Por Raquel Freire, para o TechTudo


A resistência à água está disponível em grande parte dos celulares modernos. O recurso é essencial para evitar acidentes e está disponível em smartphones como o iPhone XS e Galaxy S9, entre outros. Ainda assim, há limites de acordo com as especificações da fabricante e a certificação IP, que devem ser observados para evitar problemas, mal funcionamento dos dispositivos e trazer possíveis riscos aos usuários. Confira, a seguir, seis coisas que não devem ser feitas com aparelhos resistentes à água.

Veja o que você não pode fazer com seu celular com resistência à água — Foto: Luciana Maline/TechTudo Veja o que você não pode fazer com seu celular com resistência à água — Foto: Luciana Maline/TechTudo

Veja o que você não pode fazer com seu celular com resistência à água — Foto: Luciana Maline/TechTudo

1. Descer a uma profundidade maior do que a especificada

O que faz um celular resistir à água são os sistemas de vedação colocados no interior do aparelho para impedir que o líquido chegue aos circuitos internos. Acontece que, quanto mais fundo, maior a pressão da água. Isso significa que esses lacres podem se romper ao descer a uma profundidade maior do que a especificada, pois não foram projetados para suportar uma pressão tão grande.

Como consertar celular que caiu na água

Como consertar celular que caiu na água

2. Permanecer mais tempo do que estabelecido

Assim como a profundidade, o tempo não aparece nas recomendações da fabricante por acaso. Deixar o aparelho submerso por um período maior do que o especificado na ficha técnica pode amolecer os componentes responsáveis pela vedação. Com isso, eles deixam de bloquear a água e perdem a resistência inicial.

É preciso respeitar o tempo máximo de submersão na água indicado pela fabricante do celular — Foto:  Carol Danelli/TechTudo É preciso respeitar o tempo máximo de submersão na água indicado pela fabricante do celular — Foto:  Carol Danelli/TechTudo

É preciso respeitar o tempo máximo de submersão na água indicado pela fabricante do celular — Foto: Carol Danelli/TechTudo

3. Nadar com o celular

Nadar com o celular também não é uma boa ideia. O movimento rápido pode fazer com que a barreira de proteção seja rompida, fazendo com que a água entre pelas portas. Ao mergulhar o smartphone, o ideal é mantê-lo relativamente parado.

Nadar com o celular pode causar abertura ou rompimento das vedações de água  — Foto: Nicolly Vimercate/TechTudo Nadar com o celular pode causar abertura ou rompimento das vedações de água  — Foto: Nicolly Vimercate/TechTudo

Nadar com o celular pode causar abertura ou rompimento das vedações de água — Foto: Nicolly Vimercate/TechTudo

4. Lavar com sabão

Diversos componentes químicos presentes no sabão em barra, detergente líquido, limpador multiuso e outros produtos de limpeza são abrasivos. Isso pode fazer com que as borrachas e outros mecanismos de vedação sejam danificados, vazando água para dentro do celular.

O uso pontual de sabão pode não estragar o smartphone de imediato – nos testes do TechTudo, por exemplo, os aparelhos nunca foram danificados ao entrar em contato com sabão. No entanto, o uso frequente de materiais abrasivos vão progressivamente tornar as barreiras menos eficientes.

Não use sabão nem qualquer produto de limpeza em celular resistente à água  — Foto: Luciana Maline/TechTudo Não use sabão nem qualquer produto de limpeza em celular resistente à água  — Foto: Luciana Maline/TechTudo

Não use sabão nem qualquer produto de limpeza em celular resistente à água — Foto: Luciana Maline/TechTudo

5. Colocar em contato com outros líquidos

Os celulares com proteção à água oferecem resistência apenas à água. Outros líquidos, como chás, vinhos e refrigerantes, devem ficar longe do smartphone, especialmente se forem alcoólicos. Eles não são incluídos nos testes para emissão da certificação IP, por exemplo.

A exceção fica por conta do iPhone XS e iPhone XS Max. A Apple se aproveita da nova característica em materiais promocionais e, segundo o site especializado Cnet, os smartphones sobreviveram a todos esses líquidos, ainda que não estejam previstos no certificado IP68 do dispositivo.

iPhone XS em teste com vinho — Foto: Reprodução/Cnet iPhone XS em teste com vinho — Foto: Reprodução/Cnet

iPhone XS em teste com vinho — Foto: Reprodução/Cnet

6. Deixar submerso em água salgada

O sal da água, assim como o cloro de piscina, pode corroer as tampas de borracha e selos que protegem o celular. Mesmo que seja em quantidades mínimas, o líquido pode chegar aos circuitos e enferrujá-los.

Resistência à água de celulares não inclui água salgada ou com cloro — Foto: Carol Danelli/TechTudo Resistência à água de celulares não inclui água salgada ou com cloro — Foto: Carol Danelli/TechTudo

Resistência à água de celulares não inclui água salgada ou com cloro — Foto: Carol Danelli/TechTudo

MAIS DO TechTudo