Celulares

Por Flávia Magalhães, para o TechTudo


O novo celular premium Google Pixel 4 causou alarde devido a uma falha de segurança no sistema de reconhecimento facial. Um repórter de tecnologia percebeu que o smartphone pode ser desbloqueado mesmo quando o usuário está de olhos fechados – o que permite que outras pessoas esperem o dono do celular dormir para escanear seu rosto. Após a polêmica, o Google veio a público para informar que vai tomar providências.

Google Pixel 4 XL tem tela de 6,3 polegadas — Foto: Thássius Veloso/TechTudo

O novo smartphone custa a partir de US$ 799 e US$ 899 (cerca de R$ 3.310 em conversão direta) nos Estados Unidos. A gigante norte-americana apostou tão alto na tecnologia de reconhecimento facial que removeu os sensores de impressões digitais, ao contrário do que ocorreu no antecessor Pixel 3.

No entanto, o especialista em segurança digital Graham Cluley explicou à rede BBC que “se alguém consegue desbloquear seu celular enquanto você dorme, é um grande problema de segurança”, pois seu parceiro, filhos ou qualquer outra pessoa poderia usar seu smartphone livremente sem a sua autorização.

Inicialmente, o Google avisou que é possível desativar a função de reconhecimento facial caso o usuário prefira. No entanto, em meio à repercussão negativa do caso, informou que uma correção seria liberada “nos próximos meses”, sem detalhar a data exata da atualização. A mudança exigirá que o usuário esteja de olhos abertos para acessar o conteúdo do aparelho, tal qual ocorre com o Face ID, sistema de biometria por reconhecimento facial do iPhone.

Com informações: BBC, Mashable e ZDNET

Google Pixel 4: testamos o  primeiro celular com radar

Google Pixel 4: testamos o primeiro celular com radar

Mais do TechTudo