Por Filipe Garrett, para o TechTudo


Uma nova técnica de manipulação de elétrons pode deixar computadores quânticos mais rápidos. Pesquisadores da Universidade de Ratisbona, na Alemanha, e da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, demonstraram em laboratório uma tecnologia que permite mudar o estado de elétrons em frequências que são um milhão de vezes mais velozes do que os sistemas eletrônicos atuais.

Divulgado no início deste mês, o experimento envolveu a aplicação de um raio laser infravermelho sobre uma camada de material semicondutor, similar ao que é usado atualmente na indústria.

Computadores quânticos atuais - como o IBM da foto - precisam de temperaturas muito baixas para funcionar; pesquisa mostra solução para o problema — Foto: Divulgação/IBM Computadores quânticos atuais - como o IBM da foto - precisam de temperaturas muito baixas para funcionar; pesquisa mostra solução para o problema — Foto: Divulgação/IBM

Computadores quânticos atuais - como o IBM da foto - precisam de temperaturas muito baixas para funcionar; pesquisa mostra solução para o problema — Foto: Divulgação/IBM

De acordo com os pesquisadores, é possível que a novidade seja aplicada no futuro para a criação de dispositivos de processamento quântico extremamente portáteis. Isso porque o material pode ser confeccionado com relativa facilidade, tem baixa espessura e – mais importante – pode, inclusive, funcionar em temperatura ambiente.

Mais do que uma possibilidade para computadores eletrônicos do futuro, o estudo também é uma estratégia viável para se abordar algumas das limitações da computação quântica. Máquinas quânticas atuais, como sistemas desenvolvidos pela D-Wave, IBM e Microsoft, costumam depender de estruturas mantidas a temperaturas inferiores ao do espaço interestelar (ou -273° Celsius) para funcionar corretamente. A exigência representa custos altos de desenvolvimento, fabricação e manutenção desse tipo de equipamento.

Qualquer oscilação de temperatura pode comprometer o funcionamento do computador quântico, corromper dados e inutilizar o processamento realizado.

A pesquisa desenvolvida nas instituições da Alemanha e dos EUA mostra que é possível ler o estado dos circuitos quânticos e realizar o processamento de informações antes que a temperatura suba e comprometa as informações. Mais importante ainda, por usar disparos curtos de laser, os cientistas mostraram que um sistema quântico independente de baixas temperaturas é viável.

Via Physorg

MAIS DO TechTudo