Por Filipe Garrett, para o TechTudo


O Windows Vista é considerado uma das maiores falhas da Microsoft. Embora tenha começado bem no mercado com lançamento em 30 de janeiro de 2007, o Vista foi duramente criticado por falta de compatibilidade com hardware, problemas de estabilidade e lentidão, além de introdução de recursos e novidades pouco explicadas ao usuário. O produto teve vida curta e a aposentadoria chegou em 2009, com a chegada do Windows 7.

Apesar de toda a fama negativa em torno dessa edição, o sistema teve um começo fortemente positivo, com 20 milhões de cópias vendidas apenas no primeiro mês e 180 milhões em apenas um ano, o dobro do querido Windows XP no mesmo período. A seguir, relembre alguns dos problemas do Vista que ajudaram a construir a má fama do sistema criado para revolucionar o Windows e os PCs.

Windows Vista teve começo positivo no mercado, mas acabou com má fama — Foto: Divulgação/Microsoft Windows Vista teve começo positivo no mercado, mas acabou com má fama — Foto: Divulgação/Microsoft

Windows Vista teve começo positivo no mercado, mas acabou com má fama — Foto: Divulgação/Microsoft

1. UAC

O UAC, sigla para Controle de Conta do Usuário (“User Account Control”, em inglês) foi uma boa iniciativa do Vista, mas não saiu como planejada. A ferramenta de segurança foi introduzida pela Microsoft para ajudar o usuário a identificar ameaças: toda vez que qualquer programa capaz de alterar o sistema era executado, o aviso disparava na tela com um pedido para confirmar a ação.

Pode parecer pouca coisa (sobretudo porque o recurso continuou no Windows 7, 8, 8.1 e 10 – menos intrusivo e numa frequência menor), mas a insistência dos alertas do UAC causaram irritação em usuários acostumados a simplesmente rodar o que queriam em seus computadores com o XP.

2. Especificações exageradas

Interface com efeitos gráficos do Windows Vista era pesada para computadores da época — Foto: Divulgação/Microsoft Interface com efeitos gráficos do Windows Vista era pesada para computadores da época — Foto: Divulgação/Microsoft

Interface com efeitos gráficos do Windows Vista era pesada para computadores da época — Foto: Divulgação/Microsoft

Quando foi lançado, o Windows Vista exigia computadores rápidos para funcionar, principalmente, por causa de algumas mudanças em relação ao XP: a interface gráfica Aero, com efeitos transparentes, era bem mais pesada e isso exigia uma placa de vídeo mais robusta. Outra diferença estava na forma como o Vista ocupava completamente a RAM do computador.

O grande problema aqui foi a insistência da Microsoft e fabricantes de PCs em usar o selo “Compatible with Windows Vista” em computadores novos que mal atingiam os requisitos mínimos do sistema operacional. Isso contribuiu para que o Vista ficasse conhecido como um sistema “lento” demais.

3. Incompatibilidade de drivers

Esse problema não é culpa total da Microsoft pois, cabe aos fabricantes providenciar drivers para os produtos. Mas é inegável que os incômodos causados pelos problemas de incompatibilidade recairam sobre o sistema. Afinal de contas, o computador funcionava perfeitamente com o XP e passou a apresentar problemas de reprodução de som ou placa de rede com o Windows Vista. Por isso, se tornou comum culpar o sistema operacional – ao invés do fabricante que deixou de produzir novos drivers para a própria placa de som ou de rede.

4. Upgrade forçado

Comparações com o XP tornavam os problemas do Vista ainda mais evidentes — Foto: Reprodução/Filipe Garrett Comparações com o XP tornavam os problemas do Vista ainda mais evidentes — Foto: Reprodução/Filipe Garrett

Comparações com o XP tornavam os problemas do Vista ainda mais evidentes — Foto: Reprodução/Filipe Garrett

Com o lançamento do Vista, vieram as primeiras análises e más notícias surgiram na imprensa. O consumidor naturalmente retornou para o estabelecido Windows XP – cuja comercialização, no entanto, a Microsoft tinha decidido interromper. O resultado foi o aborrecimento de diversos consumidores, que se sentiram forçados a usar um produto muito criticado. Principalmente porque a mesma desenvolvedora tinha uma opção mais interessante (o Windows XP), mas havia decudido torná-lo inacessível.

Entretanto, depois de uma série de reclamações e a volta dos usuários ao XP, a Microsoft decidiu estender o comércio do antecessor por mais seis meses.

5. O Windows XP era muito bom

Esse contraste com o XP nunca foi muito bom para o Vista que, apesar de ser mais moderno e com uma interface mais atraente para a época, não tinha os drivers mais usados, podia ser pesado para o seu computador e irritar usuários com o UAC. O XP, lançado em 2001, tinha àquela altura seis anos de atualizações, três grandes Service Packs, uma enorme biblioteca de aplicações e drivers, comunidade ativa de usuários com soluções para os seus problemas e funcionava para a maioria das pessoas de forma estável e eficiente.

6. Provocações da Apple

Uma das orientações do projeto que deu origem ao Vista era modernizar o Windows de forma a torná-lo atraente como o OS X, da Apple. O estilo mais "quadradão" do Windows XP tinha sido fonte de provocações da Apple em uma série de comerciais para TV , nos quais mostrava o usuário do Mac como jovem e descolado, enquanto os do XP eram vistos como retraídoa e sem graça.

Quando o Vista começou a se derreter no mercado, a Apple aproveitou para explorar o contraste entre seu sistema e os problemas do Vista, com o uso, inclusive, das janelas de confirmação do UAC como fonte de piadas - como no vídeo em que o PC precisa confirmar tudo que vem do Mac.

7. Estabilidade e lentidão

Windows Vista tinha performance inferior, medida em diversos benchmarks — Foto: Divulgação/Microsoft Windows Vista tinha performance inferior, medida em diversos benchmarks — Foto: Divulgação/Microsoft

Windows Vista tinha performance inferior, medida em diversos benchmarks — Foto: Divulgação/Microsoft

Caso os drivers usados não fossem próprios para a versão do sistema operacional, era bem possível encontrar problemas de funcionamento nos componentes e o sistema enfrentava travamentos. Em geral, grande parte dos problemas de estabilidade do Vista têm origem na ausência de drivers otimizados.

Outro aspecto marcante no Vista era a lentidão, sensação percebida em comparação com o antecessor ou o Linux. Isso não é necessariamente verdade, porque as especificações do seu computador no momento poderiam não ser ideais para o sistema.

Entretanto, uma série de benchmarks mostraram que o mesmo computador era mais rápido ao usar o XP que Vista, com a realização de uma série de tarefas comuns, como a descompactação de arquivos e o uso do Photoshop.

8. Consumo de recursos

Outro aspecto do sistema que causou revolta foi a utilização de um tipo de gerenciamento de recursos que evitava ociosidade, a partir de conceito lógico: uma grande porção de memória RAM ou de processador não ocupada é ruim pelo desperdício de energia. O Vista, portanto, buscava ocupar todo o espaço disponível, algo que sugeria para o usuário desatento uma sobrecarga constante do hardware pelo sistema operacional.

Como esse design não foi devida tamente explicado pela Microsoft, o Vista ficou popular por precisar de muita memória RAM para funcionar.

O Windows 10 é bom? Opine no Fórum do TechTudo.

MAIS DO TechTudo