Por Bruna Telles, para o Techtudo


Overwatch é um jogo competitivo para PC, PlayStation 4 (PS4) e Xbox One. As equipas de campeonatos profissionais, como a Overwatch League, montam composições de times que, pouco tempo depois, são reproduzidas por jogadores nas filas ranqueadas. Este é o caso das formações Dive e GOATS. Conheça, a seguir, como elas funcionam e entenda o uso delas no jogo de tiro da Blizzard.

Dive

Em Overwatch, Genji é um dos heróis centrais da composição Dive pela mobilidade e potencial ofensivo — Foto: Divulgação/Blizzard Em Overwatch, Genji é um dos heróis centrais da composição Dive pela mobilidade e potencial ofensivo — Foto: Divulgação/Blizzard

Em Overwatch, Genji é um dos heróis centrais da composição Dive pela mobilidade e potencial ofensivo — Foto: Divulgação/Blizzard

O Dive (Mergulho, em inglês) tem sido sucesso desde o beta de Overwatch e apareceu em quase todas as partidas dos primeiros estágios da Overwatch League. A popularidade é resultado da simplicidade e utilidade da composição, pois pode ser utilizada em qualquer mapa. No Dive, o time entra no território inimigo de forma bastante ofensiva, concentrando-se em um único alvo para garantir a primeira eliminação.

O principais heróis utilizados no Dive são: Winston, D.va, Genji e Tracer. Quanto aos suportes, embora Zenyatta e Lúcio sejam os mais presentes, qualquer suporte pode ser utilizado numa composição de Dive, mudando apenas o estilo. Aproveitando a mobilidade dos quatro jogadores principais, o time pode:

  • Atacar de uma posição elevada;
  • Circular um objetivo, para bloquear o avanço inimigo (sem receber dano);
  • Voltar ao posicionamento original rapidamente.

Winston é um dos tanques que mais marca presença em composições Dive de Overwatch — Foto: Divulgação/Blizzard Winston é um dos tanques que mais marca presença em composições Dive de Overwatch — Foto: Divulgação/Blizzard

Winston é um dos tanques que mais marca presença em composições Dive de Overwatch — Foto: Divulgação/Blizzard

O Dive pode ainda passar de passivo para agressivo rapidamente. Devido ao foco em um único alvo, quanto mais rápido a equipe puder atacar, mais depressa ela poderá tomar decisões para punir pequenos erros. O estilo de jogo também é bastante efetivo na hora de escapar da equipe inimiga.

Os alvos mais comuns de uma composição de Dive são os suportes de baixa mobilidade, como Zenyatta. Entretanto, contra determinadas composições, heróis como Soldado: 76, McCree e Zarya são alvos de alta prioridade.

GOATS

Reinhardt e Brigitte são extremamente importantes dentro de uma composição GOATS em Overwatch — Foto: Reprodução/GamerCrate Reinhardt e Brigitte são extremamente importantes dentro de uma composição GOATS em Overwatch — Foto: Reprodução/GamerCrate

Reinhardt e Brigitte são extremamente importantes dentro de uma composição GOATS em Overwatch — Foto: Reprodução/GamerCrate

A composição GOATS tem um traço marcante: a ausência de heróis DPS no elenco. A origem vem do time norte americano de mesmo nome, que utilizou a estratégia na final da Season 4 do BEAT Invitational em 2018, vencendo a NRG por 3-0. Assim, fãs e jogadores profissionais apelidaram a composição com o nome da equipe.

O princípio básico do GOATS é intimidar o time adversário com heróis resistentes e capazes de realizar cura em área de efeito. Assim, o time se divide em três tanques (Reinhardt, Zarya, Roadhog ou D.Va) e três suportes (Moira, Lucio e Brigitte). Por conta do curto alcance das habilidades, para uma composição GOATS funcionar é preciso que o time fique unido, de forma a impedir a investida do time adversário.

Pelas habilidades de cura em área, Moira é o elemento chave numa composição GOATS de Overwatch — Foto: Divulgação/Blizzard Pelas habilidades de cura em área, Moira é o elemento chave numa composição GOATS de Overwatch — Foto: Divulgação/Blizzard

Pelas habilidades de cura em área, Moira é o elemento chave numa composição GOATS de Overwatch — Foto: Divulgação/Blizzard

Para isso, uma luta pode ser forçada de duas formas: em um confronto direto, ou contestando um ponto do mapa, forçando a aproximação adversária. Um ponto chave do GOATS é encontrar uma forma de manipular o posicionamento do time adversário, até que ele entre no alcance dos ataques do time. Tudo isso sem perder companheiros no meio do processo.

Devido a estrutura, composições GOATS são mais vistas em mapas de Controle ou na defesa de carga. Nestes casos, o time se esconde onde não pode ser visto ou atacado, dando tempo para aumentar a velocidade e tentar atropelar a outra equipe, quando chegar a hora contestar o objetivo.

Mais do TechTudo