Por Filipe Garrett, para o TechTudo

email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

O próximo sistema operacional da Microsoft será Linux. Batizada de "Azure Sphere OS", a nova plataforma será exclusiva para dispositivos IoT e, ao contrário de iniciativas anteriores da marca (como o Windows 10 IoT), usará o núcleo do Linux como base. Na prática, o Azure Sphere é a primeira distribuição Linux criada pela empresa norte-americana.

A decisão é mais um capítulo de uma reaproximação que começou com iniciativas de código aberto da Microsoft e a chegada de diversas distribuições Linux à Microsoft Store. Isso não significa, porém, que você poderá instalar um Linux da Microsoft no seu computador.

Plataforma Azure Sphere é a nova iniciativa da Microsoft entre dispositivos IoT — Foto: Divulgação/Microsoft Plataforma Azure Sphere é a nova iniciativa da Microsoft entre dispositivos IoT — Foto: Divulgação/Microsoft

Plataforma Azure Sphere é a nova iniciativa da Microsoft entre dispositivos IoT — Foto: Divulgação/Microsoft

O Linux da Microsoft será bastante especializado e deve ser destinado para rodar no interior de placas e chips nomeados "Azure Sphere" pela desenvolvedora. A plataforma foi desenvolvida para uso em dispositivos IoT de baixo consumo de energia e poder de processamento, como lâmpadas e campanhias.

De acordo com o blog oficial da Microsoft, algumas questões foram importantes para a escolha do Linux no novo projeto. A primeira delas é a segurança. Os chips Azure Sphere são compatíveis com dispositivos que contam com raras atualizações de software. Portanto, usar Linux pode garantir maior proteção contra ataques de hackers e infecções de malwares que, em geral, focam-se em vulnerabilidades específicas do Windows.

Outro ponto que ajuda a explicar a iniciativa de não usar o Windows IoT está nas exigências de hardware desse sistema. Chips Azure Sphere terão capacidade de processamento em média 100 vezes menor do que produtos que rodam o Windows IoT. Como o Linux é mais maleável e pode combinar melhor com hardware menos poderoso, o sistema "rival" é uma opção mais indicada para os pequenos controladores Azure Sphere.

Os novos componentes IoT da Microsoft têm processadores com modestos 500 MHz de velocidade, além de conectividade Wi-Fi e alguns recursos de conectividade extra, dependendo da situação. A intenção da empresa é que os produtos Azure Sphere sejam escolhidos por fabricantes em dispositivos conectados simples, como lâmpadas, campainhas, termostatos e outros acessórios destinados ao uso em casas inteligentes e totalmente conectadas.

MAIS DO TechTudo