Por Taysa Coelho, para o TechTudo


Empresas chinesas estão se voltando contra a norte-americana Apple a fim de apoiar a conterrânea Huawei. O boicote teria se iniciado após a proibição do uso de produtos e serviços da marca pelas agências do governo dos Estados Unidos e teria ganhado mais força com a prisão da diretora financeira, Wanzhou Meng.

De acordo com a reportagem do Nikkei Asia Review, há desde companhias oferecendo incentivos para que os funcionários troquem seus aparelhos até empresas que ameaçam cortar benefícios ou mesmo demiti-los caso não colaborem com a causa.

Huawei Honor Play exibido em feira — Foto: Anna Kellen Bull / TechTudo Huawei Honor Play exibido em feira — Foto: Anna Kellen Bull / TechTudo

Huawei Honor Play exibido em feira — Foto: Anna Kellen Bull / TechTudo

De acordo com o veículo, o movimento tem abrangido diferentes setores, desde fornecedores de tecnologia até empresas de alimentos. Além disso, cerca de 20 companhias foram às redes sociais anunciar que aumentarão as compras de produtos da Huawei.

Muitas empresas afirmaram que darão subsídios aos funcionários. A maioria estaria disposta a arcar com entre 10% a 20% do valor de um novo smartphone, mas haveria algumas oferecendo até mesmo celular de graça. Seria o caso da Shanghai Youluoke, firma de eletrônicos e tecnologia que estaria subsidiando totalmente até dois celulares da marca chinesa por colaborador.

Já a Shenzhen Yidaheng Technology deve cobrir 18% do preço de aparelhos da Huawei ou da ZTE, enquanto a Fuchun Technology anunciou o reembolso de até 500 yuans (cerca de R$ 283) aos seus empregados que comprarem aparelhos da Huawei até o final de 2018. A reportagem destaca ainda uma cervejaria, na província de Henan, que oferece gratuitamente 30% do valor do aparelho em bebidas alcoólicas a clientes que apresentam recibo de compras de um dispositivo da marca de telecomunicação.

Nova 4 tem tela com furo para câmera de selfies e câmera tripla liderada por sensor de 48 megapixels — Foto: Divulgação/Huawei Nova 4 tem tela com furo para câmera de selfies e câmera tripla liderada por sensor de 48 megapixels — Foto: Divulgação/Huawei

Nova 4 tem tela com furo para câmera de selfies e câmera tripla liderada por sensor de 48 megapixels — Foto: Divulgação/Huawei

Mas não só boas ações que fazem parte dessa rede de apoio. O Nikkei Asia Review relata também que um fabricante de máquinas em Shenzhen ameaçou confiscar dispositivos da Apple de funcionários e demitir aqueles que não colaborassem com a decisão.

Já a empresa de tecnologia Menpad teria prometido punir os funcionários que compram produtos da maçã, enquanto Shenzhen Yidaheng Technology teria afirmado que multaria os empregados a um valor equivalente ao preço dos aparelhos norte-americanos.

Entenda a crise da Huawei

Em agosto deste ano, o presidente americano Donald Trump assinou uma lei que proíbe agências do governo de usar produtos e serviços da Huawei e da rival chinesa ZTE. O político alegava preocupações com segurança, uma vez que as marcas tinham o intuito de participar da implementação de infraestrutura para a rede de internet móvel 5G. O temor seria que a fabricante fosse obrigada pelo governo chinês a revelar segredos industriais e informações de terceiros.

Logo em seguida, Nova Zelândia e Austrália também proibiram o uso de tecnologia e equipamentos da Huawei. Para agravar o problema, em dezembro, Wanzhou Meng, diretora financeira e filha do fundador do grupo de telecomunicações, foi presa no Canadá sob acusação de violar sanções norte-americanas ao Irã, ao realizar negócios com o país.

O Ministério das Relações Exteriores da China e a própria marca classificaram a prisão como injusta. Já o Partido Comunista incentivou o apoio de outras empresas à fabricante local, o que pode ter desencadeado o movimento de boicote.

Relembre os celulares que marcaram 2018

Relembre os celulares que marcaram 2018

MAIS DO TechTudo