Por Bruna Telles, para o Techtudo


O jogo Apex Legends está sendo usado em um novo golpe, segundo a ESET, empresa britânica de segurança digital. Aplicativos maliciosos e versões falsas do game mobile estariam tentando roubar dados e informações de usuários de celulares Android. Desenvolvido pela Respawn Entertainment, Apex Legends é o novo fenômeno do modo Battle Royale. O game está disponível para PC, PS4 e Xbox One, mas ainda não ganhou uma versão mobile.

Apex Legends: gameplay em português do jogo para PS4, Xbox One e PC

Apex Legends: gameplay em português do jogo para PS4, Xbox One e PC

Entenda o caso

Apex Legends atingiu a marca de 25 milhões de jogadores em apenas uma semana de lançamento e bateu recorde de visualizações na Twitch. Alguns concorrentes direto do jogo, como Fortnite e PlayerUnknown’s Battlegrounds (PUBG), já têm versões mobile. Com o sucesso de Apex, supostas versões do jogo para celular também começaram a surgir.

No entanto, a versão mobile de Apex Legends ainda não existe. Na loja oficial da Google Play, também é possível encontrar aplicativos oferecendo acessórios para o jogo. O objetivo desse suposto jogo para celular e dos aplicativos falsos é coletar dados dos usuários e vender essas informações pessoais, o que coloca a sua segurança e privacidade em risco.

Aplicativos trapaceiros tentam enganar os jogadores de Apex Legends na Google Play — Foto: Divulgação/ESET Aplicativos trapaceiros tentam enganar os jogadores de Apex Legends na Google Play — Foto: Divulgação/ESET

Aplicativos trapaceiros tentam enganar os jogadores de Apex Legends na Google Play — Foto: Divulgação/ESET

Um exemplo de golpe é o aplicativo que diz ser um manual de armas que dará vantagens ao jogador de Apex Legends. Para acessar o suposto conteúdo, o jogador precisa conceder uma série de permissões, que darão ao aplicativo acesso à localização do dispositivo, câmera e contatos. Se o usuário não conceder uma das permissões, o aplicativo não funcionará corretamente. Assim, o aplicativo falso pode coletar uma grande quantidade de informações dos jogadores desavisados.

Falso aplicativo de Apex Legends pede acesso a informações do usuário; não caia nessa — Foto: Divulgação/ESET Falso aplicativo de Apex Legends pede acesso a informações do usuário; não caia nessa — Foto: Divulgação/ESET

Falso aplicativo de Apex Legends pede acesso a informações do usuário; não caia nessa — Foto: Divulgação/ESET

Falso aplicativo de Apex Legends "ameaça": se a permissão para acessar informações do usuário não for concedida, ele não funcionará corretamente — Foto: Divulgação/ESET Falso aplicativo de Apex Legends "ameaça": se a permissão para acessar informações do usuário não for concedida, ele não funcionará corretamente — Foto: Divulgação/ESET

Falso aplicativo de Apex Legends "ameaça": se a permissão para acessar informações do usuário não for concedida, ele não funcionará corretamente — Foto: Divulgação/ESET

Outra forma de enganar os jogadores é por meio do YouTube. Ao procurar no YouTube por "como baixar Apex Legends para Android", é possível encontrar uma série de tutoriais explicando o passo a passo. A intenção é fazer o usuário clicar em um link da descrição do vídeo, fazendo download do aplicativo malicioso. Depois do download, a única coisa que o usuário recebe são vídeos do jogo, sendo redirecionado para sites de publicidade e fazendo o download de outros programas.

É golpe: vídeos ensinam a fazer download de versão mobile de Apex Legends que não existe — Foto: Divulgação/ESET É golpe: vídeos ensinam a fazer download de versão mobile de Apex Legends que não existe — Foto: Divulgação/ESET

É golpe: vídeos ensinam a fazer download de versão mobile de Apex Legends que não existe — Foto: Divulgação/ESET

Números de vítimas e como evitar golpes

Segundo a ESET, não é possível precisar quantos usuários já foram vítimas dos golpes relacionados ao jogo. "Determinar este tipo de dados com precisão não é possível, já que não podemos saber quem realmente caiu no engano. No máximo, quando eles são dados de códigos maliciosos, podemos saber a quantidade de usuários a quem nós travamos a detecção", disse Camilo Gutierrez, chefe de laboratório da ESET.

MAIS DO TechTudo