Por Bruno Soares, para o TechTudo


Nesta quarta-feira (31), o céu será palco de três fenômenos lunares ao mesmo tempo: a Superlua, a Lua Azul e a Lua de Sangue. Segundo a NASA, o acontecimento completo não será visível no Brasil, com exceção de poucas regiões do extremo norte. Por aqui, apenas a Superlua iluminará o céu à noite. A tecnologia, porém, pode dar uma ajudinha para quem quer acompanhar o evento astronômico: a agência espacial americana irá transmitir o eclipse lunar ao vivo.

O streaming da "Superlua Azul de Sangue" começa pela manhã, a partir das 8h30 (horário de Brasília) ou 5h30 (fuso horário Oriental). Para assistir, basta acessar a Nasa TV pelo aplicativo da agência para celulares com Android e iPhone (iOS) ou no site oficial. Quem usa o Twitter também vai poder acompanhar pela rede social.

NASA app irá exibir "Super Lua Azul de Sangue"; saiba como acompanhar pelo celular — Foto: Ana Marques/TechTudo NASA app irá exibir "Super Lua Azul de Sangue"; saiba como acompanhar pelo celular — Foto: Ana Marques/TechTudo

NASA app irá exibir "Super Lua Azul de Sangue"; saiba como acompanhar pelo celular — Foto: Ana Marques/TechTudo

Entenda os fenômenos

A ocorrência desses três fenômenos em um mesmo dia é bastante rara e aconteceu pela última vez há 150 anos. Segundo especialistas, a "Superlua Azul de Sangue", como vem sendo chamada, será melhor visível na costa oeste dos Estados Unidos, além de regiões como Oceania, Oriente Médio e Extremo Oriente Russo.

Na manhã de quarta-feira haverá um eclipse lunar, ou seja, a lua irá passar pela sombra da Terra. Mas, em vez de desaparecer totalmente, o satélite natural ganha uma coloração avermelhada, fenômeno chamado de Lua de Sangue.

Lua ganha cor avermelhada em fenômeno desta quarta-feira — Foto: Reprodução/YouTube (NASA) Lua ganha cor avermelhada em fenômeno desta quarta-feira — Foto: Reprodução/YouTube (NASA)

Lua ganha cor avermelhada em fenômeno desta quarta-feira — Foto: Reprodução/YouTube (NASA)

Já a Lua Azul não se relaciona à cor do corpo celeste, mas é uma expressão usada para designar a segunda lua cheia de um determinado mês. Isso não acontece com tanta frequência porque luas cheias aparecem no céu a cada 29,5 dias, enquanto um mês no calendário gregoriano dura, em média, entre 30 e 31 dias.

Para fechar o espetáculo, hoje é também dia de Superlua, o que acontece quando o satélite está com seu brilho 14% mais intenso, além de se encontrar no perigeu, ou seja, o ponto de órbita mais próximo da Terra. Esses dois elementos juntos causam a sensação de que a Lua aumentou em tamanho e luminosidade.

Imagem mostra onde fenômeno será visível — Foto: Divulgação/Nasa Imagem mostra onde fenômeno será visível — Foto: Divulgação/Nasa

Imagem mostra onde fenômeno será visível — Foto: Divulgação/Nasa

Quem perder o evento este ano só terá outra oportunidade similar em 21 de janeiro de 2019, quando haverá uma "Superlua de Sangue". Nessa ocasião, porém, o fenômeno não ocorre com a segunda lua cheia de um mês.

Transmissão pela NASA

A seguir, veja os canais oficiais em que a agência espacial norte-americana irá transmitir ao vivo o eclipse lunar desta quarta-feira.

  • NASA TV pelo aplicativo para Android e iPhone (iOS), disponíveis na App Store e na Google Play Store.
  • NASA TV pelo site oficial da agência espacial (www.nasa.gov/multimedia/nasatv)
  • Conta da NASA no Twitter dedicada a fenômenos lunares (@NASAmoon)

Com informações: NASA, G1 e The Verge

MAIS DO TechTudo