Por Paulo Alves, para o TechTudo


O WhatsApp recomenda que todos os usuários atualizem imediatamente o aplicativo no celular para corrigir um bug crítico de segurança. A vulnerabilidade, anunciada pelo jornal Financial Times nesta segunda-feira (13) e confirmada pelo Facebook, permite que o smartphone seja invadido pelo vírus conhecido como Pegasus. Segundo um grupo de pesquisadores, o programa malicioso é um spyware capaz de acionar câmera e microfone, além de acessar e-mails e arquivos da vítima por meio de uma simples chamada de voz não atendida no app.

O WhatsApp liberou uma atualização que impede a ação do vírus no aplicativo, e declarou que apenas um grupo seleto de usuários (na casa das "dezenas") foi atingido pela vulnerabilidade. As novas versões já estão disponíveis para download para os mais de 1,5 bilhão de usuários de aparelhos Android, iPhone (iOS), Windows Phone e Tizen. A versão empresarial WhatsApp Business também foi afetada e tem correção disponível.

Atualização para WhatsApp corrige bug crítico de segurança — Foto: Marvin Costa/TechTudo Atualização para WhatsApp corrige bug crítico de segurança — Foto: Marvin Costa/TechTudo

Atualização para WhatsApp corrige bug crítico de segurança — Foto: Marvin Costa/TechTudo

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

O spyware Pegasus foi desenvolvido pela NSO, empresa israelense que fornece tecnologia de espionagem para governos. Estima-se que 45 países já tenham usado serviços da companhia. Essa, no entanto, é a primeira vez que o programa espião é descoberto infectando smartphones por meio do WhatsApp.

O problema preocupa principalmente porque o ataque não requer que a vítima faça o download do vírus no celular. Segundo fontes ouvidas pelo Financial Times, o usuário precisa apenas receber uma ligação de voz pelo aplicativo para ser infectado — não é preciso nem mesmo atender a chamada. O Financial Times também apurou que, de acordo com um representante do WhatsApp, o número de usuários atingidos pela vulnerabilidade "está na casa das dezenas".

Segundo a NSO, o programa foi criado para ajudar governos a combater crimes, mas já houve casos de ataques direcionados a defensores de direitos humanos. No último domingo (12), o Citizen Lab divulgou uma ofensiva contra um advogado ativista em direitos humanos no Reino Unido via WhatsApp. Cerca de 1,5 bilhões de usuários do aplicativo no mundo inteiro estariam em risco.

Em nota à imprensa, o WhatsApp recomenda que usuários atualizem o aplicativo e instalem a versão mais recente disponível, e que "também mantenham o sistema operacional do celular atualizado, para se protegerem da exploração de possíveis brechas que comprometam o conteúdo do dispositivo".

Como se proteger

Android

Abra o app Google Play, acesse o menu lateral e toque no círculo para buscar atualizações. Em seguida, toque em “Atualizar” ao lado do aplicativo. As versões seguras são a 2.19.134 e posteriores (WhatsApp) ou a 2.19.44 e posteriores (WhatsApp Business).

Atualize o WhatsApp no Android — Foto: Reprodução/Paulo Alves Atualize o WhatsApp no Android — Foto: Reprodução/Paulo Alves

Atualize o WhatsApp no Android — Foto: Reprodução/Paulo Alves

iPhone

No iOS, abra a App Store e acesse a aba “Atualizações” e arraste a tela de cima para baixo para buscar novas versões disponíveis. Toque em “Atualizar” ao lado do WhatsApp. A correção está presente nas versões 2.19.51 e posteriores (WhatsApp e WhatsApp Business).

Atualize o WhatsApp no iPhone — Foto: Reprodução/Marvin Costa Atualize o WhatsApp no iPhone — Foto: Reprodução/Marvin Costa

Atualize o WhatsApp no iPhone — Foto: Reprodução/Marvin Costa

No Windows Phone, a versão 2.18.348 é a mais segura. No Tizen é preciso ter, pelo menos a versão 2.18.15 instalada.

O que fazer quando o backup do WhatsApp trava? Tire dúvidas no Fórum do TechTudo.

Como atualizar o WhatsApp no iPhone

Como atualizar o WhatsApp no iPhone

Mais do TechTudo