Por Bruno Soares, para o TechTudo

email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

A Apple liberou informações detalhadas sobre quais funções podem ser prejudicadas pelo gerenciamento de energia no iPhone. A prática, que consiste em diminuir o desempenho de celulares antigos para preservar a bateria, foi revelada recentemente pela companhia e causou polêmica entre os usuários. A companhia chegou a pedir desculpas.

Segundo o texto, baterias com íon de lítio, quando envelhecidas, podem provocar desligamentos repentinos no smartphone, o que tornaria o dispositivo "não confiável ou inutilizável". Dessa forma, as versões 10.2.1 e 11.2 do iOS incluem limitações a certas funções de modelos anteriores ao iPhone 7 (e 7 Plus), o que serviria justamente para evitar essas situações.

iPhone 7 é um dos modelos afetados pela diminuição de velocidade da Apple

iPhone 7 é um dos modelos afetados pela diminuição de velocidade da Apple

Funções prejudicadas

De acordo com a Apple, antes de derrubar o desempenho de qualquer função, são analisados aspectos como temperatura do aparelho, além de estado de carga e impedância da bateria. Somente se algum risco for encontrado, o gerenciamento entra em ação, buscando equilibrar o desempenho máximo de componentes como o processador e a placa gráfica. Com isso, em alguns casos, os seguintes sintomas podem ser observados:

  • Aumento no tempo de inicialização de aplicativos
  • Menores taxas de quadros durante a rolagem de tela
  • Escurecimento da luz de fundo
  • Volume do alto-falante mais baixo em até -3 dB
  • Reduções graduais da taxa de quadros em alguns apps
  • Flash da câmera desativado como visível (em casos extremos)
  • Apps sendo atualizados em segundo plano podem exigir recarregamento após a inicialização

iPhone SE, lançado em 2016, também passou pelo gerenciamento de bateria da Apple

iPhone SE, lançado em 2016, também passou pelo gerenciamento de bateria da Apple

Funções que não sofrem alteração

A companhia garante que várias das funções principais dos smartphones não são prejudicadas pelo gerenciamento, como a qualidade de fotos e vídeos capturados. A seguir, veja a relação de elementos que devem permanecer intactos.

  • Taxa de transferência de rede e qualidade de chamada de celular
  • Qualidade de fotos e vídeos capturados
  • Desempenho de GPS
  • Precisão da localização
  • Sensores como giroscópio, acelerômetro, barômetro
  • Apple Pay

Câmera não seria prejudicada por atualizações — Foto: Anna Kellen Bull / TechTudo Câmera não seria prejudicada por atualizações — Foto: Anna Kellen Bull / TechTudo

Câmera não seria prejudicada por atualizações — Foto: Anna Kellen Bull / TechTudo

Entenda a polêmica

Após usuários do Reddit perceberem uma mudança significativa na performance de iPhones mais antigos, o desenvolvedor John Poole, do Geekbench, decidiu monitorar seus celulares durante alguns meses e registrou uma queda no desempenho da CPU após atualizações para o iOS 10.2.1 ou 11.2.0. A mudança era drástica, fazendo com que o pico máximo do processador caísse de 2.350 MHz para 600 MHz. Os aparelhos afetados seriam o iPhone 6 (lançado em 2014), iPhone 6S (2015), iPhone SE e iPhone 7 (ambos de 2016).

Gráficos indicam redução da capacidade de iPhones antigos — Foto: Reprodução/Geekbench Gráficos indicam redução da capacidade de iPhones antigos — Foto: Reprodução/Geekbench

Gráficos indicam redução da capacidade de iPhones antigos — Foto: Reprodução/Geekbench

Em nota ao site The Verge, a Apple admitiu que seu smartphones ficavam mais lentos de propósito, alegando que a prática servia para evitar o desgaste das baterias. Na ocasião, o porta-voz acrescentou, ainda, que esse procedimento poderia se repetir em modelos mais novos no futuro.

A revelação causou revolta nos consumidores da marca, o que acabou rendendo processos contra a Apple nos Estados Unidos e na França, país no qual a obsolescência programada é ilegal. Para tentar se redimir, a fabricante emitiu, na noite da última quinta-feira (28), um pedido de desculpas com a oferta de desconto no preço da substituição de baterias.

A troca de bateria deverá ocorrer ao redor do mundo durante 2018. No Brasil, a Apple afirma que os donos de iPhones, atingidos pelo problema, também poderão participar do programa de troca de baterias antigas. A fabricante anunciou um desconto de R$ 300 na substituição do componente defeituoso. Com isso, o novo preço pelo serviço passa a ser de R$ 149. A medida começa a valer a partir do final de janeiro, segundo a empresa, e ocorrerá ao longo de 2018.

Atualmente, o custo da troca de bateria do iPhone chega a R$ 449 em lojas da marca e assistências técnicas afiliadas. Outras empresas cobram até metade do valor praticado pela companhia.

MAIS DO TechTudo