Por Victor Toledo, para o TechTudo


Cientistas americanos desenvolveram uma maneira de usar o sinal de Wi-Fi para reconhecer pessoas. De acordo com o estudo, que foi iniciado em 2013 por pesquisadores do Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (CSAIL) e vem sendo aprimorado por pesquisas da Universidade da Califórnia, a técnica pode ser usada para reconhecer indivíduos que também apareceram em câmeras de segurança. A nova tecnologia, batizada de XModal-ID, funciona usando sinais de Wi-Fi para medir a pessoa enquanto ela caminha por onde o sinal está ativo.

Os pesquisadores acreditam que, se o modo como uma pessoa anda corresponder ao que foi registrado pelas câmeras de segurança, é possível concluir que seja a mesma pessoa, aumentando, assim, a segurança de um determinado lugar. Conheça, a seguir, mais detalhes sobre o desenvolvimento dessa nova tecnologia.

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

O estudo dos cientistas norte-americanos tem como base os princípios básicos da rede Wi-Fi: como esses sinais não atravessam as pessoas, eles podem ser usados ​​para mapear diversos modelos de indivíduos e, usando um algoritmo matemático, seria possível rastrear a maneira como o ser humano caminha.

A pesquisa desenvolvida, em 2019, pelos pesquisadores da Universidade da Califórnia tem como base os estudos que têm sido feitos desde 2013, pelo Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (CSAIL). Desde então, os pesquisadores do CSAIL estudam como os sinais de Wi-Fi podem reconhecer a silhueta de uma pessoa, mesmo que ela esteja atrás de paredes, por exemplo. Em 2018, a pesquisa feita pelo CSAIL conseguiu desenvolver um dispositivo que, com o auxílio do Wi-Fi, conseguiria rastear uma pessoa. O mesmo dispositivo, usando a tecnologia acima citada, conseguiu definir quantas pessoas estavam numa mesma sala.

Ao contrário da instalação de câmeras na casa de uma pessoa, a tecnologia que utiliza sinais Wi-Fi é menos invasiva, já que não é possível enxergá-la a olho nu. Por conta disso, o indivíduo não sente que está sendo vigiado o tempo todo e tem a sensação de privacidade respeitada.

Redes Wi-Fi conseguem atravessar paredes de uma casa — Foto: Reprodução/TechTudo Redes Wi-Fi conseguem atravessar paredes de uma casa — Foto: Reprodução/TechTudo

Redes Wi-Fi conseguem atravessar paredes de uma casa — Foto: Reprodução/TechTudo

Outro ponto interessante e que se diferencia das tradicionais câmeras é que, com o Wi-Fi, não há a necessidade de um dispositivo em cada cômodo da casa, porque os sinais da rede atravessam paredes, possuem maior alcance e ainda fornecem informações confiáveis.

Um exemplo de uso mencionado na pesquisa é a identificação de uma pessoa suspeita de cometer um assalto. Nesse cenário, a pessoa estaria sendo gravada pela câmera, entretanto, sem ser possível identificá-la com precisão, a tecnologia Wi-Fi poderia ser usada. Neste caso, a junção entre os dados das câmeras de segurança e do sinal de Internet, quando combinados, poderiam ajudar a identificar o suposto criminoso. De acordo com o estudo, a taxa de confiança na tecnologia fica na casa dos 95% de acerto na combinação de uma pessoa com seu modo de caminhar.

Via Mic

Como escolher uma câmera de segurança? Tire suas dúvidas no Fórum do TechTudo

Mais do TechTudo