Por Filipe Garrett, para o TechTudo


O supercomputador Fênix da Petrobras é o mais poderoso da América Latina para processamento geofísico e está na 142ª posição do Top500, lista que mostra os 500 maiores computadores do mundo e que é atualizada a cada semestre. Formado por 48.384 núcleos de processamento e um total de 55.296 gigabytes de memória, a máquina deve diminuir o tempo de processamento dos algoritmos de simulação da Petrobras em quatro vezes, se comparado com outras tecnologias dentro do parque tecnológico da petroleira.

O computador foi fabricado pela francesa Bull, uma empresa da Atos, roda Linux e opera a partir de hardware de Intel e Nvidia.

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Supercomputador da Petrobras será usado em simulação geofísica — Foto: Divulgação/Petrobras Supercomputador da Petrobras será usado em simulação geofísica — Foto: Divulgação/Petrobras

Supercomputador da Petrobras será usado em simulação geofísica — Foto: Divulgação/Petrobras

O Fênix, que entrou em operação em março, é usado pela Petrobras para realizar processos de simulação geofísica rodando em um ambiente Linux (em específico, a distribuição CentOS). Nesses testes, o computador usa uma série de leituras sísmicas coletadas tanto no fundo do mar como na terra.

Essas leituras são processadas nos algoritmos de análise da empresa para criar uma imagem mais clara do que se esconde abaixo da superfície. As simulações permitem que os técnicos antecipem a configuração das camadas mais profundas do subsolo, criando um modelo completo, que indica onde pode existir petróleo, mas também qual é o aspecto dos diversos níveis do solo que precisam ser perfurados. De acordo com a Petrobras, esses dados aumentam a eficiência da prospecção de riquezas e também contribuem para a diminuição de riscos de acidentes na hora de realizar intervenções.

Do ponto de vista do hardware, o Fênix é formado por 576 processadores Intel Xeon Gold 5122 (a título de curiosidade, uma CPU dessas pode custar mais de R$ 20 mil), auxiliados pela alta capacidade de processamento paralelo das Nvidia Tesla V100, GPUs especializadas para supercomputadores. Essa massa de processadores permite que o Fênix alcance uma performance computacional bruta de 1.836 teraflops (em teoria, 4.397 teraflops), precisando de um suprimento de 287 quilowatts para operar.

Embora os números do Fênix não façam feio, o computador da Petrobras fica longe dos 10 mais poderosos do mundo. O atual recordista é o Summit, localizado no Oak Ridge National Laboratory nos Estados Unidos: formado por 2.414 milhões de núcleos de processamento Power9 da IBM, o Summit tem uma performance estimada na faixa dos 148.600 teraflops.

Via Petrobras, Top500 (1 e 2)

Como saber se um PC ou notebook é bom? Comente no Fórum do TechTudo

Mais do TechTudo