Para que serve a abertura da câmera do celular

Especificação pode ser determinante ao tirar fotos em ambientes pouco iluminados.

email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

Por Isabela Cabral, para o TechTudo

Quando se fala em câmera de smartphone – um dos pontos mais relevantes para os brasileiros na hora de comprar um celular –, a maioria dos consumidores pensa logo em quantidade de megapixels. Porém, outro ponto importante deve ser considerado: a abertura da lente. Essa característica pode fazer toda a diferença ao capturar fotos em locais mais escuros ou à noite.

O questionamento sobre essa especificação está entre as perguntas mais recebidas pelo serviço de atendimento ao cliente da Samsung. A seguir, entenda como funciona a abertura de lente e qual sua importância.

Entenda como funciona a abertura de lente na câmera do celular (Foto: Luciana Maline/TechTudo) Entenda como funciona a abertura de lente na câmera do celular (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Entenda como funciona a abertura de lente na câmera do celular (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Fotografia tem tudo a ver com luz. A exposição de um sensor à luz, através de uma lente, é o que produz uma imagem. Portanto, é o tamanho da abertura de lente que define a quantidade de luz que entra na câmera e atinge o sensor. Quanto mais luz, mais nitidez, exposição, brilho e foco – ou seja, mais qualidade para a foto.

A medida da abertura, chamada de f-stop, é calculada pelo comprimento focal dividido pelo diâmetro da abertura. É preciso prestar atenção: quanto menor o número, maior é a abertura, ou seja, maior a capacidade de captar luz. Por exemplo, uma câmera com abertura f/1.7 recebe mais luz do que uma com f/2.8.

Esquema explicativo sobre a abertura "f" das lentes (Foto: Adriano Hamaguchi/TechTudo) Esquema explicativo sobre a abertura "f" das lentes (Foto: Adriano Hamaguchi/TechTudo)

Esquema explicativo sobre a abertura "f" das lentes (Foto: Adriano Hamaguchi/TechTudo)

À noite ou em qualquer situação de baixa iluminação, grandes aberturas de lentes são especialmente importantes na hora de conseguir uma boa foto. Sem luz suficiente, a imagem sai borrada ou com ruído. É por isso que a maioria dos celulares (ainda mais os baratos) até hoje sofre para fotografar nessas condições.

O mercado está correndo atrás de melhorias. Lançado em setembro, o LG V30 traz a câmera com a maior abertura de lente já vista em um smartphone: f/1.6. Outros modelos com abertura ampla incluem os Samsung Galaxy S8 e S8 Plus (f/1.7), os iPhones 8 (f/1.8), 8 Plus e X (eles têm dual camera: f/1.8 e f/2.4) e os Google Pixel 2 e 2 XL (f/1.8).

Outra vantagem de aberturas maiores é mais velocidade para o obturador. Isso se traduz em mais precisão na captura de cenas em movimento, que podem ficar borradas caso o tempo de exposição seja longo demais. Com um clique mais rápido, fica mais fácil “congelar” a ação.

Profundidade de campo

Uma abertura de lente grande está também associada à capacidade de focar em uma área mais próxima. Esse campo de profundidade raso permite o isolamento do objeto principal da foto em relação ao fundo, resultando no efeito conhecido como modo retrato no iPhone, e bokeh em outros smartphones.

No entanto, as câmeras dos celulares têm limitações, quando comparadas aos equipamentos dedicados a este fim – câmeras DSLR, mirrorless e até compactas mais sofisticadas. Ao contrário desses dispositivos, nos telefones, a abertura é fixa, o sensor tem que ser pequeno e posicionado perto da lente, e o ângulo da lente costuma ser amplo. Portanto, a profundidade de campo nunca será tão rasa assim.

Fotos feitas com o modo retrato do iPhone 7 Plus  (Foto: Arte/TechTudo) Fotos feitas com o modo retrato do iPhone 7 Plus  (Foto: Arte/TechTudo)

Fotos feitas com o modo retrato do iPhone 7 Plus (Foto: Arte/TechTudo)

Se a foto é em close, os resultados são melhores. Mas o que a maioria das fabricantes faz hoje para atingir com mais eficácia o efeito que ressalta o primeiro plano das imagens é usar algum software ou combinar as informações de duas câmeras. Para confirmar esta tese basta observar a nova onda de smartphones com câmera dupla, também chamada de dual camera.

Outras especificações

A essa altura, já vimos que a abertura da lente é um fator essencial na determinação da qualidade de uma câmera. Entretanto, f-stop não é tudo. O sensor é mais uma parte da equação. Sensores maiores são capazes de registrar mais informações e, assim, produzir imagens superiores.

Tem também a própria lente. Caso o vidro com o qual ela é produzida tenha clareza ou transparência ruins, a luz que chega ao sensor é reduzida. Além disso, quanto maior a abertura, mais difícil de focar a luz. Se a lente não for de boa qualidade, as fotos podem apresentar distorções. A boa notícia é que fabricantes renomadas de lentes, como Carl Zeiss e a Leica, estão envolvidas no ramo dos smartphones.

Quanto à resolução, você só precisa de um valor enorme de megapixels caso tenha que dar um zoom muito grande nas fotografias ou caso pretenda imprimi-las em dimensões gigantes. Há fotógrafos que afirmam que ninguém precisa de mais que 16 megapixels.

No fim das contas, fotos excelentes são resultado de um equilíbrio entre a eficiência da tecnologia e o tamanho do sensor, a qualidade da lente e a medida da abertura. Fique de olho em todos estes aspectos quando for escolher seu próximo celular.

Cinco tópicos que devem ser analisados na hora de comprar celular

Cinco tópicos que devem ser analisados na hora de comprar celular

Com informações: Android Authority, New Atlas e Techwalls

Película de vidro pode atrapalhar a câmera frontal? Usuários trocam dicas no Fórum do TechTudo.

MAIS DO TechTudo