Por Bruno De Blasi e Thássius Veloso, da redação

email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

O WhatsApp anunciou a primeira iniciativa para combater as fake news: o mensageiro irá oferecer 20 bolsas de US$ 50 mil (cerca de R$ 195 mil, em conversão direta) para estudos que busquem evitar a proliferação de boatos. A informação foi divulgada pelo jornal O Estado de São Paulo nesta terça-feira (3) e confirmada pelo TechTudo.

O incentivo será concedido a pesquisadores que busquem compreender o fenômeno e para encontrar alternativas que impeçam a distribuição dessas mensagens, sem prejudicar a privacidade dos usuários. Entre as maiores preocupações estão as falsificações que envolvem saúde e eleições.

WhatsApp é usado por 120 milhões de brasileiros — Foto: Thássius Veloso / TechTudo WhatsApp é usado por 120 milhões de brasileiros — Foto: Thássius Veloso / TechTudo

WhatsApp é usado por 120 milhões de brasileiros — Foto: Thássius Veloso / TechTudo

Pesquisadores interessados em participar do programa de bolsas devem enviar ideias até 12 de agosto. São cinco os pilares para os estudos, conforme divulgou o mensageiro:

  1. Processamento de informações de conteúdo problemático.
  2. Informações relativas a eleições.
  3. Efeitos de rede e viralidade.
  4. Detecção de comportamento problemático em sistemas criptografados.
  5. Detecção de comportamento problemático em sistemas criptografados

Site oficial cita desinformação como alvo das pesquisas científicas — Foto: Reprodução / TechTudo Site oficial cita desinformação como alvo das pesquisas científicas — Foto: Reprodução / TechTudo

Site oficial cita desinformação como alvo das pesquisas científicas — Foto: Reprodução / TechTudo

A empresa destaca que nenhum dado de usuários de WhatsApp será compartilhado com pesquisadores. A documentação também esclarece que “todos os dados gerados pelas pesquisas serão propriedade intelectual dos pesquisadores e não precisam ser compartilhados com o WhatsApp”.

O mensageiro vem buscando alternativas para evitar o fenômeno das fake news. No começo de junho, a versão experimental (Beta) do app para Android ganhou um indicador de mensagens compartilhadas. O rótulo "Encaminhada" indica que o texto não foi escrito pela pessoa que o está repassando.

Edição experimental do WhatsApp (Android) já mostra quando mensagem é encaminhada — Foto: Paulo Alves / TechTudo Edição experimental do WhatsApp (Android) já mostra quando mensagem é encaminhada — Foto: Paulo Alves / TechTudo

Edição experimental do WhatsApp (Android) já mostra quando mensagem é encaminhada — Foto: Paulo Alves / TechTudo

Um dos entraves para a checagem de notícias no WhatsApp é a criptografia de ponta a ponta. Em funcionamento desde abril de 2016, o recurso impede que as mensagens de usuários sejam lidas por pessoas que não estejam participando das conversas. Atualmente, todas as contas cadastradas no serviço já contam com a tecnologia.

Aplicativo de mensagens mais utilizado do Brasil, com 120 milhões de usuários no país, o WhatsApp enfrenta problemas com a disseminação de boatos. Em estudo inédito pelo Monitor do Debate Político no Meio Digital da Universidade de São Paulo (USP), 1.145 pessoas entre 2.520 entrevistados (51%) alegaram ter recebido notícias falsas sobre a morte da vereadora Marielle Franco, em março.

Com informações: WhatsApp.com, O Estado de São Paulo e G1

WhatsApp: como avisar aos amigos sobre mudança de número de celular

WhatsApp: como avisar aos amigos sobre mudança de número de celular

MAIS DO TechTudo