votos da comunidade mineradora. Como os grupos defensores insistiram em implantar sua nova versão mesmo assim, foi lançada de forma independente em agosto.

Uma das diferenças para a moeda original é que a Bitcoin Cash oferece tamanho maior para o bloco da blockchain: são 8MB, conta 1MB da Bitcoin. Com a bifurcação, a vantagem para os usuários que já tinham Bitcoin foi ganhar para suas carteiras, no dia do fork, a mesma quantidade de moedas em Bitcoin Cash.

Mais do TechTudo