Por Bruna Telles, para o TechTudo


Jogos online que têm modos competitivos, como League of Legends (LoL) e Counter Strike: Global Offensive (CS:GO), costumam ser lembrados quando o assunto é toxicidade. Um estudo divulgado na última quinta-feira (25) pela a ONG Anti-Defamation League revelou que 74% dos players norte-americanos já sofreram algum tipo de assédio enquanto jogavam online. Além disso, 65% dos entrevistados dizem já ter sofrido assédio extremo, como ameaças físicas e perseguição. Entenda, a seguir, o que é toxicidade e o como as desenvolvedoras lidam com a situação.

Comportamento tóxico  — Foto: Divulgação/Bully Hunters Comportamento tóxico  — Foto: Divulgação/Bully Hunters

Comportamento tóxico — Foto: Divulgação/Bully Hunters

Entendendo os números

A Anti-Defamation League entrevistou cerca de mil pessoas entre 18 e 45 anos que jogam online. Deste número, mais da metade disse ter sofrido assédio por conta de raça, religião, gênero, orientação sexual ou etnia. Vale registrar ainda que dentro do estudo, 38% das mulheres e 35% dos jogadores LGBTQ+ declararam sofrer assédio frequente devido ao gênero e orientação sexual.

A pesquisa ainda apontou que 29% dos jogadores já sofreram "dox". A prática consiste em ter a identidade e/ou informações pessoais pesquisadas e divulgadas por outra pessoa. Além disso, 25% dos jogadores disseram ter sido expostos à ideologias de supremacia branca.

Quer ajuda para montar um PC gamer? Pergunte no Fórum do TechTudo

Jogos mais citados

Toxicidade é todo comportamento que fuja do limite da disputa justa e agradável. Jogadores também podem ser considerados tóxicos caso se recusem a colaborar com o time, tenham um desempenho ruim proposital, favoreçam o adversário ou abandonem partidas.

No estudo, os cinco jogos onde os entrevistados disseram ter sofrido mais casos de assédio incluem DotA 2, Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO), PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG), Overwatch e League of Legends (LoL).

No entanto, o mesmo estudo destaca aspectos positivos dos espaços sociais dentro de games online. Enquanto jogavam, 88% dos entrevistados disseram ter experimentado alguma interação social positiva, como fazer amigos e ajudar outras pessoas a jogar. Quase um terço dos entrevistados disse que sente como se fosse parte da comunidade de jogo online.

Combate à toxicidade

Nos esports, a equipe de CS:GO North chamou a atenção para o problema da toxicidade no começo do ano. Após sofrer uma derrota em uma qualificatória europeia do Intel Extreme Masters (IEM) Katowice, o time recebeu uma série de mensagens violentas. Como reação, a North lançou a campanha #StopToxicity. O comportamento tóxico também é alvo dos termos de uso de jogos como Clash Royale, Rainbow Six: Siege (R6), Fortnite, League of Legends e Magic: The Gathering Arena.

Em outros casos, como Overwatch, a equipe de desenvolvimento diz ter reduzido o comportamento tóxico em 40% com a introdução do sistema de indicações no final das partidas. No ano passado, a Ubisoft anunciou novidades para R6 focando o combate à toxicidade. Elas incluíam a possibilidade de desativar o chat, e o ban automático para jogadores que usarem linguagem ofensiva.

Quer comprar consoles, jogos e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Mais do TechTudo