Por Filipe Garrett, para o TechTudo


Um relatório expõe um esquema de ataque por hackers que atingiu operadoras de telefonia em diversos países por pelo menos sete anos. O documento, divulgado por especialistas da empresa de segurança Cybereason, batiza o episódio como Operação Soft Cell e traça uma ação provavelmente coordenada por hackers chineses e que visava alvos específicos ao redor do mundo.

Grave, o ataque dava acesso às redes para que os invasores pudessem não apenas interceptar informações, inclusive com a possibilidade de escutas das chamadas dos alvos, como até mesmo a possibilidade de derrubar completamente a rede das operadoras alvo. A Cybereason não revelou quais países e operadoras foram afetados.

Ação de espionagem pode ter interceptado ligações de alvos por anos — Foto: Bruno De Blasi/TechTudo Ação de espionagem pode ter interceptado ligações de alvos por anos — Foto: Bruno De Blasi/TechTudo

Ação de espionagem pode ter interceptado ligações de alvos por anos — Foto: Bruno De Blasi/TechTudo

Sabe-se que são pelo menos 20 alvos da ação em países da Europa, Ásia, África e Oriente Médio. Vista como uma operação de espionagem, a operação é classificada como altamente sofisticada pelos especialistas a tal nível que há suspeitas de que ação tenha necessariamente contato com apoio de órgãos governamentais, dada a escala e nível técnico requerido entre os envolvidos.

Segundo a Cybereason, o alvo principal do ataque são registros de ligações, armazenados pelas operadoras. Esses dados contém informações referentes a números de telefone, duração das chamadas, além da localização dos aparelhos que participaram no telefonema. Os dados não incluem o conteúdo em áudio das chamadas.

Os técnicos que revelaram a operação reconhecem que, a partir do momento que os invasores conseguem acesso à infraestrutura da operadora, torna-se possível interceptar ligações em tempo real e ouvir ou gravar integralmente o conteúdo da chamada. Em cenários mais graves, os hackers teriam a capacidade teórica de colocar toda a infraestrutura de uma operadora fora do ar, ou interceptar as chamadas de quem quisessem.

Os invasores ganharam acesso às redes internas das operadoras explorando vulnerabilidades em servidores que não foram corrigidas. Uma vez dentro da rede, os criminosos desenvolveram mecanismos para continuar conectados à empresa telefônica de forma oculta para poder interceptar as ligações e os registros.

Esse potencial inexplorado pelos invasores de gerar caos por anos a fio também fortalece o argumento de que a operação Soft Cell tenha sido uma ação de espionagem, já que o vida útil prolongada do ataque indica que os hackers estavam mais interessados na coleta da informações do que em ganhar as manchetes.

Ainda segundo a Cybereason, o ataque guarda semelhança com estratégias usadas pelo grupo chinês APT10, acusado em 2018 de roubar informações de Nasa, IBM e outras corporações americanas da área de tecnologia.

Mais do TechTudo