Por Bruno Magalhães, para o TechTudo

Bloodborne e God of War: veja os 8 jogos mais difíceis para PS4 Bloodborne e God of War: veja os 8 jogos mais difíceis para PS4

O PS4 é palco de jogos considerados extremamente difíceis. Games como Dark Souls e Bloodborne são nomes conhecidos entre jogadores que buscam desafios com a dificuldade elevada. Alguns títulos que, mesmo com previsão de lançamento para o próximo ano, já são conhecidos por serem desafiadores — tais como SEKIRO: Shadows Die Twice, da mesma produtora de Dark Souls, e Devil May Cry 5, próximo capítulo da franquia da Capcom que é conhecida por oferecer níveis de dificuldade extremamente desafiadores.

Para atestar que o mercado ainda tem espaço para títulos que fazem o jogador suar e perder a paciência, o TechTudo reuniu a seguir oito jogos para PS4 que são difíceis por natureza ou que apresentam modalidades capazes de tornar suas experiências muito mais tempestuosas.

God of War

God of War, o mais recente jogo da franquia da Santa Monica Studio carrega várias diferenças na sua perspectiva de jogabilidade e na progressão narrativa, mas continua fiel ao nível de dificuldade intenso dependendo do modo selecionado pelo jogador.

God of War do PS4 reimagina franquia e apresenta grandes desafios — Foto: Divulgação/Santa Monica Studio God of War do PS4 reimagina franquia e apresenta grandes desafios — Foto: Divulgação/Santa Monica Studio

God of War do PS4 reimagina franquia e apresenta grandes desafios — Foto: Divulgação/Santa Monica Studio

O novo sistema de combate, que remete a jogos como Bloodborne, deixa o jogador muito mais sobre o controle da dinâmica dos conflitos e faz com que as esquivas e as defesas nos momentos exatos sejam muito importantes para abrir a guarda dos oponentes e evitar ataques fatais — até mesmo os inimigos mais simples podem matar de primeira na dificuldade mais difícil, ainda mais se estiverem em bando.

God of War - Review

God of War - Review

O jogador deve permanecer atento a tudo que estiver à sua volta, principalmente conforme novos tipos de inimigos, que contam com magias à distância ou armaduras resistentes, começam a surgir no caminho.

Mega Man 11

Mega Man é uma franquia conhecida pelo seu level design punitivo e repleto de armadilhas para induzir o erro do jogador. O recém-lançado Mega Man 11, que tem o objetivo de revitalizar a franquia do mascote da Capcom, manteve-se fiel à estrutura da série, mas agora apresenta estágios mais longos e com sub-chefes que prometem dar muita dor de cabeça aos jogadores com os seus padrões de ataques.

Mega Man 11 resgata saltos friamente calculados e múltiplos ataques simultâneos de inimigos — Foto: Divulgação/Capcom Mega Man 11 resgata saltos friamente calculados e múltiplos ataques simultâneos de inimigos — Foto: Divulgação/Capcom

Mega Man 11 resgata saltos friamente calculados e múltiplos ataques simultâneos de inimigos — Foto: Divulgação/Capcom

Mesmo com a adição do sistema de Double Gear, que pode tanto diminuir a velocidade do tempo como também aumentar o dano dos tiros de Mega Man, o jogo exige muita paciência e precisão nos momentos de plataforma e para desviar dos múltiplos disparos inimigos. Se o jogador decidir apressar o passo, há grandes chances de ele cair em abismos e levar dano contínuo até o Game Over.

O modo mais difícil do jogo, chamado de Superhero mode, faz com que o jogador receba mais dano, aumenta a vida dos inimigos e remove todos os itens de recarga de vida e de arma do cenário. Além do mais, os chefes têm padrões de ataques muito mais acelerados e assustadores, garantindo muito desafio aos fãs de longa data e favorecendo o fator replay.

Bloodborne

Carregando o legado construído pela From Software com Dark Souls, Bloodborne também é um jogo de ação com elementos de RPG que prima pela esquiva e pela defesa nos momentos certeiros. Logo de início, o jogo obriga o jogador a explorar um ambiente obscuro, desconhecido e nada convidativo, sem indicativos claros do que deve ser feito. É preciso enfrentar hordas de inimigos e chefes colossais antes que seja possível entender o que está acontecendo, pegando de surpresa todos os desavisados.

Bloodborne surpreendeu os fãs de Dark Souls e está entre os jogos prediletos do gênero — Foto: Divulgação/From Software Bloodborne surpreendeu os fãs de Dark Souls e está entre os jogos prediletos do gênero — Foto: Divulgação/From Software

Bloodborne surpreendeu os fãs de Dark Souls e está entre os jogos prediletos do gênero — Foto: Divulgação/From Software

Isso significa que Bloodborne exige cautela e que dificilmente o jogador será capaz de otimizar seu personagem ou seguir pelas melhores rotas em uma primeira jogatina. Os inimigos também têm padrões de ataque construídos para surpreender os visitantes de primeira viagem, o que o caracteriza como um jogo punitivo do início ao fim.

NieR: Automata

NieR: Automata é um dos mais recentes trunfos da PlatinumGames, empresa que também foi responsável por Vanquish e Bayonetta. O jogo conta com um sistema de combate dinâmico que remete aos demais hack 'n’ slash produzidos pela companhia, com vários combos aéreos e combinações de armas à escolha do jogador, mas ele também mescla sessões de Bullet Hell com disparos fatais de inimigos por todas as direções.

Além dos combates corpo a corpo, NieR: Automata também é composto por sessões de Bullet Hell — Foto: Divulgação/PlatinumGames Além dos combates corpo a corpo, NieR: Automata também é composto por sessões de Bullet Hell — Foto: Divulgação/PlatinumGames

Além dos combates corpo a corpo, NieR: Automata também é composto por sessões de Bullet Hell — Foto: Divulgação/PlatinumGames

Dominar a esquiva é uma das principais obrigações impostas pelo jogo, sobretudo aos que quiserem se aventurar nos níveis de dificuldade mais avançados. Mesmo com uma boa desenvoltura na movimentação, a quantidade de inimigos simultâneos é um grande desafio mesmo para os jogadores mais experientes. Sob essas circunstâncias, os inimigos mais simples são capazes de causar dano massivo e eles ficam muito resistentes dependendo do nível de experiência que tiverem, obrigando o jogador a se aventurar pelo mundo aberto e destruir múltiplas máquinas para tentar balancear os combates.

Os chefes que são encontrados durante a história protagonizam momentos de altíssima tensão, pois eles costumam ser gigantes e muito poderosos, com ataques que também são capazes de acabar com a barra de vida do jogador em um piscar de olhos.

Hatsune Miku: Project DIVA Future Tone DX

Os jogos musicais de ritmo eram uma febre na última década, mas eles não fazem mais tanto sucesso e muitas franquias simplesmente desapareceram. Apesar disso, Hatsune Miku: Project DIVA Future Tone DX, o mais recente título de uma das novas mascotes adotadas pela SEGA, representa um ar de alívio aos fãs do gênero e entrega diferentes níveis de dificuldade para torná-lo convidativo a todos os perfis de jogadores.

Hatsune Miku: Project DIVA Future Tone DX é o melhor do gênero de ritmo na atual geração — Foto: Divulgação/SEGA Hatsune Miku: Project DIVA Future Tone DX é o melhor do gênero de ritmo na atual geração — Foto: Divulgação/SEGA

Hatsune Miku: Project DIVA Future Tone DX é o melhor do gênero de ritmo na atual geração — Foto: Divulgação/SEGA

Enquanto os níveis mais simples se limitam a usar dois botões de notas musicais, os níveis mais difíceis usam quatro botões e ainda exibe combinações destes e outros comandos especiais, que usam o touch pad do controle do PlayStation 4, os analógicos ou os botões de ombro dependendo das preferências dos jogadores. O repertório de músicas da cantora virtual Hatsune Miku é composto também por canções com uma velocidade muito elevada e notas podem ser perdidas com um mísero desviar de olhar.

As sequências de notas que surgem na tela não seguem uma linha linear como acontece em jogos como Guitar Hero ou Rock Band: elas se posicionam por toda a tela e o jogador é obrigado a acompanhar o caminho que elas fazem ao surgir para saber o momento exato em que cada uma deve ser pressionada. Isso significa que também há obstáculos visuais que colaboram para a dificuldade do jogo.

Nioh

A Team Ninja carrega um histórico de jogos desafiadores que é marcado sobretudo pela franquia Ninja Gaiden. Nioh faz jus a esse legado, emprestando elementos dos jogos da From Software para oferecer um combate responsivo e punitivo — além de conter uma ampla listagem de itens que afetam diretamente os status do personagem principal ou com atribuições elementais que podem ou não ser a fraqueza dos inimigos que aparecerem durante a jornada.

Nioh é um jogo de samurai punitivo, mas com uma curva de aprendizado palpável — Foto: Divulgação/Team Ninja Nioh é um jogo de samurai punitivo, mas com uma curva de aprendizado palpável — Foto: Divulgação/Team Ninja

Nioh é um jogo de samurai punitivo, mas com uma curva de aprendizado palpável — Foto: Divulgação/Team Ninja

Em comparação a Dark Souls, Nioh apresenta uma curva de aprendizagem mais palpávele se torna mais fácil conforme as mecânicas de combate são dominadas e o jogador se acostuma com o ritmo do jogo, mas ele apresenta chefes com diferentes padrões de ataque que podem dar muita dor de cabeça nas primeiras tentativas.

Um modo New Game Plus também faz parte da experiência de Nioh e recompensas cada vez melhores são conquistadas ao repetir as missões com um nível de dificuldade maior. O fato de o jogador estar melhor equipado não significa necessariamente que a jornada será mais fácil, mas será um motivador para revisitar os perigos do jogo.

Dead Cells

Dead Cells é uma produção independente que chamou a atenção dos jogadores que buscam games desafiadores. O jogo segue o estilo de ação e plataforma inspirado em Castlevania, oferecendo um cenário vasto e que está sempre sofrendo mudanças conforme a progressão.

Dead Cells tem chefes colossais e inimigos com padrões de ataque que devem ser estudados — Foto: Divulgação/Motion Twin Dead Cells tem chefes colossais e inimigos com padrões de ataque que devem ser estudados — Foto: Divulgação/Motion Twin

Dead Cells tem chefes colossais e inimigos com padrões de ataque que devem ser estudados — Foto: Divulgação/Motion Twin

O grande ponto aqui, no entanto, é que a morte é permanente. Uma vez que a vida é perdida, o jogador não tem o privilégio do checkpoint, botando em prática o mantra de Dead Cells: "mate, morra, aprenda e repita".

O jogo também busca inspiração em características de Dark Souls, já que os chefes e os inimigos corriqueiros têm padrões de ataque punitivos — embora reconhecíveis — e a mecânica de rolar no chão também se faz presente e é muito útil. O cenário também apresenta rotas alternativas, salas secretas e muito mais não somente com a progressão do jogador, mas também a cada morte sofrida. Isso significa que a experiência se renova constantemente e faz com que novos perigos sejam iminentes.

Crash Bandicoot: N. Sane Trilogy

A trilogia original de Crash Bandicoot fez muitos fãs perderem a cabeça na época do PlayStation original e isso não é muito diferente com N. Sane Trilogy, que consiste no remake dos três jogos da série para o PlayStation 4. O jogo de plataforma continua exigindo precisão nos saltos e no momento para atacar os inimigos — que, embora carismáticos, são uma verdadeira pedra no sapato quando estão posicionados estrategicamente para atrapalhar a movimentação do jogador.

Crash Bandicoot N. Sane Trilogy resgata clássico da Naughty Dog em sua melhor forma — do carisma à dificuldade — Foto: Divulgação/Activision Crash Bandicoot N. Sane Trilogy resgata clássico da Naughty Dog em sua melhor forma — do carisma à dificuldade — Foto: Divulgação/Activision

Crash Bandicoot N. Sane Trilogy resgata clássico da Naughty Dog em sua melhor forma — do carisma à dificuldade — Foto: Divulgação/Activision

A tarefa fica ainda mais complicada caso haja o desejo de destruir todas as caixas espalhadas pelo cenário e adquirir todos os coletáveis e bônus das partidas. Há mundos com mecânicas únicas que, além de tornar o jogo mais divertido, carregam desafios únicos que devem ser superados com muita calma, pois, como todo bom jogo de plataforma com um bom level design, a pressa é inimiga da perfeição.

MAIS DO TechTudo