Por Gabriel Ribeiro, para o TechTudo

email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

Pesquisadores da Universidade de Washington criaram um protótipo que permite um objeto de plástico, criado em uma impressora 3D, se comunicar na rede Wi-Fi sem a necessidade de bateria. A tecnologia à primeira vista pode parecer rudimentar, mas tem sido apontada com potencial de revolucionar a Internet das Coisas.

A ideia no futuro é permitir que objetos possam desempenhar tarefas básicas de comunicação, como informar que um recipiente está vazio, sem necessariamente estar conectado a uma fonte de eletricidade.

Objetos impressos em plástico se 'comunicam' de forma wireless — Foto: Mark Stone/University of Washington Objetos impressos em plástico se 'comunicam' de forma wireless — Foto: Mark Stone/University of Washington

Objetos impressos em plástico se 'comunicam' de forma wireless — Foto: Mark Stone/University of Washington

O projeto utiliza a reflexão das ondas eletromagnéticas para enviar sinais na rede wireless. Os objetos são impressos em plástico, mas trazem na composição materiais condutores como filamentos de grafeno e cobre.

Para entender, imagine uma conexão entre um roteador e um smartphone em um lugar sem obstáculos. Os sinais eletromagnéticos são transmitidos de forma constante, sem interferência. Basicamente, a pesquisa coloca o objeto para criar uma pequena distorção no sinal, que pode ser captado e interpretado por outro dispositivo conectado à rede, como um celular, por exemplo.

Para isso, em vez de sinais elétricos em uma placa de circuito, a pesquisa utiliza mecânica, com engrenagens e interruptores. Cada movimento cria um bit (0s ou 1s) - é desta forma que um computador consegue interpretar. Próximo do ponto de contato há uma pequena antena.

Objeto em 3D traz material condutor para altera ondas eletromagnéticas — Foto: Divulgação/Washington University Objeto em 3D traz material condutor para altera ondas eletromagnéticas — Foto: Divulgação/Washington University

Objeto em 3D traz material condutor para altera ondas eletromagnéticas — Foto: Divulgação/Washington University

Em um exemplo, os pesquisadores criaram um anemômetro, equipamento utilizado para medir a velocidade do vento. Conforme as pás se movem, uma engrenagem gira. Mesmo com equipamento fora da energia, o computador conseguiu interpretar em um gráfico a intensidade. Outro protótipo mostrado usa o mesmo conceito para rolar páginas na internet, como um scroll Wi-Fi.

A tecnologia poderia ser usada para evitar que dispositivos de Internet das Coisas que desempenham funções básicas precisem usar bateria ou estar conectados à tomada. No futuro, ela poderia ser usada, por exemplo, para adicionar a lista de compras algum produto específico, como ração de cachorro ou material de limpeza.

MAIS DO TechTudo