Principais previsões sobre vírus para 2018 e como se proteger

O perigo pode chegar por links, mensagens, redes sem fio e até mesmo por inteligência artificial

Principais previsões sobre vírus para 2018 e como se proteger  Principais previsões sobre vírus para 2018 e como se proteger 
email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

Por Mirella Stivani, para o TechTudo, São Paulo

O ano de 2017 foi marcado por ataques cibernéticos que afetaram tanto empresas quanto usuários comuns. Um exemplo marcante foi o estrago causado pelo ransomware WannaCry, que se espalhou em alta velocidade e infectou milhares de máquinas em vários países. O vírus era capaz de sequestrar virtualmente aparelhos, cujo acesso era liberado apenas após o pagamento de uma determinada quantia aos hackers.

Segundo especialistas, o cenário não será muito diferente em 2018. Novos malwares serão criados para burlar sistemas de segurança e, como consequência, estes serão constantemente atualizados. Além de vírus inéditos, também é provável a reaplicação dos já conhecidos, pois o cidadão comum ainda é vítima fácil e, portanto, está sempre na mira do cibercrime. Veja a seguir previsões de grandes empresas de segurança para ataques virtuais em 2018 e como se proteger.

O que é ransomware: cinco dicas para se proteger

O que é ransomware: cinco dicas para se proteger

Falsas promoções e ofertas

Entre janeiro e fevereiro desse ano, vários golpes já se espalharam pelos celulares dos brasileiros via WhatsApp. Os criminosos se aproveitam do aplicativo de mensagens para enviar links maliciosos com promessas de promoções, brindes e até vagas de empregos.

Exemplo de golpe no WhatsApp que oferecia vagas operacionais na Cacau Show (Foto: Reprodução/Bruno Soares) Exemplo de golpe no WhatsApp que oferecia vagas operacionais na Cacau Show (Foto: Reprodução/Bruno Soares)

Exemplo de golpe no WhatsApp que oferecia vagas operacionais na Cacau Show (Foto: Reprodução/Bruno Soares)

Ao clicar nesses endereços, o telefone do usuário pode ser atacado de duas maneiras. Uma é através da instalação de um aplicativo malicioso que permite acesso a tudo que é digitado no celular, incluindo senhas e número do cartão de crédito. A outra forma ocorre pelo preenchimento de um formulário falso, aberto automaticamente na tela do celular depois de clicar no link suspeito. A vítima é, então, induzida a informar dados pessoais que podem ser vendidos ao mercado negro ou utilizados pelos próprios criminosos para invadir contas ou realizar ações fraudulentas. Vale ressaltar que o compartilhamento de endereços duvidosos se dá não apenas em mensageiros, mas também em e-mail e SMS.

WhatsApp: cinco dicas para usar o app com segurança

WhatsApp: cinco dicas para usar o app com segurança

Sinal de perigo nas redes sociais

Segundo um levantamento realizado pela empresa de segurança cibernética Airbus CyberSecurity, as redes sociais podem ser tornar um terreno fértil para ataques virtuais em 2018. Os hackers se aproveitam dessas plataformas para compartilhar malwares e fazer campanhas de phishing para atrair suas vítimas. O uso de links maliciosos também é a maneira mais comum de atingir os usuários.

Aumento de ransomware

A empresa dedicada a análise e defesa contra ameaças digitais TrendMicro concluiu em seu relatório que os ataques de ransomwares crescerão em 2018. Os alvos devem ser o banco de dados de escritórios e o servidor de empresas. A motivação por trás desses crimes é a mesma de ataques anteriores: sequestro de dados, bloqueio do funcionamento de máquinas e roubo de informações confidenciais.

Inteligência artificial

O relatório Looking ahead: Cyber Security 2018, produzido anualmente pela FireEye, mostra que empresas e governos têm buscado formas de responder mais rapidamente às ameaças. Contudo, isso não impede que novos ataques aconteçam, uma vez que eles se tornam cada vez mais sofisticados justamente para burlar as medidas de segurança recém-criadas.

Os ataques às empresas devem ficar cada vez mais sofisticados, como com o uso da inteligência artificial (Foto: Reprodução) Os ataques às empresas devem ficar cada vez mais sofisticados, como com o uso da inteligência artificial (Foto: Reprodução)

Os ataques às empresas devem ficar cada vez mais sofisticados, como com o uso da inteligência artificial (Foto: Reprodução)

Há uma grande possibilidade de que, já em 2018, a inteligência artificial seja usada para criar o cyberataques em grande escala. Isso pode acontecer devido à facilidade de acesso a hardwares poderosos, oferecidos por preços cada vez menores. Segundo especialistas em segurança, as medidas mais efetivas ainda são o backup de dados automático e a habilitação de verificação em duas etapas em todos os sistemas e contas de usuários. Entretanto, caso o ataque aconteça mesmo assim, a dica é sempre pedir ajuda de profissionais de TI habilitados, para evitar o máximo possível que os vírus, malwares e cavalos de tróia se propaguem.

Como se proteger

Segundo o levantamento das principais empresas de segurança virtual, como a ESET, Avast, TrendMicro, Kaspersky e Easy Solutions, tudo indica que os ataques a usuários comuns não devem diminuir em 2018. A Copa do Mundo e as eleições são temas podem servir de isca para os links maliciosos.

Barrar todos os ataques não é possível ainda, mas, com alguns cuidados, pode-se evitar que sejam bem-sucedidos. Veja algumas dicas para que evitar os golpes na Internet:

  • O usuário deve sempre desconfiar de links recebidos, mesmo que tenha sido enviado por um conhecido. Nunca clicar em links de e-mails suspeitos, banners ou acessar sites de origem duvidosa;
  • Ao visitar um banco online ou uma loja de varejo, digitar manualmente o URL em vez de clicar em um link;
  • Ter sempre um antivírus em todos os dispositivos, incluindo o roteador, para evitar a invasão às redes sem fio;
  • Não autorizar as notificações em qualquer site;
  • Trocar todas as senhas periodicamente, seja do e-mail, Wi-Fi, redes sociais etc. E usar combinações diferentes para cada, não a mesma para todas as contas;
  • Ao usar uma rede pública de internet sem fio, caso apareça um aviso que a conexão não é segura, evitar usá-la, principalmente se for digitar senhas ou dados pessoais.

Arquivo hbpix é virus? Como se livrar? Descubra no Fórum do TechTudo.

MAIS DO TechTudo