Por Filipe Garrett, para o TechTudo

email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

O ano de Intel e AMD foi movimentado, inclusive com direito a grandes surpresas, como a parceria entre as duas marcas em futuros produtos, o ressurgimento da AMD com uma arquitetura eficiente e poderosa de processadores e os novos superprocessadores Core i9 e Threadripper, que tornam disponíveis tecnologias de processadores de servidores a usuários de computadores comuns. A seguir, você relembra a trajetória dessa disputa ao longo de 2017, quais foram os principais lançamentos de ambas as marcas e as principais notícias em torno de AMD e Intel.

Intel lança a sétima geração

Sétima geração chegou em março ao Brasil; em novembro, a oitava já marcava presença em alguns notebooks vendidos no país — Foto: Divulgação/Intel Sétima geração chegou em março ao Brasil; em novembro, a oitava já marcava presença em alguns notebooks vendidos no país — Foto: Divulgação/Intel

Sétima geração chegou em março ao Brasil; em novembro, a oitava já marcava presença em alguns notebooks vendidos no país — Foto: Divulgação/Intel

A Intel começou o ano trazendo ao mercado o restante dos processadores de sétima geração, que seria lançada oficialmente apenas em março no Brasil. Embora representem evolução diante dos modelos de sexta, a família de CPUs da marca foi ofuscada diante da chegada da arquitetura Ryzen da AMD: mais baratos e com performance competitiva, os processadores da rival acabaram roubando a cena.

Em todo caso, alguns lançamentos da sétima geração foram importantes. O mais significativo deles é o Core i3 7350K: pela primeira vez, a Intel lançou um processador i3 com capacidade de overclock, dando a gamers e entusiastas uma opção de custo mais baixo na hora de montar um PC para jogos.

A AMD renasce com o Ryzen

Arquitetura Ryzen resgatou a AMD como alternativa de bom preço e performance nos processadores — Foto: Divulgação/AMD Arquitetura Ryzen resgatou a AMD como alternativa de bom preço e performance nos processadores — Foto: Divulgação/AMD

Arquitetura Ryzen resgatou a AMD como alternativa de bom preço e performance nos processadores — Foto: Divulgação/AMD

Desde a arquitetura Bulldozer, de 2011, a AMD tinha dificuldades em colocar no mercado processadores competitivos diante das opções da rival Intel. Mesmo a preços inferiores, os produtos da AMD tinham performance muito mais baixa, além de problemas de consumo e aquecimento que foram tornando esses processadores inviáveis em notebooks cada vez mais finos e projetados para cada vez mais horas longe das tomadas.

A arquitetura Ryzen, inaugurada em 2017, corrigiu o rumo: as novas séries de processadores R3, R5 e R7 da Advanced Micro Devices se mostraram não apenas competitivas no preço, mas também rivais na performance: os novos processadores da AMD se posicionaram de forma a brigar com a Intel em termos de desempenho pela primeira vez em mais de uma década.

Core i9 e Threadripper

Enorme quantidade de núcleos, mais tecnologia e velocidade são os destaques dos Core i9 — Foto: Divulgação/Intel Enorme quantidade de núcleos, mais tecnologia e velocidade são os destaques dos Core i9 — Foto: Divulgação/Intel

Enorme quantidade de núcleos, mais tecnologia e velocidade são os destaques dos Core i9 — Foto: Divulgação/Intel

A disputa de mercado entre as duas gigantes ganhou mais um campo de batalha na forma dos novos superprocessadores de muitos núcleos. Core i9, com até 18 núcleos, e o Threadripper, com até 16, estão hoje entre os processadores para desktops mais rápidos do mundo e opõem diretamente as tecnologias da sexta geração da Intel à arquitetura Ryzen da AMD.

Tanto i9 como Threadripper chamam a atenção não apenas pela contagem de núcleos na casa da dezena, mas pela oferta de tecnologias que antes estavam confinadas aos processadores Xeon, da Intel, e Opteron e Epic, da AMD, todos praticamente exclusivos de servidores e data centers.

O modelo "básico" da Intel, o Core i9-7900X, de 10 núcleos custa US$ 999 (cerca de R$ 3.310 na cotação atual, sem impostos) e o top Core i9-7980XE sai por US$ 1.999 (R$ 6.620)

Optane finalmente desembarca

Optane estreou para o consumidor em versão classificada como acelerador de cache de 16 ou 32 GB — Foto: Divulgação/Intel Optane estreou para o consumidor em versão classificada como acelerador de cache de 16 ou 32 GB — Foto: Divulgação/Intel

Optane estreou para o consumidor em versão classificada como acelerador de cache de 16 ou 32 GB — Foto: Divulgação/Intel

Intel e Micron se uniram para criar uma tecnologia que permitisse o desenvolvimento de SSDs mais rápidos e de módulos de memória com maior performance. Depois de anos de promessas, 2017 viu a chegada dos primeiros produtos frutos dessa parceria.

Os aceleradores de cache Optane são uma alternativa para quem tem um PC sem SSD e quer deixá-lo mais rápido: as unidades funcionam acelerando a troca de dados no sistema, dando ao PC mais desempenho sem a necessidade de um investimento muito pesado. O detalhe negativo é que os Optane exigem, no mínimo, processador de sétima geração.

Além do acelerador de cache, a Intel colocou no mercado os primeiros SSDs com a tecnologia, direcionados para o consumo em data centers e servidores. Em outubro, com o 900P, a Intel trouxe a tecnologia para SSDs para usuários comuns.

Oitava geração da Intel acusa o golpe

Intel aumentou número de núcleos em seus processadores para combater a AMD — Foto: Divulgação/Intel Intel aumentou número de núcleos em seus processadores para combater a AMD — Foto: Divulgação/Intel

Intel aumentou número de núcleos em seus processadores para combater a AMD — Foto: Divulgação/Intel

Uma das claras diferenças entre os processadores Ryzen e os produtos da Intel de sétima geração está na contagem de núcleos: uma das formas encontradas pela AMD para disputar com a rival em desempenho foi montar mais núcleos em suas novas CPUs, buscando assim aumentar a capacidade de processamento dos R3, R5 e R7 diante dos Core i3, i5 e i7.

A oitava geração da Intel mostra que a estratégia foi bem-sucedida: os primeiros chips da nova família da Intel têm o dobro dos núcleos de seus antecessores diretos. Na prática, isso significa que novos modelos de notebooks terão processadores i5 e i7 quad-core, contra os dual-core que dominavam o mercado desde 2012.

A mesma tendência deve se confirmar em janeiro, com a chegada das versões para desktops dos processadores de oitava geração da Intel.

CPU Intel com gráficos AMD

Intel pretende usar GPUs da AMD para melhorar a performance gráfica de seus processadores — Foto: Divulgação/Intel Intel pretende usar GPUs da AMD para melhorar a performance gráfica de seus processadores — Foto: Divulgação/Intel

Intel pretende usar GPUs da AMD para melhorar a performance gráfica de seus processadores — Foto: Divulgação/Intel

Nem tudo é disputa entre Intel e AMD. Numa notícia surpreendente, as duas gigantes dos semicondutores anunciaram uma parceria em que alguns modelos de processadores da Intel terão GPU fornecida e desenvolvida pela AMD. O movimento busca dar aos processadores da Intel direcionados a notebooks capacidades de vídeo melhores, tornando-os mais competitivos diante das GPUs da Nvidia.

MAIS DO TechTudo